Reforma da previdência dos militares é um sacrifício pífio perante o da sociedade, diz Kennedy Alencar

Colunista destaca que projeto apresentado ao Congresso pode ter dificuldade de aprovação

Presidente Jair Bolsonaro entrega a proposta de reforma da Previdência dos militares ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. | Foto: J. Batista/Câmara dos Deputados

Jornal GGN – O projeto de reforma da Previdência dos militares, apresentado na quarta-feira (20) ao Congresso ostenta despesas e aponta redução na economia. Mas, em sua coluna na CBN, o jornalista Kennedy Alencar destaca fatores como potenciais barreiras para a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que muda previdência social do país e tramita na casa.  

“Na prática, o governo reduziu de R$ 90 bilhões para R$ 10 bilhões a economia que seria feita em 10 anos com mudanças propostas nas regras previdenciárias dos militares. Endureceu, mas amoleceu ao mesmo tempo, concedendo gratificações e novo plano de carreira que praticamente anulam a contribuição dos militares para ajudar a pagar o custo social e econômico da PEC”, explicou o jornalista.

Leia também: Reforma concede reestruturação de carreira aos militares e reduz economia prevista à Previdência

Outro ponto abordado é sobre as expectativas do ministro da economia Paulo Guedes, que esperar das mudanças na previdência um resultado econômico de R$ 1 trilhão, no prazo de 10 anos. Mas neste cenário, a contribuição da previdência militar seria mínima.

“Ora, os R$ 10 bilhões que seriam economizados com as novas regras para os militares significam apenas 1% da montanha de dinheiro que o ministro da Economia demanda no prazo de 10 anos. Ou seja, um sacrifício pífio perante o de toda a sociedade”, destacou a coluna.

Para Kennedy Alencar o projeto de reforma da Previdência dos militares contradiz toda a PEC e seu discurso de que acabaria com os privilégios, além de ajudar “lobbies de servidores de altas carreiras a tentar manter seus benefícios e a dinamitar a reforma da Previdência como um todo.”

Leia mais.

8 comentários

  1. Os vagabundos que comandam o Exército,
    Marinha e Aeronáutica querem transformar os brasileiros em ESCRAVOS para poder servir melhor seus patrões no US Army, US Navy e US Air Force. Filhos da puta e traidores, eles merecem ser despedaçados na Guerra Mundial do Tio Sam.

  2. Usaram de esperteza para cima dos brasileiros. Colocaram junto a proposta da reforma da previdência uma reestruturação para aumentar salários.

    É uma coisa ou é outra.

  3. Que belo sacrifício. Um General que ganha R$ 22 mil passará a ganhar R$ 35 mil com a Reforma. Uma maravilha. Cadê o tratamento de igualdade pregado pelo governo nas peças publicitárias da Reforma? Todos bandidos. Querem, mais uma vez, sacrificar o pobre do trabalhador. Que o eleitor esteja atento aqueles que apoiarão essa reforma.

  4. As forças de defesa dos países mudaram muito pouco ao longo dos séculos. Isso até 1945. Com o advento da era atômica, as antigas estruturas perderam a razão de existir. Para que mantermos isso que aí está – e que custa cerca de 300 milhões de reais POR DIA – se não temos capacidade para enfrentar nem um paiseco como a Coreia do Norte? Não seria mais inteligente negociarmos um tratado de paz na América Latina – que já existe, na prática – e todos reduzirmos nossas forças armadas a 10% do que são hoje? Talvez então não fosse necessária uma reforma da Previdência…

  5. Na minha opinião primeiro os deputados devem aprovar a reforma dos militares, depois a dos trabalhadores. Acho que para os militares a reforma vai ser um presente, por isto, ela deve ser igualzinha a dos trabalhadores. Uma reforma pra todo e sem privilegio pra ninguém

  6. Esta reforma dos militares é uma vergonha só tem privilégios eles estão chamando o povo brasileiro de otários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome