A serviço dos EUA, Brasil pode apresentar resolução contra Maduro na ONU

EUA tem como prática solicitar a "governos frágeis" resoluções que podem prejudicar apenas o país demandante. Brasil de Bolsonaro teria aceitado a pedido da Casa Branca contra Venezuela

Foto: Alan Santos/PR

Jornal GGN – O governo de Jair Bolsonaro estaria acatando a pedidos da política internacional dos Estados Unidos. Além do próprio alinhamento de Bolsonaro ao também polêmico presidente norte-americano, Donald Trump, o pedido agora coloca em risco a crise na Venezuela.

Isso porque a solicitação da Casa Branca é para o governo do mandatário brasileiro apresentar uma resolução nas Nações Unidas, ONU, contra o regime de Nicolas Maduro no país fronteiriço. A pressão que parte dos EUA é para a derrubada do governo venezuelano e, para isso, conta com a ajuda do mandatário brasileiro.

A resolução internacional é um mecanismo de forte pressão diplomática contra o país alvo. Já passaram por situações similares a Coreia do Norte, Síria, Sudão e Burundi. De acordo com informações do blog de Jamil Chade, a estratégia ofensiva partiu do Departamento de Estado norte-americano, que nem parte dos próprios vizinhos do Grupo de Lima aceitou.

O Grupo de Lima, formado por países do continente americano, foi criado com este intuito de criticar a situação do governo de Maduro na Venezuela. Entretanto, nem todos os 12 paises membros concordaram com a resolução, levada pelo governo Bolsonaro aos demais países como uma reação conjunta. México e Cuba, por exemplo, afirmaram que não apoiam a medida.

Mas o pedido de Trump foi aceito por Bolsonaro, que ainda estaria analisando como apresentar a resolução à ONU. A medida é vista com receio e como uma prática dos Estados Unidos para apresentar projetos nas Nações Unidas que fossem de seu interesse, por meio de “governos frágeis”, assinalou o blog de Jamil Chade.

Leia também:  Os erros de Bolsonaro nas relações bilaterais com Trump: seduzido e abandonado

A consequência, na prática, é de o Brasil se apresentar como um fantoche dos EUA em decisões diplomáticas ou de relações exteriores e, caso derrotada a resolução, apenas o Brasil sai prejudicado, mantendo a proteção dos EUA nestes assuntos.

O GGN prepara uma série de vídeos que explica a influência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto? Clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Trump tem ou vê em Bolsonaro uma autorização para qualquer tipo de procedimento…
    os otários(as) não elegeram o Presidente do Brasil; elegeram o objetivo político do Trump para a região que, e Deus queira que não, pode passar a ser delineada com os rastros do sangue de milhares de inocentes

    Preparem-se brasileiros, porque pior que Hitler, ou pior que pessoas que gostam de fazer o mal, só um Hitler completamente cego para tais objetivos políticos

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome