Seguranças do Senado agridem jornalistas durante passagem de Paulo Guedes

"Pela primeira vez na vida fui literalmente empurrado por funcionários da Polícia Legislativa e impedido de fazer livremente meu trabalho dentro do Congresso", diz jornalista do Valor.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Jornal GGN – Jornalistas que faziam cobertura no Senado foram obrigados a se retirar dos corredores das comissões na Casa por seguranças, na tarde desta quarta-feira (27), durante a passagem do ministro da Economia Paulo Guedes.

Indignados com o tratamento, alguns registraram a ocorrência e exigiram explicações em um grupo no Whatsapp aberto pela assessoria do Ministério da Economia.

“Boa tarde assessoria, gostaria de entender o motivo do Ministério solicitar que todos os jornalistas fossem retirados do corredor das comissões do Senado, onde podemos circular livremente com nossas credenciais. A segurança do Senado informou que foi um pedido do ministro ‘por questões de segurança'”, escreveu Eduardo Rodrigues, repórter da Agência Estado.

“Qual é o temor de segurança que o ministro tem em relação aos jornalistas que cobrem a pasta?” completou.

Fábio Pupo, do Valor, disse que foi agredido. “Pela primeira vez na vida fui literalmente empurrado por funcionários da Polícia Legislativa e impedido de fazer livremente meu trabalho dentro do Congresso. Enquanto aguardávamos o ministro do lado de fora, eles nos empurraram para dentro”, contou.

“Em meio aos protestos, eles falaram que agiram ‘a pedido do ministro’. Desde a chegada dos jornalistas, eles já vinham agindo de maneira ríspida e truculenta. Isso não pode se repetir”, completou o repórter exigindo da assessoria um posicionamento.

Em resposta às reclamações, a equipe de comunicação do ministério escreveu uma nota, compartilhado no mesmo espaço do Whatsapp lamentando “o episódio ocorrido entre jornalistas e segurança legislativa”, negando que Paulo Guedes tenha feito alguma solicitação para afastar os jornalistas.

Leia também:  O Presidencialismo de Coalizão está morto, por Ion de Andrade

“O ministério informa que, em nenhum momento, solicitou que qualquer cidadão fosse retirado dos corredores em função da presença do ministro Paulo Guedes e pede desculpas por qualquer eventual transtorno”, escreveu. Em seguida, uma das assessoras do ministério saiu (ou foi retirada) do grupo.

Sob estresse

Apesar da resposta da comunicação oficial, é provável que o desgaste político sofrido, especialmente, ontem tenha levado o ministro a querer evitar os jornalistas.

Segundo a Coluna Painel, da Folha de S.Paulo, desta quarta, a queda de braço entre o Planalto e o Congresso e a exposição na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) deixaram Paulo Guedes irritado.

“Deputados dizem que, inconformado, Guedes reclamou aos gritos do ambiente na CCJ. Integrantes da pasta, por sua vez, confirmam a chateação, mas afirmam que ele não se exaltou”, escreveu a colunista Daniela Lima.

A decisão do ministro de cancelar horas antes sua participação em uma sessão, marcada às 10h da manhã de ontem, para explicar aos parlamentares da CCJ a reforma da previdência repercutiu negativamente entre deputados da oposição que chegaram a levantar placas na sessão chamando Guedes e Bolsonaro de “fujões”.

Para completar o momento cinzento na vida do ministro, à noite desta terça, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou em dois turnos no plenário, e com votações avassaladoras de 448 a 453 votos, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Orçamento Impositivo.

Leia também:  Barragem da Mina de Gongo Soco precisa de ação urgente da Vale

O texto vai no sentido contrário a uma PEC de desvinculação e desindexação de despesas da União, que Paulo Guedes disse ter montando como “Plano B” caso o governo não consiga aprovar a reforma da Previdência. A PEC segue agora para aprovação no Senado onde o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), já se comprometeu a votá-lo “o mais rápido possível”.

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome