Servidor público entende, mas ainda resiste à Lei de Acesso

Do Estadão

Servidor público resiste à Lei de Acesso

Pesquisa inédita aponta que para 61% dos funcionários do governo o Brasil ainda não está preparado para divulgar informações sigilosas

Rafael Moraes Moura, de O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA – Para 61% dos servidores públicos, o governo federal não está preparado para executar uma política de amplo acesso à informação, enquanto que para 55,5%, há dados e fatos que devem ser eternamente mantidas sob sigilo. É o que revela pesquisa da Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), divulgada na sexta-feira, 9, em Brasília, que aponta os principais desafios para o êxito da Lei de Acesso à Informação no País.

A avaliação dos questionários aponta que os servidores públicos reconhecem os direitos de o cidadão solicitar e obter informações, mas ainda resistem em fornecê-las. Uma porcentagem esmagadora (93,8%) dos entrevistados concorda – total ou parcialmente – com a afirmação de que o “Estado é o guardião da informação pública, mas esta pertence à sociedade”.

Quando questionados sobre os aspectos negativos de uma política de acesso à informação pública, foram listados fatores como a má utilização das informações (23,7%), as vantagens para certos grupos (14,3%), o uso político dos dados (13,7%) e o risco de solicitações excessivas (10,6%).

Entre os pontos positivos, destacaram-se a maior transparência (38,3%) e o fortalecimento da credibilidade (13%) da administração pública, o combate à corrupção (20,6%), a aproximação entre cidadão e administração pública (8,6%) e o aumento da confiança do cidadão (7,8%).

Leia também:  30% dos sobreviventes ao coronavírus podem ter sequelas por toda a vida

“Os servidores públicos até acham que a ideia da lei é boa em si, mas também acreditam que a sua aplicação vai ser difícil”, diz o antropólogo Roberto da Matta. “Ainda prevalece a mentalidade de que o papel de funcionário público pertence mais ao próprio funcionário do que à sociedade.” Sob a coordenação do antropólogo Roberto DaMatta, a pesquisa analisou as respostas de uma mostra de 986 servidores de órgãos variados do poder executivo federal, obtida a partir da seleção de 15 mil endereços eletrônicos que receberam um link de acesso ao banco de perguntas. Do total de respondentes, 91,9% eram concursados.

A pesquisa perguntou aos servidores sobre quem devem ser os maiores solicitantes de informações. Os mais lembrados foram jornalistas (35,3%), “o cidadão” (24,6%), a própria administração pública (12%) e ONGs (9,5%). Outro desafio para a implantação da lei é a ausência de áreas específicas na administração pública para atender as solicitações de informação. Segundo 53,2% dos entrevistados, não há unidades com essa finalidade nos órgãos onde atuam.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome