No Rio, manifestante morre por complicações respiratórias

Sugestão de implacavel

Estado de S.Paulo

Manifestante do Rio morre por complicações respiratórias 

CLARICE CUDISCHEVITCH – Agência Estado

Fundador do Cinema de Guerrilha da Baixada, grupo que produz filmes de baixo orçamento e oficinas para jovens da periferia, o ator e cantor Fernando da Silva Candido morreu na quarta-feira passada, 31, aos 34 anos, por problemas respiratórios. Anão, ele sofria de doença pulmonar crônica. Amigos creditam a morte ao fato dele ter respirado gases lacrimogêneo e de pimenta durante um protesto no centro do Rio em 20 de junho. 

Fernandão, como era conhecido, estava internado desde 24 de junho no Hospital Israelita Albert Sabin (Tijuca, zona norte). O atestado de óbito informa que ele morreu de “choque séptico, sepse pulmonar (infecção generalizada) e fibrose pulmonar”.

Na noite da manifestação, que reuniu cerca de 300 mil pessoas e foi uma das mais violentas do Rio, com intensa repressão policial, Fernandão acompanhava o amigo Vitor Gracciano. “Estávamos na (estação ferroviária) Central do Brasil e falei para o Fernandão que era melhor irmos embora. Mesmo assim, ainda respiramos muito gás, que tomou conta do lugar”, disse Gracciano. 

No dia seguinte, Fernandão começou a se sentir mal, segundo o amigo. Acabou hospitalizado três dias depois porque vomitava sangue. “Desde então ele piorou e foi para a UTI, onde ficou por três semanas”, afirmou Ricardo Rodrigues, outro fundador do movimento. “Ele piorava e melhorava, mas ninguém imaginava que isso ia acontecer.” 

Os amigos afirmam que o gás lacrimogêneo foi o responsável pela internação de Fernandão. “Com certeza o fato de ter respirado o gás fez que a condição dele piorasse”, disse Gracciano, acrescentando que também pegou pneumonia após participar do protesto. “Sofro de bronquite, mas não tinha problemas desde os oito anos. Depois de respirar o gás, fiquei com muita tosse e febre e precisei tomar remédios.” 

Em vídeo gravado no hospital, Fernandão sustentou que o gás era a razão da piora. “Passei muito mal e tive que ser internado. Se eu não tivesse plano de saúde, já estaria morto”, disse ele, que chegou a afirmar que, quando saísse do hospital, protestaria na porta do prédio em que vive o governador Sérgio Cabral (PMDB), no Leblon (zona sul). 

Segundo os amigos, Fernandão chegou a ser morador de rua. O único familiar que tem é uma tia. Ele foi enterrado quinta-feira no cemitério Ricardo de Albuquerque, na zona norte.  

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome