Eleições inglesas: uma onda anti-neoliberal?, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Eleições inglesas: uma onda anti-neoliberal?

por Fábio de Oliveira Ribeiro

A Islandia deu uma banana para o Mercado e começou a se recuperar da crise neoliberal mais rápido do que todos os países europeus. Os banqueiros e políticos que lucraram destruindo a economia do país foram duramente responsabilizados.

Na Grécia, a tentativa de seguir o exemplo da Islandia naufragou. Pressionado pelos burocratas da UE e pela Alemanha, o governo de esquerda eleito pelos gregos aplicou a cartilha do FMI: privatizações e redução de direitos trabalhistas, sociais e previdenciários.  O resultado foi catastrófico. O país continua sendo sacudido pelos conflitos trabalhistas e sociais. A economia grega continua afundando e o endividamento do país apenas aumentou.

Portugal encontrou um meio termo entre a tragédia grega e a ousadia islandesa. Sem alarde (e sem prender políticos e banqueiros neoliberais) Lisboa abandonou a cartilha do neoliberalismo e a economia dos nossos patrícios europeus voltou a crescer. Os desempregados e famintos espanhóis e italianos, vítimas de governos que seguiram o receituário neoliberal, certamente estão invejando os portugueses.

No Brasil, com ajuda de um Congresso povoado de deputados e senadores criminosos  o usurpador Michel Temer tenta impor aos brasileiros o remédio grego. A imprensa está ao lado dele. A que aposta na sua queda diz, contudo, que as “reformas” deverão ser mantidas pelo sucessor dele eleito de maneira indireta.

O fiel da balança pode ser a Inglaterra, onde os trabalhistas ameaçam recuperar o poder com um programa que rejeita abertamente os ideais do neoliberalismo. À medida que Corbyn se aproxima de uma vitória eleitoral, uma parcela imprensa britânica se tornou tão ou mais histérica que a imprensa brasileira.

Leia também:  Os Sequestrados de Altona “made in Brazil”, por Fábio de Oliveira Ribeiro

O golpe de 2016 e sua preparação jornalística (intensa campanha contra Dilma Rousseff antes e depois das eleições de 2014 por todos os grandes jornais, revistas e redes de TV) podem ter estabelecido um padrão. Mas ao contrário do Brasil a Inglaterra tem uma imprensa plural. O The Guardian, por exemplo, procura se ater à verdade factual das eleições sem atacar irracionalmente o candidato trabalhista e dá espaço para os admiradores dele.

O judiciário brasileiro interferiu diretamente na vida política do país ao deixar um criminoso iniciar e conduzir a fraude do Impedimento. O judiciário inglês, contudo, raramente interfere na política e conviveu tranquilamente com governos trabalhistas que tinham propostas até mais radicais que as de Corbyn.

Se os trabalhistas ganharem a poder com uma pequena minoria os conservadores ingleses se sentirão tentados a aplicar a “receita brasileira”*? Se Jeremy Corbyn conseguir impor seu programa qual será o reflexo da onda anti-neoliberal na Europa e América Latina? A conferir.

 

*receita brasileira: ruptura da legalidade mediante fraude parlamentar judiciária.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Mas o problema é o capitalismo, não o neoliberalismo

    Os ingleses estão tomando a parte pelo todo. They will get fooled again

    • Simples Rui, Neoliberalismo é o capitalismo versão 3.0.

      1.0 é o Capitalismo (que já era no início, liberal sem o nome)

      2.0 é o Capilalismo com o nome de liberal.

      3.0 é o Capitalismo que como é mais novo virou neo ou seja neoliberal.

      Na verdade 1.0 = 2.0 = 3.0= …….

      Que tal o comunismo sem versão?

  2. Pobre coitado do país?

    A eleição na Inglaterra assim como a Francesa pode definir os rumos da política internacional, pois conforme os resultados pode-se caracterizar uma virada comportamental mais forte para uma nova situação.

    Quem lê o artigo? Meia dúzia. Quem o comenta? Dois abestalhados.

    Mas o importante é saber se o Temer cai nesta semana ou na próxima, pois os destinos do mundo ocidental estão para ser decididdos do STE.

    Vão todos se catar!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome