Datafolha: brasileiros esperam se aposentar aos 61 e 51% reprovam reforma da Previdência

Água mole em pedra dura. População está se convencendo: em 2017, 71% rejeitavam as medidas; neste ano 51% se opõe às mudanças no sistema previdenciário

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jornal GGN – Segundo pesquisa Datafolha, a reforma da Previdência proposta pelo governo Bolsonaro é reprovada por 51% da população, enquanto 41% são favoráveis, 2% se dizem indiferentes e 7% não sabem.

A proporção de brasileiros contrários à reforma na gestão Bolsonaro é menor do que a registrada em relação a reforma do governo Temer. Em abril de 2017, o Datafolha apontou que 71% rejeitavam as medidas apresentadas pelo ex-presidente.

A oposição à reforma de Bolsonaro é maior entre as mulheres (56%). Já entre os homens, 48% se dizem favoráveis e 45% são contrários, dando um empate técnico, uma vez que a margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

O Datafolha entrevistou 2.086 pessoas com 16 anos ou mais, entre 2 e 3 de abril, em 130 municípios de todas as regiões do país.

O levantamento também identificou a polarização conforme o eleitorado. Entre os que votaram em Fernando Haddad (PT) ou branco ou nulo, 72% se disseram contrários à mudança nas regras da previdência. Por outro lado, entre os que elegeram Bolsonaro, 55% disseram favoráveis à reforma e 36% contrários.

Entre os que recebem mais de dez salários mínimos (R$ 9.998 em 2019), 50% apoiam a reforma e 47% são contra. Entre os funcionários públicos a rejeição é maior (63%).

A maioria da população é contra o aumento da idade mínima para se aposentar. A rejeição é maior aos 62 anos para mulheres (65% são contra). Entre os homens, 53% se opõe a mudança da idade mínima para 65 anos.

A maioria também é contrária a contribuição de 40 anos para conseguir se aposentar sem descontos, por outro lado, 66% concordam com a cobrança de alíquotas mais altas para servidores que ganham mais, e 72% concordam em limitar a aposentadoria do servidor pelo teto do INSS.

Até mesmo entre os servidores essa posição é defendida: 74% apoiam as alíquotas progressivas e 64% o teto.

O Datafolha também perguntou se o entrevistado se considera pouco ou muito bem informado sobre a reforma: 68% disseram ter tomado conhecimento da proposta. Por outro lado, apenas 17% se consideram bem informados; 42% que estão mais ou menos informados e 9% mal informados.

A oposição à reforma é maior entre os pouco informados: 62%, contra 55% dos bem informados, 54% dos mais ou menos informados e 41% dos que não tomaram conhecimento.

O levantamento mostra ainda que a rejeição caiu entre os que se dizem bem informados: em 2017, 74% eram contrários à reforma, 19% acima do índice atual.

O Datafolha diz também que a disparidade de informação é maior conforme o nível socioeconômico: 91% dos que têm ensino superior e 90% dos que possuem renda familiar acima de dez salários mínimos afirmaram ter conhecimento sobre a proposta.

Já entre os que ganham até dois salários mínimos (R$ 1.996 em 2019), 44% disseram desconhecer a proposta, assim como 49% dos que possuem ensino fundamental.

*Com informações da Folha de S.Paulo

1 comentário

  1. O Datafolha não é confiável e está, juntamente com os demais veículos de comunicação do PIG, extremamente interessada na aprovação da reforma da previdência.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome