MPE-RJ denuncia policial, em vez de denunciar Witzel pela morte de Ágatha

Um país civilizado sopesaria as responsabilidades penais com critério. Certamente condenaria Witzel e provavelmente haveria atenuantes para o PM.

Ao denunciar o PM Rodrigo José de Matos Soares pela morte da menina Ágatha Vitória Sales, de 8 anos, o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro atua politicamente e isenta do inquérito o principal responsável, o governador Wilson Witzel e sua política de segurança genocida.

Foi Witzel, deflagrando a guerra urbana no Rio de Janeiro, induzindo policiais a atirarem “na cabecinha”, de quem fosse visto portando fuzis, estimulando a violência e criando retaliação, quem promoveu a tensão generalizada na cidade, vitimando inocentes e PMs.

Foi por conta dessa política de tensão urbana permanente, que o motoqueiro fugiu de uma blitz da PM, com um colega na garupa carregando uma esquadria de alumínio. Foi por conta desse clima de tensão exasperada que o PM atirou, atingindo Ágatha.

Enquanto isto, cercado de seguranças, no ambiente seguro do Palácio de Governo, Witzel faturava sua necropolítica, contabilizando mortes e violência.

Um país civilizado sopesaria as responsabilidades penais com critério. Certamente condenaria Witzel e provavelmente haveria atenuantes para o PM.

Esse dia virá, senão pelos tribunais brasileiros, mas por uma Corte Internacional.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Recado do Nassif: porque o implacável Fachin votou a favor da Moro de saias

1 comentário

  1. Os policiais, ao atirar de forma negligente são os responsáveis pela morte da Agatha, eles quem devem ser punidos de fato, não faz sentido denunciar quem não atirou..

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome