Colômbia quer ampliar ajuda humanitária para Venezuela

Jornal GGN – A chanceler colombiana, María Angela Holguín, disse que o país estuda ampliar o corredor humanitário na fronteira com a Venezuela, para ajudar a população vizinha que vai até lá em busca de alimentos e medicamentos.

“Nós não vamos deixar que nossos irmãos venezuelanos passem problemas de fome ou de necessidade de medicamentos. Se tiver de ampliar o corredor humanitário, vamos ampliá-lo”, disse.

A crise econômica e política na Venezuela está resultando em problemas de abastecimento para a população local. Os venezuelanos, principalmente os mais pobres, estão reclamando da falta de itens de necessidade básica.

A chancele colombiana diz que estão sendo realizadas negociações com as autoridades de Caracas para abrir a fronteira, fechada por ordem do presidente venezuelano Nicolás Maduro, supostamente por motivos de segurança.

Da Agência Ansa e Agência Brasil

Governo da Colômbia pode abrir parte da fronteira para ajudar Venezuela

As autoridades da Colômbia avaliam ampliar um corredor humanitário na problemática fronteira com a Venezuela para ajudar os habitantes do país vizinho que os procuram diante da falta de alimentos e medicamentos.

“Nós não vamos deixar que nossos irmãos venezuelanos passem problemas de fome ou de necessidade de medicamentos. Se tiver de ampliar o corredor humanitário, vamos ampliá-lo”, informou a chanceler colombiana, María Angela Holguín, durante visita à cidade de Cúcuta, na fronteira entre os países.

A diplomata visitou o local um dia após cerca de 500 mulheres venezuelanas atravessarem a fronteira, fechada no ano passado, desafiando as autoridades locais para comprar mantimentos. “Jamais nos fecharemos para os venezuelanos com necessidade”, acrescentou Holguín.

Leia também:  Singer: Bolsonaro impõe "autoritarismo furtivo" e impeachment é mal necessário

A Venezuela passa por uma séria crise econômica, com severas implicações políticas, resultando em problemas de abastecimento para a população local, especialmente a camada mais pobre. Os venezuelanos reclamam da falta de itens de necessidade básica, como alimentos e remédios, além de produtos de uso diário, como papel higiênico.

A chanceler disse ainda que estão em curso negociações com as autoridades de Caracas para abertura da fronteira, fechada por ordem de Nicolás Maduro, alegando motivos de segurança.

Desde a década de 1980, com o aumento do tráfico de drogas, os problemas diplomáticos se tornaram frequentes. A última vez que a fronteira foi fechada foi em agosto do ano passado.

A medida foi tomada após três soldados da Venezuela ficarem gravemente feridos enquanto participavam de uma ação para combater o tráfico de drogas em San Antonio del Táchira. De acordo com o governo de Caracas, eles foram vítimas de uma “emboscada” de venezuelanos e colombianos envolvidos com o narcotráfico. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. Foi o que previ. Logo logo

    Foi o que previ. Logo logo veremos cargueiros americanos despejando mantimentos sobre a Venezuela.

  2. Os colombianos faziam tráfico

    Os colombianos faziam tráfico de gêneros alimentícios na fronteira da Venezuela porque os alimentos são mais baratos no país e por isso a fronteira for fechada. Pau mandado dos americanos o governo títere colombiano serve de cavalo de tróia para desestabilizar a Venezuela e ainda vem com essa de ajuda humanitária. Certo que apoiados pela “elite” venezuelana e a classe média sabuja.

    Bom, nós brasileiros não podemos falar muito.  O mesmo papel rastejante perante os americanos é exercido pelo governo golpista brasileiro apoiado pela elite e classe média sabuja. E no Brasil temos um brinde extra: a contribuição do  bando da Lava Jato para destruir as empresas brasileiras.Mudam os países desta infeliz America Latina mas os governantes exalam a mesma podridão.

  3. Uma pena que a Venezuela não

    Uma pena que a Venezuela não pode mais contar com o apoio brasileiro, agora que se tornou de novo quintal de americanos. Assisti  a uma série ontem, onde o protagonista, um criminoso americano, oferece ao governo venezuelano, que as aceita, umas placas para fazer dólares. Americanos não se cansam de debochar das Américas e de se intrometerem nas nossas vidas. Até quando vamos permitir?

    • Bem

      Acredito que até o dia em que percebermos que temos culpa pelas nossas mazelas. Culpar o diabo além de ser mais fácil, nos isenta de culpa.

    • Quintal dos americanos? Com

      Quintal dos americanos? Com Maduro? Não tem nem Embaixador americano lá, o Obama não deu qualquer apoio à opisição, onde fica o quintal? Já o Brasil mandou muita coisa sem receber pagamento, hoje o Brasil tem uns US#12 bilhões a receber da Venezuela, se é que algum dia vai receber.

  4. Empresários opositores vendiam para Colombia

    É muita hipocrisia desse governo colombiano…

    É bom lembrar que Colombia receptava e comercializava ilegalmente alimentos e mercadorias fabricados na Venezuela por empresas que faziam oposição ao Governo Maduro e promoviam desabastecimento.

    Dias atrás foi noticiado que produtos da Heinz (ketchup) foram encontrados em depósitos clandestinos e sendo comercializados na Colombia. A Heinz tem como um dos seus sócios o bilionário JP Lehmann (lembrar que ele é também sócio de Veronica Serra)

    • nao é por acaso

      Ketchup  HEINZ  tem como socio principal a John Kerry e sua esposa Tereza Heinz.

      Mais que vergonha esta “noticia” que Colombia iria salvar aos irmaos venezuelano, 

      Tudo esto é guerra economica dentro e fora da Venezuela,orquestada pelos mesmos de sempre.

  5. Tem que

       Quem conhece e já esteve lá algumas vezes, tem plena consciência do problema , pois alem da fronteira ser porosa, com muitos pontos de travessia e contato – portanto “fecha-la” é papo de politico – , uma séria condição lá é encontrada, pois muitos colombianos e venezuelanos possuem familia em ambos paises, até mesmo são documentados em ambos, e a derrubada de casas de colombianos que residiam na Venezuela, foi um dos piores momentos de N. Maduro.

        Quanto ao trafico de combustiveis entre a Venezuela e Colombia, tanto o formiguinha como o de caminhões pipa, é mais velho que andar para frente.

         ” Fechar fronteira ” : Ela encontra-se tão fechada que 500 mulheres passaram ( tipo uns US$ 1,00 por mulher , já uma moto uns US$ 30,00, um caminhão US$ 150,00 ).

         Outra função que dá grana : comprar créditos de celular na Colombia e usar na Venezuela ( Movistar )

  6. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome