Escolas fazem golaço no analfabetismo funcional

Colégios municipais do Rio conseguiram média 7,5 na Provinha Brasil, que testou a capacidade de leitura de estudantes do 2º ano do Ensino Fundamental. A melhor unidade fica na Pavuna

Rio – Alunos do 2º ano do Ensino Fundamental da rede municipal apresentaram rendimentos animadores na Provinha Brasil, que diagnostica o nível de alfabetização. A média geral ficou em 7,5 no exame elaborado pelo Ministério da Educação (MEC), um avanço em relação à média 6,9 de 2009.

Foto: Fábio Gonçalves / Agência O Dia
Orgulhoso, Caio (à direita) mostra o livro que já consegue ler: aluno superou dificuldades com aulas extras nas Escola Glauber Rocha, na Pavuna | Foto: Fábio Gonçalves / Agência O Dia

A prova foi aplicada em abril a 58.072 crianças, das quais 86% acertaram mais da metade das questões. Em novembro, elas serão reavaliadas. A secretária municipal de Educação, Claudia Costin, vibrou: “Estamos em festa. Em 2009, identificamos 28 mil analfabetos funcionais na rede. Agora, nosso objetivo é fechar o ano com 95% deles alfabetizados. Estamos dando fim ao ‘apartheid’ educacional”. Na média geral por região, as escolas que mais se destacaram ficam em Senador Vasconcelos, Campo Grande, Inhoaíba, Santíssimo e Cosmos. Lá, a média foi 7,8.

No Ciep Glauber Rocha, na Pavuna, os alunos praticamente gabaritaram a prova: a média da unidade foi de 9,9, a maior entre todas as 747 avaliadas. “O segredo do sucesso é o comprometimento de todos os profissionais. Nossos 300 alunos estudam em horário integral e podemos oferecer suporte para as deficiências deles”, revelou a diretora da unidade, Iolirís Paes Alves, 45 anos.

A atenção especial dos professores foi determinante para que Caio Fagner de Oliveira, 7 anos, driblasse a dificuldade com a leitura. Ele foi alocado no reforço escolar e disparou. Ele só precisou de 6 meses para alcançar os coleguinhas: “Antes, ficava gaguejando e não conseguia ler direito. Agora, tudo mudou. Até achei fácil a Provinha Brasil”, gabou-se, com um livro nas mãos.

Brilharam também os alunos do Ciep 1º de Maio, na Favela de Antares, em Santa Cruz, o primeiro entre as Escolas do Amanhã e o segundo melhor de toda a rede. “Nosso grande desafio é semear o gosto pelo estudo em alunos que vivem em ambientes extremamente perigosos. Na escola, eles precisam esquecer o crime”, destacou a diretora Sueli Pontes, 46 anos.

Teste para alunos do 1º ano

Para fechar o cerco ao analfabetismo funcional nas escolas municipais, dia 20 os alunos do 1º ano serão testados num provão pela primeira vez. O exame será elaborado pela prefeitura; em novembro, outro será aplicado, encomendado a um instituto contratado.

A secretária Claudia Costin destacou que tanto a Escola Glauber Rocha como a João de Deus, na Penha (a melhor do Estado do Rio do 1º ao 5º ano segundo o Ideb, o índice do MEC), têm os mesmos diretores há mais de 20 anos.

Claudia Costin prometeu rever as transferências de professores. “Estou ciente de que a criação de vínculo com a região é uma das receitas de sucesso. Tenho certeza de que o tempo de casa faz diferença na educação”.

Entre as escolas do 6º ao 9º ano, a melhor escola pública do estado foi o Colégio Pedro II do Centro, com média 7,6 no Ideb.

http://odia.terra.com.br/portal/educacao/html/2010/7/escolas_fazem_golaco_no_analfabetismo_funcional_94363.html

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora