Desistências comprovam necessidade do programa Mais Médicos

Sugerido por Cláudio José

Do Jornal do Brasil

Desistências comprovam ainda mais a necessidade do programa Mais Médicos

A desistência dos médicos, o que supostamente seria considerado o fracasso do Mais Médicos do governo federal, na verdade é a razão fundamental que comprova que o projeto é mais que necessário.

Se estes médicos que desistem não são “laranjas” dos que estão contra, são piores do que ser “laranja” dos que se opõem que o povo possa ser tratado. São médicos que não deveriam se formar, pois prestam um serviço para que o cidadão morra, e não pela razão de seu juramento.

Estes mesmos que se opõem à vinda dos médicos estrangeiros se vangloriam de poder se tratar no exterior, desqualificando a medicina brasileira.

Desses grandes reacionários, vários recomendam aos seus clientes operações em Cleveland, Boston – quando do aparelho digestivo -, em Londres e no Doctor Barraquer – quando em oftalmologia. Hoje, os ricos e estes vão fazer cirurgia em Miami.

O governo deveria responsabilizar pecuniariamente esses “médicos” que desistiram de seus postos e estampar seus nomes como o do neurocirurgião que permitiu a morte de uma criança por ter faltado ao trabalho.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Avanço neoliberal faz fome atingir 42,5 milhões de pessoas na América Latina e Caribe

1 comentário

  1. Dentro do que se viu do

    Dentro do que se viu do embate entre médicos Brasileiros e o governo ficou claro a falta de diálogo entre as partes e com o final lamentável em que o governo jogou claramente os médicos as feras quando falou em elite , previlégio e atrito entre classes sociais , fato que o ex presidente Lula , sempre se apoiou para angariar simpatia do povão , quando fala da elite de olhos azuis.

    Ficou mal , pois a função do governo é principalmente apasiguar as diferentes classes socias e não estimular esta divisão  . Provalvelmente com um bom diálogo aproveitariamos os recem formados ou até mesmo quartoanistas das escolas de medicina do país , ao invéz de nos subordinarmos ao um regime trabalhistas diferenciado e escravagista de um país sob uma ditadura  e que uma classe trabalhadora é explorada .

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome