‘Negacionismo da realidade’, a nova ideologia da loucura, por Andre Araujo

‘Negacionismo da realidade’, a nova ideologia da loucura

por Andre Araujo

Há um conflito político na Venezuela, o Mexico e o Uruguai se oferecem como mediadores. Nosso chanceler diz que não cabe mais mediação. Cabe o quê então? Tem coragem e cacife para invadir? Se não tem, a mediação é o único caminho no figurino da História. Em todo conflito, de guerras a revoluções e golpes, cabe mediação como o mal menor do que a rendição em “raise campagne”, que deixa um legado de consequências, desdobramentos e rebrotes.

Mega conflitos terminaram em mediação para ENCONTRAR UMA SAÍDA. A saída menos cara é o estabelecimento de condições de encerramento de um regime e entrada em cena de outro. E isso só é possível por mediação. Rendição por derrota em campo da batalha é o caminho mais custoso em vidas e materialmente, como foi na Guerra Civil Espanhola. Encontrar um CORREDOR DE SAIDA para um regime cadente é o caminho menos custoso. No caso da Venezuela, o Brasil perdeu as condições para ser o mediador, o Mexico e o Uruguai têm credenciais e as apresentam no mundo da realidade politica.

Lembre-se que a Guerra do Vietnam, a mais sagrenta no pós Segunda Guerra, acabou pelo Acordo de Paris em 27 de janeiro de 1973 onde nenhum lado se declarou culpado ou derrotado. A Guerra da Coreia terminou sem tratado de paz mas por um armistício, os acordos de Panmunjoon, que até hoje regulam a situação dos dois Estados na Península Coreana.

Leia também:  Decisão sobre pagamento de mais duas parcelas do seguro-desemprego é adiada

Mesmo durante a Segunda Guerra “corredores de saída” foram encontrados entre adversários ferozes, para diminuir as perdas de ambos os lados.

A rendição de todas as forças alemãs no Norte da Itália, mais de um milhão de homens bem armados, organizados e com controle do território, se deu por um acordo secreto assinado em Ascona na Suiça entre o General SS Karl Wolff e o representante do Presidente dos EUA, Allen Dulles, um civil, em 30 de abril de 1945, o que causou imensa irritação em Stalin, que viu más intenções americanas nesse acordo em separado do aliado sovietico. O acordo, considerado a “certidão de nascimento da CIA”, Dulles foi depois diretor da agência, evitou que a guerrilha comunista tomasse o poder no Norte da Itália após a derrota alemã. Foi uma obra prima de diplomacia entre inimigos terríveis, cada um cedendo alguma coisa para ganhar outra. Wolff ganhou salvo conduto para não ser preso e processado em Nuremberg, ele era o mais alto ofical da SS, a milícia do regime nazista.

Negar a realidade não resolve conflitos e com o pior dos adversários é possivel fazer um acordo de redução de perdas.

O caso atual da Venezuela é uma situação que será resolvida por sangue nas ruas ou por mediação, esta deve ser tentada até se revelar impossivel. O conflito venezuelano não é pior do que a Guerra do Vietnam, onde a dilomacia de alta competência encerrou o drama.

Maduro está acossado pela catástrofe econômica e isolamento internacional mas ainda detém o controle do território e apoio das forças armadas.

Pode resistir ainda por bom tempo, como é que um Chanceler declara que o tempo da mediação passou? O que ficou então no lugar?

Leia também:  Retrocesso neocolonial, por Paulo Kliass

Negar a realidade não encerra nenhum conflito e muitos menos é ferramenta de diplomacia.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

26 comentários

  1. Desde sua independência, há

    Desde sua independência, há quase 200 anos, o Brasil teve monarquia e república; teve ditador total ( Vargas) e ditador em rodízio ( golpe de 64); líderes marcantes e medíocres – teve até um caso que não é nada comum da mesma figura política que foi um ditador e depois chegou ao poder pelo voto ( Vargas) Mas em nenhum momento o Brasil foi tornado pelo poderoso de plantão num pária econômico ou político – como chegou a ser A África do Sul pré-Mandela e a Argentina pós crise cambial de 2001) . Com Bolsonaro e a turma que ele trouxe dentro dele ( nosso pangaré de troia ) nunca o Brasil esteve tão ameaçado de se tornar um pária simultaneamente economico e político. Já somos vistos pelos países latino americanos como exportadors de crise ( vide a zona política no Peru por causa do escândalo da Oderbrecht) Se eu tivesse algum poder divino, faria com que o Uruguai conseguisse essa mediação e evitasse a guerra civil – para mostrar que um país pequenino pode ser um grande país quando conta com uma elite minimamente qualificada e que, por outro lado, um país grande com uma elite miserável nunca passará de um país grande – isso se também não chegar ao ponto de uma guerra de secessão. 

  2. O tempo passou sim, bem

    O tempo passou sim, bem defronte à janela do Carolino, mas ele não viu. Não pode reclamar, ao contrário da pobre Carolina não está só. 

  3. Dois detalhes importantes.

    Dois detalhes importantes. Maduro não está “isolado internacionalmente”, ele têm o apoio dos big players Rússia e China. E boa parte da “catástrofe econômica” é responsabilidade dos cabeças-brancas que estão impondo as sanções econômicas contra a Venezuela. Como no caso de Cuba é desonesto dizer que o país está economicamente quebrado por culpa dele quando o vizinho arreganha os dentes contra qualquer um que tente fazer negócios com os cubanos.

    É a velha máxima do “É o petróleo, estúpido”. Os venezuelanos estão sentados sobre uma fonte de petróleo maior, mais próxima e mais fácil de ser dominada do que os cabeças-de-areia do Oriente Médio, e os cabeças-brancas estão seguindo de novo a velha receita de causar uma “revolução” para colocar no lugar um governo submisso como fizeram recentemente no Brasil.

     

  4. Problema demográfico

    Miami já foi cubana. Esta caminhando para ser venezuelana.  Não vai ter espaço para todo mundo, e Donald vai ficar fulo com toda essa massa falando espanhol!

  5. Esta “diplomacia” não serve!

    O governo Maduro e a Venezuela principalmente estão sitiados a muito tempo.

    O que o governo dos usa querem é o petroleo venezuelano, nada mais !  Para isto é necessário um governo fantoche, como os do Brasil atual (temer e Bolsa) que assine contratos legais de venda/exploração/venda/etc. dos direitos de exportação do óleo venezuelano, por muuuuito tempo, que tenham valor legal internacionalmente e que nenhum outro governo possa reverter a não ser a força, coisa que a Venezuela não conseguirá fazer contra o “império anglo sionista”.

    A diplomacia aceita pelo império neste momento é a capitulação total, pois só assim terão o petroleo!

    Se a Venezuela quer ficar com sus riquezas tem que lutar já, antes que a invasão começe e base americanas montadas no país!

  6. Falta gente grande no governo

    André

    Não é possível que no Itamarati não tem quadros que aplaquem o delírio desse chanceler. Não há interlocutores que atuem em conjunto com algum setor racional do governo para conter essa escalada da insensatez na poltíca externa do país?

    Posso estar enganado, mas com esse discurso descolado da realidade tanto daqui como dos EUA acredito que a intervenção militar ocorrerá mais cedo ou mais tarde, ainda mais se o Trump se sentir ameaçado domesticamente por impeachment ou queda brusca de popularidade.

  7. O negacionismo da realidade

    Na maioria dos conflitos, se não em todos, a melhor solução é negociar. 

    Isso vemos dentro do próprio aparato judicial.

    No caso da Venezuela temos um grande, imenso, obstáculo que é a intervenção americana em busca do petróleo venezuelano, raiz de todos os problemas venezuelanos.

    A velha e surrada temática de “defesa da democracia”, “caos social” e por aí vai, é conhecida de todos.

    As manobras para exasperar as necessidades do povo são flagrantes. 

    Então, acho muito difícil uma solução negociada sem o atendimento das demandas populares por alimentos e o que mais falta. A intromissão de interessados no desabastecimento continuará, inviabilizando qualquer acordo.

    Pode ser uma visão ideológica da questão mas tem muito a ver com os movimentos sociais que tem aparecido pelo mundo. Notadamente em países com riquezas naturais cobiçadas pelas potências mundiais.

    O Brasil é outro exemplo. 

    Os erros na condução da economia exacerbados pela manipulação do povo com vistas a entrega de riquezas.

    Colocaram o bode na sala. 

    Agora cobram para a retirada.

    Alguma novidade ?

     

  8. O negacionismo da realidade

    Na maioria dos conflitos, se não em todos, a melhor solução é negociar. 

    Isso vemos dentro do próprio aparato judicial.

    No caso da Venezuela temos um grande, imenso, obstáculo que é a intervenção americana em busca do petróleo venezuelano, raiz de todos os problemas venezuelanos.

    A velha e surrada temática de “defesa da democracia”, “caos social” e por aí vai, é conhecida de todos.

    As manobras para exasperar as necessidades do povo são flagrantes. 

    Então, acho muito difícil uma solução negociada sem o atendimento das demandas populares por alimentos e o que mais falta. A intromissão de interessados no desabastecimento continuará, inviabilizando qualquer acordo.

    Pode ser uma visão ideológica da questão mas tem muito a ver com os movimentos sociais que tem aparecido pelo mundo. Notadamente em países com riquezas naturais cobiçadas pelas potências mundiais.

    O Brasil é outro exemplo. 

    Os erros na condução da economia exacerbados pela manipulação do povo com vistas a entrega de riquezas.

    Colocaram o bode na sala. 

    Agora cobram para a retirada.

    Alguma novidade ?

     

  9. O negacionismo da realidade

    Na maioria dos conflitos, se não em todos, a melhor solução é negociar. 

    Isso vemos dentro do próprio aparato judicial.

    No caso da Venezuela temos um grande, imenso, obstáculo que é a intervenção americana em busca do petróleo venezuelano, raiz de todos os problemas venezuelanos.

    A velha e surrada temática de “defesa da democracia”, “caos social” e por aí vai, é conhecida de todos.

    As manobras para exasperar as necessidades do povo são flagrantes. 

    Então, acho muito difícil uma solução negociada sem o atendimento das demandas populares por alimentos e o que mais falta. A intromissão de interessados no desabastecimento continuará, inviabilizando qualquer acordo.

    Pode ser uma visão ideológica da questão mas tem muito a ver com os movimentos sociais que tem aparecido pelo mundo. Notadamente em países com riquezas naturais cobiçadas pelas potências mundiais.

    O Brasil é outro exemplo. 

    Os erros na condução da economia exacerbados pela manipulação do povo com vistas a entrega de riquezas.

    Colocaram o bode na sala. 

    Agora cobram para a retirada.

    Alguma novidade ?

     

  10. Petroleo venezuelano & China

    Essa coisa e dizer que so EUA querem o petróleo venezuelano não fica de pé. Primeiro é que os EUA já são bem abastecidos seja pela tecnica de fracking seja pelos canais comercais convecionais com outros paises.

     

    Caso assim fosse, ja teriam invadido a Arábia Saudita, até por que o petroleo venezuelano é muito mais complicado de refinar e portanto é um petroleo  caro.

     

    A Venezuela sempre vendeu seu petroleo aos EUA, mesmo no auge das desavenças chavistas (“Bush-cheiro-de-enxofre”). Tá vendendo muito pouco hoje, mas tá vendendo.

     

    Faz muito mais sentido os EUA controlarem a Venezuela para impedir ou restringir as exportações de petroleo para Cuba e principalmente a  China, buscando garrotear esse paises.

     

    Se tomarem posse do petroleo venezuelano, duvido que renovarão os contratos com a China. Os EUA não devem ter gostado de ver a China comprando blocos e financiando a Petrobras no pré-sal. Pra mim, foi um dos elementos chaves da guerra hibrida iniciada para a expulsão do PT do poder.

    Os EUA nunca deram bola pro Brasil. Mas foi quando o Brasil se juntou com a China e os BRICS que o porrete desceu.

  11. À colação:
    1 – A

    À colação:

    1 – A circunstância de ser a Venezuela a “bola da vez”:

    A Venezuela tem a maior reserva de petróleo do mundo. Assim, os EUA em dificuldades no oriente médio não abre mão da Venezuela.

    Lista de países por reservas de petróleo

    Posição

    País

    Barris de petróleo (em bilhões)

    Mundo

    1532,0

    1

    Venezuela

    297,7

    2

    Arábia Saudita

    265,9

    3

    Canadá

     

    Fonte: wikipedia

    ***

    2 – EUA perde espaços no Meio Oriente e ÁsiaFatos à favor de Maduroi

     

    3 – Matéria publicada dia 25 p.p. neste site:

    https://jornalggn.com.br/noticia/ilegitimo-por-que-10-fatos-que-desmontam-a-teoria-sobre-nicolas-maduro-por-pasqualina-curcio

     

    Ilegítimo por quê?

    10 fatos que desmontam a teoria sobre Nicolás Maduro

    por Pasqualina Curcio

    Tradução de César Locatelli

  12. À colação:
     
    1 – A Venezuela

    À colação:

     

    1 – A Venezuela tem a maior reserva de petróleo do mundo.

     

    Lista de países por reservas de petróleo:

                1. lugar VENEZUELA com 297,7 bilhões

                2. lugar ARÁBIA SAÚDITA com 265,9 bilhões

                3. lugar CANADÁ com 173,6 bilhões

                4. lugar IRÃ com 157,3 bilhões

                5. lugar IRAQUE com 143,1 bilhões

     

    Fonte: wikipedia

     

    ***

    2- EUA perde espaços no Oriente Médio e na Ásia

     

    ***

    3 – Matéria publicada em 25 p.p. neste site

     

    Ilegítimo por quê?

    10 fatos que desmontam a teoria sobre Nicolás Maduro

    https://jornalggn.com.br/noticia/ilegitimo-por-que-10-fatos-que-desmontam-a-teoria-sobre-nicolas-maduro-por-pasqualina-curcio

  13.  
     
    PODE DAR CERTO?  UM PAÍS

     

     

    PODE DAR CERTO?  UM PAÍS SER GOVERNADO POR ASININOS E MUARES? COMO MEDIAR CONFLITOS COM COICES?

    Asininos e muares, sabemos todos, são quadrúpedes muito resistentes, dóceis e atuam muito
    bem como animais de carga ou para tração. Sendo tais animais, muito úteis nos serviços do campo. Entretanto,
    desconheço experiência anterior, onde tais animais tenham sido empregados em altas
    funções de Estado e, obtido bons resultados. Sabe-se que as tentativas do passado, foram desumanamente desastrosas.

    Realmente não sei dizer se o rompimento da “barragem de contenção da Insensatez,” quando
    da deposição da Presidenta Dilma Rousseff. Tenha sido ali, de fato, o início do aluvião, que ao
    arrastar sedimentos: areia, cascalho, lama e resíduos vegetais. O pior acontece, quando, junto
    à lama veio esse bando de animais, fruto do cruzamento entre jumentos e éguas.

    Até aqui, os principais indivíduos da espécie, encontram-se devidamente estabulados em
    Brasília. Sendo que um deles, no momento, passa por cirurgia em Clínica Veterinária de São
    Paulo.

    Orlando

  14. a venezuela, ainda.

    Há muita besteira circulando nos meios de comunicação sobre a valorosa Venezuela. Uma das maiores é, sem dúvida, a idéia de que aquele país se encontra isolado. Quem viu a cerimônia de posse de Maduro e não tem problemas de visão e de ouvidos pode perceber a presença no local de 94 representantes dos países que conservam sua amizade com nosso vizinho e de organizações como a OUA e a OPEP. Dizer que a Venezuela está isolada é um argumento carente de evidências.

    Por outro lado, é altamente duvidosa a afirmação de que a intenção de Maduro, de seu partido e de suas Forças Armadas seja a de levar seu povo à miséria. Essa foi, sim, sempre a disposição da oposição, inconformada com sua crescente perda de influência política, economica e social no país. Não por acaso, Guaidó e seus colegas do esvaziado Congresso Nacional tem a convicção de que o tempo corre contra eles e os interesses outrora dominantes no país. O renovado afâ destes personagens sinistros, além de algo desesperado, se dá numa conjuntura na qual vem se consolidando as recentes reformas mopnetária, tributária e fiscal determinada com extrema competência pela equipe no governo. Basta prestar um pouco de atenção para notar que as informações sobre a inflação atual  e a projetada pelo suspeitíssimo FMI para o futuro, bem como as imagens televisivas que supostamente ilustrariam uma situação de descontrole total da economia, são apenas mentiras. Por conta disso, nossas tevês não tem coragem de mostrar o retorno dos venezuelanos ao seu pais. conforme acontece em Roraima, Equador, Colombia e Peru. Que especie de jornalistas trabalham nessas emprêsas.

    Por último, o que me parece visível no horizonte é uma ampla derrota da oposição venezuela, tornando-a irrelevante na sociedade. Em tal quadro, a proposta de mediação posta a circular pelo México e pelo Uruguai, proposta que dignifica esses dois países, significa apenas a lembrança das oportunidades perdidas por lideranças cegas e seus aliados oportunistas.

    A única ameaça séria que paira sobre a Venezuela é uma possível agressão da Colombia ao seu território.         

    • Colombia??

      Concordo com seu comentário, mas acho que , se a Colombia se meter a besta, vai conhecer os anti-aéreos russos, além deles terem mais com que se preocuparem, afinal, o tempo dos atentados voltou por lá.

      Lulalivre

  15. Tarja preta, assim é sua fama no serpentário do Itamaraty

    André, deixa o eufemismo ‘Negacionismo da realidade’ pra lá e vai no popular: é maluquice mesmo.

    A solução para o atual impasse de nossa política externa está ilustrada abaixo, agora que a revista Época, em sua última edição, revela os segredos do “rasputin” por trás do astrolavismo cultural, o ideólogo não só do chanceler, mas do próprio clã “romanov” ocupante do Alvorada. É ele que os orientam para o combate ao marxismo-gramscismo cutural frankfurtiano, apontado como ideologia do globalismo da nova ordem mundial, e assim salvar nossa civilização judáico-cristã, mediante uma cruzada contra o islamismo bolivariano:

    Atenção, há cores e modelos variados, para serem usadas sem preconceito, independente de gênero:

  16. A troca de regime
    A troca de regime por mediação resolve o problema de se evitar a guerra e implica em entregar o petróleo venezuelano ao capitalismo (a banca, como muitos dizem) e escravizar o povo…de novo!
    É o absurdo dos absurdos. Maduro foi eleito legitimamente, a crise econômica venezuelana é fruto de imposições e sanções econômicas aplicadas pelo imperialismo.
    Então, meus amigos, o que é que podemos fazer nessa conjuntura e nesses tempos?
    Eu já ouvi um “monte” de gente que se diz de esquerda, progressista, achincalhando o Maduro.
    Os partidos políticos ditos de “esquerda” na Europa vestiram a roupa, a ideologia neoliberal (Syryza, por ex.).
    No Brasil, S de socialismo (PSB, PSDB, PSL) são neoliberais ou poderiam trocar logo o S pelo F e serem chamados logo de fascistas.
    O PT e o PSOL também se “endireitaram” pra continuar na política. Já houve recuo em relação às Venezuela, um certo consentimento pelo neoliberalismo, apoio à “farsa-jato”, etc.
    A culpa, dentre outras, é da grande mídia – A MAIOR PRODUTORA DE FAKENEWS- durante anos à fio foi criando esse clima. Eu quero que o Brasil poderia ajudar a Venezuela, poderia se tornar uma força militar poderosa capaz de dissuadir as nações imperialistas. Poderia tudo, e na prática não pode mais nada a não ser retroceder…
    Em alguns momentos, prezado André e demais amigos, com a banca mandando em todos os governos, inclusive nos centrais, eu temo que a guerra imperialista (e atômica) não seja algo tão distante, pelo contrário o distanciamento da realidade e da humanidade podem muito bem fazê-los “experimentar” uma terceira, mundial!

  17. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome