Gilmar Mendes diz que só vota financiamento privado após reforma política do Congresso

Jornal GGN – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes declarou nesta sexta-feira (24), durante palestra na capital paulista, que só vai liberar a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) sobre financiamento privado de campanhas eleitorais quando houver uma definição do Congresso a respeito da reforma política.

“A ação voltará ao plenário, estamos examinando todos os aspectos. É uma matéria bastante complexa, talvez estejamos dando uma resposta muito simples. Nós temos que saber antes o que o Congresso está discutindo, qual é o modelo eleitoral, para saber qual é o modelo de financiamento adequado”, disse o ministro, segundo informações da Agência Brasil.

O fim do financiamento de campanhas políticas por pessoas jurídicas voltou a ser debatido depois das denúncias de corrupção na Petrobras, com o pagamento de propinas por empresas que estão sendo investigadas na Operação Lava Jato.

Gilmar Mendes pediu vista no julgamento do financiamento privado de campanhas eleitorais há mais de um ano e, desde então, é pressionado por entidades e movimentos sociais que criticam a obstrução da pauta pelo ministro.

Outros seis magistrados já haviam votado pelo fim da doação de empresas a políticos quando Gilmar pausar o debate para análise pessoal. Ele disse que esses votos são provisórios e, portanto, acredita numa mudança do resultado da votação.

Tabelinha com deputados

Nos bastidores da política, a leitura da movimentação de Gilmar Mendes com a Adin é de que o ministro faz uma tabelinha com os deputados interessados em votar a reforma política, mas sem a aprovação do financimento exclusicamente público de campanha ou realização de plebiscito, conforme a presidente Dilma Rousseff (PT) propôs. Em contrapartida, o magistrado anseia para que a PEC da Bengala (projeto que altera a idade de aposentadoria do funcionalismo público, prolongando a estadia de ministros do STF) avance no Congresso.

Com Agência Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  STF: mudanças de Fux fadadas ao fracasso?, por Marcelo Auler

30 comentários

  1. DILMAR – O DONO DA VERDADE

    GILMAR MENDES, TRANSFORMOU O STF E UM CIRCO.

    ESTÁ CHAMANDO SEUS COLEGAS DE PALHAÇOS.

    A RAZÃO ESTÁ COM ELE E COM MAIS NINGUÉM…..O RESTANTE DOS JUÍZES NÃO TEM DISCERNIMENTO PARA JULGAR A AÇÃO DAS VERBAS DE CAMPANHA DOS PARTIDOS.

    É O FIM DO STF.

    REALMENTE ESTAMOS EM UM MATO SEM CACHORROS !

     

  2. Gilmar Mendes age como se

    Gilmar Mendes age como se fosse o único Ministro do STF, como se fosse o dono da corte ou o maioral de um tribunal colegiado. Ele não tem direito de segurar o processo só porque seu voto será vencido. O que o Senado está esperando para meter um pé na bunda deste cretino autoritário?

     

  3. É caso para impeachment

    Gilmar Mendes dá mais uma prova de que não age como juiz e deveria estar impedido de exercer as funções de um se vivessemos em um país minimamente sério.

  4. agora ta na moda

    Renan Calheiros ameaça Eduardo Cunha com retaliação………….

    e recebe ameaça de volta………….

    Gilmar Mendes ameaça só liberar  a ADIN depois de reforma política no congresso……….

    é ameaça de um lado, ameaça de volta…………

     

  5. dentre tantas desgraças…….

    dentre tantas desgraças que o principe nos proporciou, esta (gilmar mendes) é a maior delas………..

  6. Feia essa promiscuidade entre

    Feia essa promiscuidade entre Judiciário e Legislativo, né? Ou melhor, para não ser injusto, entre alguns membros do Judiciário e alguns outros do Legislativo. Bem… para ser justo mesmo, entre Gilmar Mendes e os conservadores, estes últimos sim, difíceis de nomear pela quantidade, mas inclua aí as bancadas da bala, de jesus, do latifúndio… da elites e fidalguias em geral.

  7. E…………….

    Sem querer entrar no mérito da questão, apenas pergunto.

    Cabe ao Ministro segurar uma decisão já votada pela maioria dos integrantes da Corte ou não ?

    Cabe aos demais ministros, aceitarem passivamente uma posiçãoclaramente pessoal e individual deste ministro, expondo os  demais a uma posição vezatoria ?

    Se o estatuto do STF permite, nada a dizer, mas caso contrario, so posso dizer que todos são capachos do dito cujo, nada lmais!!!

    E que vergonha sinto por eles  !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  8. Esta declaração é por si só

    Esta declaração é por si só motivo para o impeachment deste juiz que age como um jagunço a serviço do capitão do mato (FHC), o qual responde à casa-grande (plutocracia paulista).

    Não só viola os princípios básicos do tribunal, e isto é razão para perda do cargo, como usurpa poderes do legislativo. Um juiz não tem mandato para impor agenda política. Sua função é unicamente pronunciar-se para fazer com que a lei seja cumprida. E isto ele se nega a fazer.

    Já deveria ter sido afastado quando da armação, junto com Demóstenes, de uma pretensa escuta delefônica.

    Esse é o bufão que fala em bolivarianismo.

    O pior dos poderes da república é o judiciário. Enquanto a sociedade não tiver controle sobre o judiciário e fizer a faxina necessária (a começar por gente como Gilmar), não só não se resolverão os problemas de corrupção e desvios, como a própria democracia corre riscos.

  9. CARTA FORA DO BARALHO
    Gilmar de há muito no supremo é carta fora do baralho apesar de todas as tentativas de tramóias!!!
    Faz de tudo pra permanecer na mídia, e retém o processo das doações até outubro para que a lei não atinga as próximas eleições municipais.
    Atitude inútil diante do que se pode fazer para neutralizar essas já mal vistas doações, com a exposição e análise de lupa sobre elas.

  10. Um “toma Lá da Cá” generalizado!

    Tanto o judiciário quanto o legislativo praticam a cretina política do “Toma lá da Cá”: PEC da Bengala em troca da ADIN do financiamento. O famigerado Cunha ameaçando segurar “projetos de interesse do Senado” devido a Renan amaeçar avaliar a PL4330, etc, etc.

    O único interesse que não é levado em conta é o do POVO.

    São mesmo um bando

  11. Percebe

    Percebe que o Gilmar disse NÓS, NO PLURAL, PORTANTO ELE FALOU EM NOME DE TODOS OS INTEGRANTES DA SUPREMA CORTE. Sabe, de todos os integrantes o Gilma é o mais autêntico. Ele assumiu de forma clara e despudorada que o seu compromisso não é com a nação e sim com a CASA GRANDE. O papel dele é proteger os moradores da Casa Grande, e faz com maestria. E ai senhor Ricardo Lewandowski, o Gilma falou sem seu nome? Ele está certo: quem cala consente.

  12. Um “toma Lá da Cá” generalizado!

    Tanto o judiciário quanto o legislativo praticam a cretina política do “Toma lá da Cá”: PEC da Bengala em troca da ADIN do financiamento. O famigerado Cunha ameaçando segurar “projetos de interesse do Senado” devido a Renan amaeçar avaliar a PL4330, etc, etc.

    O único interesse que não é levado em conta é o do POVO.

    Trata-se mesmo de um bando

  13. Quem decide a constitucionalidade da matéria

    é o PLENÁRIO, não você, critaura PATÉTICA. E o mais ridículo é que os outros  ministros deixam o poder de seus votos ser ESTERILIZADO por essa critaura. Qual é a serventia de seus votos e de suas participações na Corte, senhores ministros?

  14. Quer dizer que ele decide pelo (e acima do) plenário?!

    Politicamente? Sobre uma decisão juridico-constitucional? Já decidida em colegiado plenário? Trazida pela OAB, instituição juridica que valida os advogados em todo o Brasil?

    Se os demais ministros não fizerem pelo menos uma moção de censura para cobrá-lo de seue deveres  e responsabilidades (PAGOS por NÓS), e não exercer funções para o qual NÃO ESTÀ AUTORIZADO (fazer política), quem vai parar (desde a privatização) este não “político” não eleito que ainda por cima não cumpre (descaradamente) sua função?

    Enquanto isso, o respeitável público se degladia com filmetes em caixas automáticos, como se isto sim seja o tipo relevante de problema que joga este país no atraso que depois de séculos, ainda se encontra.

  15. Lewandowski

    Bom, se o juiz declarou que não devolve o processo,

    cumpre ao presidente do tribunal divulgar o resultado do julgamento………

    6×1,  me parece que a peleja já esta decidida!

  16. Somos um povo infeliz, com o

    Somos um povo infeliz, com o CONGRESSO que temos, com o JUDICIARIO que temos

     

    Questões que afetam aa população como um todo deveriam ser decididas por convocação popular: PLEBISCITO.

    Por que quinhentos e alguns deputados e oitenta e 1 senadores é que devem decidir a forma de governo, forma de financiamento de campanhas e partidos e acima de tudo se seremos TERCEIRIZADOS ou não?

    Que poder é este que que lhes foi concedido que não temos voz?

    Isto esta mais proximo a uma ditadura do que verdadeiramente uma democracia.

     

    Eu quero expressar o meu voto, minha opinião, é MEU DIREITO!

     

    As decisões que estão sendo tomadas não nos representam.

     

    Esta na hora de um basta !!!!

     

  17. Somos um povo infeliz, com o

    Somos um povo infeliz, com o CONGRESSO que temos, com o JUDICIARIO que temos

     

    Questões que afetam aa população como um todo deveriam ser decididas por convocação popular: PLEBISCITO.

    Por que quinhentos e alguns deputados e oitenta e 1 senadores é que devem decidir a forma de governo, forma de financiamento de campanhas e partidos e acima de tudo se seremos TERCEIRIZADOS ou não?

    Que poder é este que que lhes foi concedido que não temos voz?

    Isto esta mais proximo a uma ditadura do que verdadeiramente uma democracia.

     

    Eu quero expressar o meu voto, minha opinião, é MEU DIREITO!

     

    As decisões que estão sendo tomadas não nos representam.

     

    Esta na hora de um basta !!!!

     

  18. Pressão Popular

    Só a pressão popular pode resolver essa parada, já que pela lei nada pode-se fazer e cara de pau para continuar segurando o processo ele já mostrou que tem. Portanto algo como um “Tuitaço” para começar. O blog convoca?

  19. É inacreditável…

    Mas, de Gilmar Dantas a gente só pode esperar o pior. Será que algum jurista de plantão não sabe como livrar o STF dessa excrescência? Não é possível o país todo ficar refém dos desmandos de um cidadão que nem eleito foi.

  20. Tivessem discutido antes a

    Tivessem discutido antes a competência. Se votaram, tinham competência. Ele  está literalmente obstruindo a justiça. 

    É o fim da picada.

  21. O que vale é a atual legislação

    A legislação do passado só deve ser considerada em casos enquete está em discussão o direito adquirido.

    qualquer alteração que poderá ocorrer, não deve ser considerado pelo judiciário nos julgamentos que estão sendo realizados .

  22. Sr. Juiz ou Ministro supremo !

    Ô seu ministro: Não precisa dizer, não. Ou o sr. imagina que  já não  sabíamos  disto ? É uma marca sua, genética no duro! Não tem como escapar da sua sina : ” Colaborar para que o Brasil retroceda , para que nossa Justiça não avance um milímetro sequer, e que o seu partido seja vencedor, mesmo com um Golpe. ” Os fins justificam os meios”, frase muito usada, mas de uma atualidade a toda prova.

    O povo brasileiro agradece ao sr. e ao sr. fhc, mui dígno presidente, que tanto colaborou para o fim da CORRUPÇÃO , assim como Vossa Excelência, segurando um processo já perdido p/ o Sr. Mas “,tudo vale a pena”, não é ? “Se a alma é pequena”

  23. E se a reforma política

    E se a reforma política demorar dois, cinco ou dez anos para ser votada? Por todo este tempo teremos que ver essas desculpas? Quem é ele para arbitrar o prazo de um julgamento? É juiz ou é deus?

    Que sujeito infame.

  24. Para esse caso esse ministro diz:

    (…) estamos examinando todos os aspectos. É uma matéria bastante complexa, talvez estejamos dando uma resposta muito simples. (…)

    mas, naqueles HC’s foi rapidíssimo!

  25. Os fins justificam os meios?

    Os fins não justificam os meios. Pedido de vista é para o julgador estudar melhor, e retornar o julgamento à pauta; não serve para impor seu ponto de vista, possivelmente minoritário, à maioria da corte.
    Enquadrável como crime de responsabilidade do art. 12, I, da Lei 1.079/1950? Ou ainda improbidade administrativa, Lei nº 8.429/1992, art. 11, I e II?

  26. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome