Votação das contas de João Henrique (Salvador) é adiada

A falta de acordo entre  lideranças e  ausência de quórum para votação adiaram, mais uma vez, a apreciação das contas do prefeito de Salvador, João Henrique (PP) na Câmara Municipal. Mas entre os vereadores, a avaliação é que o momento pós-eleições é desfavorável ao prefeito, que enfrenta, além da oposição, a rejeição de vereadores da sua própria bancada.

O presidente Pedro Godinho (PMDB) convocou reunião de líderes para a próxima terça-feira, para discutir o assunto. Godinho vê dificuldades em relação à votação dos nove projetos encaminhados semana passada pelo Executivo. “O clima é favorável à votação das contas, mas desfavorável à apreciação dos projetos”, afirmou. “Falta tempo”, afirmou.

Hora do troco – A vereadora Aladilce Souza (PCdoB) enfrentou a resistência do líder do governo, Téo Senna (PTC), ao tentar votar pedido de preferência para a apreciação das contas. “Fui surpreendido com o pedido, já que havia pauta de projetos não-polêmicos definida”, diz Senna. O tempo de discussão foi suficiente para que parte dos vereadores se retirasse e fosse constatada a falta de quórum no plenário.

Alguns parlamentares defenderam a votação até o final do ano. “Devemos fazer isso em respeito à cidade”, disse Sandoval Guimarães (PMDB), presidente da Comissão de Orçamento e Fiscalização e responsável pelo relatório que concorda com o parecer do Tribunal de Contas do Município, que rejeitou as contas. Mas, além de Sandoval e apesar da resistência de Senna, integrantes da bancada do prefeito se declaram favoráveis à votação imediata.

Leia também:  Trump pede adiamento da eleição, alegando falsamente que haverá fraudes

“Já passou da hora”, afirmou Paulo Magalhães Jr. (PSC). “Vou referendar o parecer do TCM e da Comissão”, disse.  Alemão (PRP) tem a mesma intenção. “Ser da base governista não me impede se ser coerente”, salientou. Para Gilmar Santiago (PT), ao deixar a votação das contas para depois das eleições, o prefeito perdeu o timming.   “Há problemas na relação do Executivo com a sua base de sustentação no final da gestão, sobretudo depois que o prefeito declarou seu apoio a apenas uma das candidaturas da base. É a hora do troco”, analisou.

Fonte: http://atarde.uol.com.br/politica/materias/1468588

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome