Vacina: Rússia anuncia acordo com a Bahia para 50 milhões de doses da Sputnik V

As entregas estão previstas para começar em novembro de 2020, sujeito à aprovação dos reguladores do Brasil com a consideração dos resultados dos testes

Vyacheslav Prokofyev / TASS / Getty Images

Da CNN americana

O Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), da Rússia, e o estado da Bahia, no Brasil, firmaram acordo de cooperação para fornecer até 50 milhões de doses da vacina russa Sputnik-V.

As entregas estão previstas para começar em novembro de 2020, sujeito à aprovação dos reguladores do Brasil com a consideração dos resultados dos testes pós-registro.

O acordo, feito por meio da Secretaria de Saúde do estado, também permitirá que as partes distribuam a vacina em todo o Brasil no futuro, afirmou o Fundo Russo de Investimentos Diretos (RDIF) em comunicado nesta sexta-feira.

“O Governo do Estado da Bahia, no Brasil, está muito satisfeito com o acordo firmado com o Fundo Soberano de Riqueza da Federação Russa, que garantirá o acesso à vacina Sputnik V para o povo brasileiro, assim que for aprovado pelo autoridades reguladoras nacionais brasileiras”, disse o Dr. Fabio Vilas-Boas Pinto, Secretário de Saúde do Estado da Bahia, em comunicado divulgado pela RDIF.

“Por ser uma vacina construída com adenovírus humano, que é uma das plataformas de desenvolvimento de vacinas mais seguras e eficazes do mundo, acreditamos que os resultados dos ensaios clínicos de fase 3 em andamento confirmarão os dados observados nas fases 1 e 2″, ele adicionou.

A RDIF disse à CNN que espera anunciar acordos para fornecer dezenas de milhões de doses de Sputnik-V a outros países ao redor do mundo nos próximos dias.

Aqui estão alguns antecedentes: a Rússia atraiu críticas  quando anunciou a primeira vacina contra o coronavírus aprovada no mundo para uso público em agosto – mesmo antes de os testes cruciais de Fase 3 terem sido concluídos.

Leia também:  Bolsonaro cancela compra da vacina chinesa porque não "dialoga com João Doria"

Os resultados dos estudos de Fase 1 e 2 da vacina, publicados na revista médica The Lancet, mostraram que a vacina gerou anticorpos neutralizantes em dezenas de participantes do estudo.

De acordo com o estudo, a vacina gerou anticorpos neutralizantes em dezenas de participantes do estudo e, embora muitas vezes causasse efeitos colaterais como febre, esses efeitos colaterais eram geralmente leves.

Cientistas não envolvidos no estudo disseram que, embora os resultados sejam um sinal positivo, apenas maiores, os testes de Fase 3 podem confirmar se a vacina realmente previne a doença com Covid-19.

Ainda assim, os pesquisadores já estão distribuindo a vacina para grupos de alto risco, de acordo com Kirill Dmitriev, chefe do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), que está financiando pesquisas de vacinas russas.

As autoridades russas escolheram os professores – bem como os médicos – como trabalhadores-chave que terão acesso à vacina primeiro, antes mesmo que os testes em humanos de fase 3 tenham terminado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome