“Devemos criar uma lei de união civil para homossexuais”, diz Papa Francisco

"Devemos criar é uma lei de união civil. Dessa forma, eles são legalmente cobertos. Eu defendo isso", disse o papa Francisco em documentário lançado nesta quarta (21)

Papa Francisco - Foto: Divulgação

Jornal GGN – O papa Francisco reconheceu a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Em declaração ao documentário “Francesco”, exibido nesta quarta (21), o pontífice apoiou a criação de leis que garantam o casamento civil de casais homossexuais.

“As pessoas homossexuais têm direito de estar em uma família. Elas são filhas de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deve ser expulso ou ser infeliz por causa disso”, disse o papa, no filme, em trecho no qual reflete católicos que se identificam como LGBT+.

Depois dessas observações, outras opiniões de católicos geraram controversa frente à postura do papa Francisco, quando ele decidiu frisar, ainda mais, a sua opinião sobre uniões civis de casais do mesmo sexo: “Devemos criar é uma lei de união civil. Dessa forma, eles são legalmente cobertos”, assinalou. “Eu defendo isso”, completou o papa Francisco.

A produção cinematográfica sobre a vida do pontífice estreou nesta quarta, como parte do Festival de Cinema de Roma. O filme narra a abordagem do papa Francisco sobre questões sociais urgentes e aqueles que, segundo suas próprias palavras, vivem “nas periferias existenciais”.

Além da disposição do papa Francisco em apoiar a união de pessoas do mesmo sexto, o documentário traz a atuação do pontífice por migrantes e refugiados, pobres, as mulheres na sociedade e a questão do abuso sexual dentro da Igreja.

Cartaz promocional, "Francesco".

Em outro trecho do filme, segundo a agência de notícias católicas CNA (Catholic News Agency), o pontífice aparece encorajando dois homens em um relacionamento do mesmo sexo a criar seus filhos junto à igreja.

“Ele não mencionou qual era a sua opinião sobre a minha família. Provavelmente ele está seguindo a doutrina neste ponto”, disse o homem, após elogiar o papa Francisco por sua disposição.

Em entrevista à agência CNA, o documentarista Evgeny Afineevsky, que vem acompanhando o Papa Francisco desde 2018, com acesso sem precedentes ao cotidiano do líder católico, admitiu que o papa fez o apelo por uniões civis durante uma entrevista para o filme. Em outra ocasião, o cineasta havia afirmado que o documentário pode não agradar a todos os católicos.

“Não olhei para ele como o papa, estou olhando para ele como um ser humano humilde, um grande modelo para a geração mais jovem, um líder para a geração mais velha, para muitas pessoas que não estão no mesmo sentido da Igreja Católica, mas no sentido de liderança pura, no terreno, nas ruas”, disse Afineevsky.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Comprovada a existência de união afetiva entre pessoas do mesmo sexo, deve-se reconhecer o direito do companheiro sobrevivente de receber benefícios decorrentes do plano de previdência privada, com os idênticos efeitos operados pela união estável. A decisão inédita — até então tal benefício só era concedido dentro do Regime Geral da Previdência Social — é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, em processo relatado pela ministra Nancy Andrighi.

    https://www.conjur.com.br/2010-fev-09/parceiro-mesmo-sexo-direito-receber-previdencia-privada

    A união entre as pessoas deveria ser por questão de amor, não por questão de sobrevivência

  2. A Igreja Católica ainda vai ter muito o que fazer para continuar sendo ouvida neste mundo. Precisa, por exemplo, acabar com a bobagem do celibato de padres e freiras.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome