Os problemas enfrentadas pela população de Altamira

Por Altamirense

Comentário ao post “ Moradores de Altamira protestam por direitos básicos

Não vou me identificar por razões óbvias.

O MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens – põe no mesmo balaio pautas distintas, ainda que legítimas.

Altamira terá cerca de 30% de sua população realocada por conta da barragem de Belo Monte. São os moradores dos igarapés que fazem suas casas sobre palafitas e por causa do nível do reservatório precisam ser retirados do local.

O futuro dos pescadores ainda é incerto. Suas casas serão removidas da beira do Rio Xingu e ainda não está definido como se manterá seu modo de vida.

Pergunte a qualquer paraense: a CELPA deve ser a pior companhia de energia do mundo. Uma família de 04 pessoas, usando a central de ar somente à noite, paga em média R$ 400,00/mês por um serviço não confiável.

Os problemas de energia que acontecem em Altamira são frequentes e grande parte deles é devido à explosão populacional ocorrida nos últimos anos.

Os problemas de abastecimento de água e saneamento básico são um paradoxo: em plena Amazônia não há água para todos. Água de beber, só mineral. Quem não pode comprar torce para que filtros afastem doenças. Poços são a solução mais comum, inclusive na cidade e por isso não é difícil haver contaminação pelas fossas negras dos vizinhos.

Quanto às escolas, dezenas ou quem sabe, uns 70% das unidades estavam em situação lastimável. Pense em lugares escuros, abafados, sem mobiliário adequado e terá uma pálida ideia do que era uma sala de aula em Altamira.

Por conta das Condicionantes da Licença de Instalação dada pelo Ibama (a licença é válida se e somente se determinadas condições forem atendidas) a Norte Energia é a responsável pela reforma das escolas da cidade, fornecimento de água tratada, captação e tratamento de esgoto, construção de novas casas entre outras.

Aparentemente somente o caso da construção de novas escolas e reforma das existente foram em frente.

Quanto aos recursos do PAC para saneamento, estes devem estar acabando visto que a Norte Energia deve assumir e resolver os problemas de saneamento da cidade. E é verdade que não se sabe onde estão os recursos aplicados até o momento.

Não há nenhum diálogo entre a Norte Energia e a administração municipal e ambos sobrepõe obras umas sobre as outras (inclusive os 3 km da nova avenida que ligará a Perimetral até a Transamazônica – crime ambiental cometido sobre o igarapé Altamira).

A Norte Energia vê isso como “economia de recursos” e faz vista grossa. Seu lema é fazer somente o que está no Plano Básico Ambiental, não se importando com o fato que estas obras impactam mais as pessoas que o meio ambiente (minha opinião). Basta ver a qualidade das novas casas que estão sendo construídas para a população atingida e o local onde estão sendo construídas: morros distantes do Centro coisa complicada para uma população que se desloca basicamente de bicicleta sob o sol amazônico.

Assim, a situação em Altamira é lastimável e seria pior se lá não houvesse um dos melhores povos do Pará. Todos os trabalhadores da nova usina foram muito bem acolhidos mesmo sendo estes causa parcial do agravamento dos problemas da cidade e região.

E ficamos assim: quem não tem água de qualidade para beber está sendo sacrificado para que outros apertem um botão dentro de uma sala climatizada e tomem água gelada a hora que quiser.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome