PM vai apurar mortes no Aglomerado da Serra

Corregedoria da Polícia Militar abre inquérito para apurar mortes no Bairro Serra-Minas Gerais-MG

Por Alfredo Durães, no blog Boca de SapoMoradores do Bairro Serra protestaram durante enterro de tio e sobrinho, mortos na madugado de  sábado durante uma operação da Polícia Militar (Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
Moradores do Bairro Serra protestaram durante enterro de tio e sobrinho, mortos na madugado de sábado durante uma operação da Polícia Militar

 A Delegacia de Homicídios e a Corregedoria da Polícia Militar abriram inquérito para apurar a morte do auxiliar de enfermagem Renilson Veriano da Silva, 39 anos e do dançarino e auxiliar de padeiro Jeferson Coelho da Silva, o Jefinho, 17, ocorridas na madrugada de sábado, na Vila Marçola, dentro do Complexo do Cafezal, no Bairro Serra, Região Sul da capital. Um fonte da Polícia Civil disse que uma testemunha ocular dos fatos já prestou declarações

Militares fizeram o monitoramento no aglomerado durante todo o domingo. Cerca de 12 viaturas fizeram operações de rotina no bairro - Beto Magalhães/EM/D.A. Press

Militares fizeram o monitoramento no aglomerado durante todo o domingo. Cerca de 12 viaturas fizeram operações de rotina no bairro

As vítimas, que são, respectivamente, tio e sobrinho morreram depois de ser abordados por militares do Batalhão Rotam num incidente no qual os militares alegam que houve uma troca de tiros. No entanto, moradores do local dizem que os dois foram sumariamente executados. As mortes revoltaram a comunidade e dois ônibus foram queimados como forma de protesto, ainda no sábado. Neste domingo, centenas de policiais do 1º, 16º e 22º batalhões, além de integrantes do Batalhão Rotam, todos fortemente armados, ocuparam pontos estratégicos do morro para evitar novos distúrbios.

A Delegacia de Homicídios e a Corregedoria da Polícia Militar abriram inquérito para apurar a morte do auxiliar de enfermagem Renilson Veriano da Silva, 39 anos e do dançarino e auxiliar de padeiro Jeferson Coelho da Silva, o Jefinho, 17, ocorridas na madrugada de sábado - Beto Magalhães/EM/D.A.Press

A Delegacia de Homicídios e a Corregedoria da Polícia Militar abriram inquérito para apurar a morte do auxiliar de enfermagem Renilson Veriano da Silva, 39 anos e do dançarino e auxiliar de padeiro Jeferson Coelho da Silva, o Jefinho, 17, ocorridas na madrugada de sábado  

Os militares que participaram da ocorrência alegam que foram recebidos a tiros por cerca de 15 a 20 homens, em motos e a pé, que usavam fardas da Polícia Militar. Ainda na versão dos PM’s, os dois atingidos e mortos estavam com fardas embrulhadas debaixo do braço, dois revólveres em péssimo estado de conservação, munições diversas e que seriam traficantes. A versão revoltou a população do aglomerado, muito em função também dos dois serem conhecidos trabalhadores e não terem nenhum tipo de passagem pela polícia. No enterro deles realizado nesta tarde, no Cemitério da Saudade, milhares de pessoas compareceram e entoaram gritos de justiça. Novamente, várias pessoas procuraram os jornalistas para denunciar vários abusos de autoridade cometidos por militares na região

Um deles, Marcelo Emiliano Júnio Veloso, 27 anos, produtor de festas, mais conhecido como DJ Marcelo Mattos, disse que um ônibus com moradores que seguia para o velório na noite de sábado foi parado pela PM e que policiais subiram no veículo e disseram que vão retaliar qualquer tipo de denúncia. Eles, de acordo com Marcelo, mandaram um recado, dizendo que ficasse esperto pois já estavam de olho nele. Ainda de acordo com o DJ, a ameaça seria porque no sábado à tarde ele deu uma declaração a uma rede de tevê chamando os policiais de assassinos de trabalhadores e covardes. O Estado de Minas tentou contato com o comandante do Batalhão Rotam, o tenente-coronel Lisboa. O militar que atendeu a ligação afirmou que somente a sala de imprensa da PM poderia dar declarações sobre o caso.
Esta, por sua vez, afirmou que a corporação só deve se manifestar novamente na segunda-feira.

Uma fonte da Polícia Civil garantiu que policiais da Delegacia de Homicídios localizaram uma testemunha ocular do fato e que sua versão incrimina os policiais. Segundo essa fonte, a testemunha mora bem perto de onde aconteceu o fato e declarou que não houve troca de tiros e que os PM’s abordaram primeiro Renilson e, sem que houvesse qualquer tipo de reação, atiraram nele. O sobrinho Jeferson chegou poucos segundos depois e gritou com os policiais dizendo que o tio era trabalhador e que seu pai era também policial. Nesse instante, ainda de acordo com a testemunha, os PM’s da Rotam mandaram que ele saísse dali senão iria sobrar para ele. O rapaz começou a correr e foi atingido com um tiro de fuzil nas costas. Essa testemunha está sendo mantida em lugar seguro e vai depor na segunda-feira.

O pai de Jeferson e irmão de Renilson, o cabo da Polícia Militar Denilson Veriano da Silva, que está na corporação há 16 anos disse neste domingo durante o velório que vai sair de licença e não sabe o seu futuro. Ele garantiu que não está sofrendo pressão por parte do comando da PM. Declarou ainda que espera justiça e que é nessa horas que ele se envergonha de usar uma farda.

FOTOS DO CONFLITO OCORRIDO HOJE A NOITE EM BELO HORIZONTE

http://blogbocadesapo.blogspot.com/2011/02/corregedoria-da-policia-militar-abre.html

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora