Há provas científicas da existência dos Espíritos? Parte II, por Marcos Villas-Bôas

Há provas científicas da existência dos Espíritos? Parte II

por Marcos Villas-Bôas

No texto passado, iniciamos uma busca por provas científicas da existência dos Espíritos e começamos utilizando uma obra de Carl Gustav Jung, um dos principais estudiosos da Psicologia em toda a história humana, e outra de Camille Flammarion, um dos principais estudiosos da Astronomia em toda a história humana. Em comum, suas obras tinham o estudo científico dos Espíritos e a conclusão de que eles existem.

A seriedade com que esses dois e outros estudiosos empreenderam seus estudos afasta a acusação de que a Ciência Espírita seria misticismo, uso de pseudociência para justificar uma religião. Jung e Flammarion se questionaram, ao longo de toda a vida, sobre a realidade dos fenômenos que enfrentavam e observavam.

Flammarion, por exemplo, criticava aberta e diretamente parte dos espíritas por sua falta de método científico e muitos médiuns que eram embusteiros:

“A respeito desses fenômenos, tem-se falado muito em espiritismo. Alguns dos seus defensores acreditam tê-lo consolidado, apoiando-o em uma base também frágil. Os opositores acreditam tê-lo excluído definitivamente e o enterrado sob o desmoronamento de um armário. Ora, os primeiros mais o comprometeram do que o serviram; os segundos, não conseguiram derrubá-lo, apesar de tudo. Mesmo que seja demonstrado que no espiritismo não exista senão truques de prestidigitação, a crença na existência de almas separadas do corpo não será absolutamente atingida. Além disso, as trapaças dos médiuns não provam que eles trapaceiam sempre. Elas apenas nos põem de sobreaviso e nos convidam a ser muito severos em nossas observações. Quanto à questão psicológica da alma e à análise das forças espirituais, estamos ainda hoje no ponto em que a química encontrava-se no tempo de Alberto, o Grande, ignoramos! Portanto, não podemos ficar num justo meio-termo, entre a negação que recusa tudo e a credulidade que aceita tudo? É razoável negarmos tudo o que não compreendemos, ou acreditarmos em todas as loucuras que imaginações doentias dão à luz umas após as outras? Não podemos possuir ao mesmo tempo a humildade que convém aos fracos e a dignidade que convém aos fortes?” (As forças naturais desconhecidas, p. 20).

Nas páginas seguintes do seu livro, Flammarion conta sobre experimentos que realizou com a médium Eusapia Palladino, de Nápoles, que foi a Paris a convite do Instituto Geral de Psicologia (IGP). Entre os diversos cientistas que a estudaram, ele destaca Pierre Curie, vencedor do Prêmio Nobel juntamente com sua esposa Marie Curie, que foi a primeira mulher a ganhar tal prêmio duas vezes e também adepta da teoria da existência dos Espíritos:

“Entre esses cientistas, citarei Pierre Curie, eminente químico, com o qual conversei alguns dias antes de sua morte tão infeliz e tão horrível. Essas experiências eram para ele um novo capítulo do grande livro da natureza, e também ele estava convencido que existem nelas forças ocultas, a cuja investigação não é anticientífico se consagrar” (As forças naturais desconhecidas, p. 22).

Outro que estudou a mesma médium citada, além de muitos outros paranormais, foi Charles Richet, também vencedor do Prêmio Nobel, comprovando-se que houve repetidos experimentos científicos, realizados pela mentes mais brilhantes do mundo, que chegaram a conclusões semelhantes. Isso não faria prova científica? Então, o que faria? Fotografias? Os incrédulos dirão que foram alteradas ou que não mostram exatamente aquilo que está lá registrado.

Flammarion e o IGP tiravam fotografias de alguns de seus experimentos, como, por exemplo, o realizado com a médium Eusapia Palladino de levantamento de uma mesa por ter as mãos espalmadas nela e até mesmo sem sequer tocá-la:

“Eis o caso de uma mesinha redonda. Eu vi, muitas vezes, uma mesa bastante pesada elevar-se a quatro, vinte, trinta e quarenta centímetros de altura, e dela tirei fotografias bem incontestáveis. Constatei, por tantas vezes, que a suspensão desse móvel com as mãos de quatro ou cinco pessoas colocadas sobre dele, produzia o efeito de flutuação de uma tina cheia de água ou de um fluido de plástico, que, para mim, a levitação dos objetos não é mais duvidosa do que a de um par de tesouras levantado com a ajuda de um imã. Mas, desejo de examinar sem pressa como a coisa se operava, uma tarde em que me encontrava quase sozinho com Eusápia (29 de março de 1906, nós éramos, nos total, quatro), pedi que ela pusesse, juntamente comigo, as mãos sobre a mesinha redonda, sendo que as duas outras pessoas mantiveram-se à distância. O móvel foi, bem-depressa, suspenso a trinta ou quarenta metros do assoalho, enquanto nós dois estávamos de pé. No momento da produção do fenômeno, a médium, colocando uma de suas mãos sobre uma das minhas, apertou-a energicamente, e a outra mão de cada um de nós ficou próxima uma da outra. Houve, aliás, tanto de sua parte, como da minha, um ato de vontade expresso por palavras, por comandos ao ‘espírito’: Vamos! Levante a mesa! Ânimo! Vejamos! Faça um esforço! etc. Constatamos imediatamente que havia dois elementos presentes. De um lado, os experimentadores dirigindo-se a uma entidade invisível. De outro, a médium sofre uma fadiga nervosa e muscular, e seu peso aumenta em proporção ao do objeto levantado (mas não em proporção exata). Devemos agir como se lá houvesse, realmente, um ser que estivesse ouvindo. […] Não seria possível que ao nos esforçarmos, originássemos uma liberação de forças que agiriam exteriormente aos nossos corpos? Mas não há, nestas primeiras páginas, lugar para começarmos a imaginar hipóteses. Naquele dia, a experiência que acabo de citar foi repetida três vezes consecutivas, em plena luz de um lustre a gás, e nas mesmas condições de evidência absoluta. Uma mesinha redonda, pesando cerca de seis quilos, foi suspensa por essa força desconhecida. […] Devo acrescentar que, muito amiúde, a levitação do móvel prossegue, mesmo que os experimentadores param de tocar a mesa. Há aí um movimento sem contato”.   

Vide foto de experimentos realizados em 6 de julho de 1905, dos quais participaram Camile Flammarion, Pierre Curie, Eusapia Palladino e outros. Há outras fotos na Internet que retratam experimentos de levitação de mesas com ajuda espiritual, fenômeno amplamente conhecido do final do século XIX para o início do século XX, documentado de diferentes formas, inclusive em inúmeros jornais, e abertamente discutido pelas pessoas.

Para constituir prova científica robusta, precisaríamos de outros estudiosos, como Jung, Flammarion e o casal Curie, com vasto conhecimento, enorme inteligência e respeitabilidade bem acima da média, que comprovassem experimentos de cunho espiritual e fossem capazes de explicá-los. Também seria prudente considerar o “uso” de outros médiuns, partindo do pressuposto, pouquíssimo crível por conta das características descritas, de que qualquer um poderia ter fraudado os experimentos.

Voltemos, então, ao vencedor do Nobel de Medicina Charles Richet, que também realizou experimentos com Eusapia Palladino e outros diferentes médiuns, sofrendo diversas críticas dos incrédulos, o que lhe levou a afirmar o seguinte:

“Pois quê! Tudo o que até aqui temos visto não passa de fraude! Essa fraude começou com as meninas Fox, que extravagantemente imaginaram ser divertido produzirem pancadas. Daí pra cá milhares de indivíduos, muito crédulos, não há que ver, porém a maioria imbuída de fé sincera, obtém, nas suas sessões particulares, tão só para se acomodarem aos caprichos das meninas Fox, fenômenos de pancadas. Um dia Home teve o desplante de produzir uma mão fantasmática. Por causa disso, Slade, Stainton Moses, produziram também mãos fantasmáticas. Um dia Eva teve vontade de velhaquear e fez cair ectoplasmas de sua boca. Por causa disso, Stanislawa, Willy, a Srta. Goligher, resolveram também velhaquear como Eva. Esse amontoado de embustes, tendo desafiado todos os controles, é de uma inverossimilhança igual pelo menos àquela da ectoplasmia. O futuro – um futuro mesmo muito próximo – julgará o litígio”.

Para negar a existência de prova científica após tantos experimentos documentados, seria necessário que outros muitíssimos experimentos fossem realizados hoje com médiuns e que se encontrasse outras razões, que não as espirituais, para as dezenas de tipos de diferentes fenômenos gerados por eles com ajuda de inteligências espirituais. Ficar apenas acusando todos de embusteiros ou de delirantes revela baixeza.

Conforme afirma também Richet:

“Não posso, num prefácio, entrar numa discussão que mais para adiante será exposta com brevidade. Contentar-me-ei em dizer que as experiências negativas, a não ser que o sejam em número enorme – e ainda bem! – nada provam contra uma experiência positiva.

Uma única experiência positiva – com a condição, claro está, de ser feita corretamente – tudo leva de vencida. Por exemplo, tenho entre as minhas mãos as de Eusápia, levanto-as para cima, separando-as, e nesse meio tempo outra mão me acaricia. Eis aí uma experiência positiva: não sei como podem infirmá-la, alegando: ‘Cem vezes separei as mãos de Eusápia e jamais percebi uma terceira mão’. Esta negação nada prova e fica um terceiro obrigado a demonstrar como pude, assim como Fred. Myers e Olivier Lodge, ser enganado desta maneira.

Na verdade, novas experiências com pessoas assim tão caprichosas, tão desconfiadas, serão sempre necessárias, porque indiscutivelmente a metapsíquica objetiva não está ainda construída em bases fortes como metapsíquica subjetiva, o que se deve à extrema raridade de médiuns de efeitos físicos e à facilidade (relativa) de fraude”.

Tenha-se em mente que o IGP realizou dezenas de pesquisas com diferentes médiuns, não apenas com Eusapia Palladino. O foco de vários cientistas sobre ela, por longo período, se devia ao fato de que conseguia produzir de modo claro as bem menos comuns manifestações físicas.

Em carta datada de 17 de setembro de 1894, Pierre Curie diz o seguinte a sua esposa Marie:

“Devo confessar que esses fenômenos me intrigam muito. Acredito que haja temas intimamente relacionados com a física. […] Há algum agente desconhecido responsável por estes fenômenos? Seria apenas puro magnetismo?”.

O IGP havia criado uma sala no número 14 da Rua Condé, em Paris, com o aparato tecnológico mais avançado da época para registrar em fotos os experimentos e controlar os efeitos provocados e sentidos por Eusapia durante eles. Segundo Pierre Curie, os controles eram “de excelente qualidade durante toda a sessão”.

Havia uma vela para clarear Eusapia e não permitir que realizasse qualquer ação mecânica sobre a mesa. Pierre chegou a controlar seus joelhos e diferentes controles eram exercidos ao longo dos experimentos. Na sessão seguinte, ele levou sua esposa Marie para que pudesse tornar as experimentações ainda menos dependentes da subjetividade dele. Seguiam-se controles, como amarrar a médium, segurar membros do seu corpo, fazer com suas mãos ou uma delas não tocasse a mesa etc.

Todos esses experimentos estão fartamente documentados, como no relatório de Jules Courtier intitulado “Rapport sur les seances d’Eusapia Palladino” (Relatório sobre as reuniões de Eusapia Palladino).

Parece que há sobras de provas científicas acerca da existência de “forças naturais desconhecidas”. Se unirmos as pesquisas de Allan Kardec, às de Camile Flammarion, Pierre Curie, Marie Curie, Charles Richet, Carl Jung e muitos outros, não ficam dúvidas para um sujeito racional e aberto ao novo acerca da existência de Espíritos, médiuns e suas manifestações, todas muito bem explicadas – apesar de ser possível desenvolvê-las, aprofundá-las – por Allan Kardec no Livro dos Médiuns.

Apesar disso, a pouca divulgação que se deu a esses estudos e a sua pouca repetição nas últimas décadas culminou numa baixa disseminação da fundamental e, no nosso modo de ver, comprovada hipótese da natureza de que Espíritos existem e se comunicam com os humanos encarnados a todo momento, informações suficientes para dar uma completa guinada em nossas vidas.

Aos que aceitam essas provas científicas, cabe, dentro de suas possibilidades, continuar os estudos, as experimentações daqueles grandes cientistas e difundir ao máximo esse conhecimento, para que, aceitando a existência dos Espíritos, os humanos possam estudar seus ensinamentos morais, sobretudo, e intelectuais, de modo a construir uma nova humanidade no Planeta Terra.

No texto seguinte, veremos mais detalhes sobre os experimentos aqui comentados a partir das obras dos estudiosos referidos e de outros, colaborando para que cada um possa tirar suas próprias conclusões acerca da existência ou não de Espíritos, mas de modo bem fundamentado, olhando para diversos experimentos, teorias e acontecimentos singulares que ajudam na racionalização do problema. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

58 comentários

  1. Alma eterna.

       O materialismo tentou e tenta negar a existencia do espirito. Por milênios tentou e ainda tenta esta negação. Não conseguiu. Já dissecaram cérebros , a procura , de registros ali materializados, e nada.  Nenhum chip ali é encontrado ,nem em gênios . Negando esta existencia,não aprofundam no óbvio,e dai não conhecem a existencia do DNA da alma ,o Peripirito, que carrega as informações e as necessidades do reencarnate. É Deus na Sua simplicidade e sofisticação.

    • claro…

      Não sabemos como a memória é armazenada no cérebro.

      Então só pode ser na “alma” criada por “deus” — duas entidades nunca vistas ou provadas.

      Os raios também eram atribuídos aos deuses.

      Descobriu-se  o quesão os raios.

      Ninguém mais atribui os raios a Thor.

      Quando descobrirmos qcomo a memória é armazenada, bye bye deus invisível….

  2. Ma fé espirita!

    Espiritismo não é ciência, é apenas religião. 

    As considerações acima sobre a existência de almas – DE UMA PESPECTIVA CIENTIFICA – só tem valor se puderem ser reproduzidas por qualquer pesquisador, INDEPENDENTE DE ACREDITAR EM ALMAS OU NÃO. 

    A obsevação dos fatos nas ciência independe de fé – por exemplo: quando observo a água ferver numa panela a nivel do mar, se eu acreditar que vai ferver ou não vai ferver, isso não altra o fato que ferverá. Se observo uma célula, a existência das organelas é por si, mesmo que eu não acredite, elas estão lá.

  3. Espiritismo não é ciência.

    Para desqualificar aqueles que debatem o postulado de ciência para o espiristimo, Marcos Villa Boa nomea-os de céticos, com o que demonstra que o espiritismo é apenas religião – exige crença. 

    A ciência, desde Descartes, exige dúvida.

  4. textos sobre a existência dos espíritos

    OLÁ, MARCOS VILLAS-BOAS,  TEM GRANDE IMPORTÂNCI SEUS TEXTOS SOBRE A EXISTÊNCIA DOS ESPÍRITOS.

    SOU ESPIRITUALISTA E SUGIRO A VOCÊ PESQUISAR SOBRE O “VALE DO AMANHECER”. DOUTRINA QUE É “FÉ E

    CIÊNCIA”. NADA DE MISTICISMO E SEUS RITUAIS SÃO DE LINHA BRANCA.

    A MEDICINA COM “SEUS FALSOS PRECONCEITOS”  DISPENSA OU DESCONHECE A “ESPIRITUALIDADE DO SER

    HUMANO” .  AS LEIS DA DOUTRINA E OS RITOS DISPENSAM E  NÃO PERMITEM O MÍSTICO. NUNCA FOI FEITA UMA

    PESQUISA SÉRIA SOBRE ESTA DOUTRINA. 

    FICA A SUGESTÃO.

    ATÉ MAIS.

  5. espiritismo não é religião reconhecida

    Tudo que sei é que espiritismo não é uma religião reconhecida, tanto que a maioria dos espíritas frequenta a Católica. É, sim, uma filosofia de vida. Como filosofia de vida, com práticas de  acolhimento e solidariedade, vejo uma grande contribuição para a humanidade.

  6. uma doutrina elitista

    Como pode ser verificado no texto ” a face racista de Allan Kardec” , apesar de exigir humildade de seus seguidores o espiritismo é uma doutrina eminentemente elistista e hierarquica, em franco desacordo com o darwinismo adaptativo experimentado pelos terráquios ordinários. Causar impacto sensorial e exigir humildade diante de espiritos superiores parece ser uma estratégia comum entre os espiritas para manter a adesão a seita. Espiritos superiores, que teoricamente poderiam se comunicar com humanos,  ao invés de nos oferecer um didatismo e uma epistemologia consistente para o contato entre o mundo material e o mundo dos espiritos preferem pirotecnias como levantar mesas do chão num ambiente controlável de uma sala fechada. A mesa subiu , e daí ? Qual a lição  moral do experimento ? Se não for um truque por que devemos concluir que foi levantado por um espirito ? Espiritos elitistas fazendo pirotecnias para os sugestionáveis e fracos de razão, médiuns detentores exclusivos da interface com os espiritos . O charlatanismo está no ar.

    • Nossa!!!

      Se você acha que a comunicação com os espíritos (mesmo com o Kardec) ficou só em levantamento de mesa, está uns 200 anos atrasado na informação…

      • De fato, também posso estar atrasado

        Ocorre, entretanto, que o autor do post, para elencar “as provas científicas”, citou apenas o “levantamento de mesa”.

        Nesses duzentos anos, é possível que existam “novas provas”. O autor do post, entretanto, centrou seus argumentos exclusivamente em torno da boa e velha sessão de levantamento de mesa.

        • qual o interesse ?

          Se os espiritas tem provas consistentes, qual o interesse de mante-las escondidas ? Por que querem manter a humanidade alijada de tão precioso conhecimento ? Por que aceitam a pecha de embusteiros e charlatões passivamente ? 

      • por que nos tratam como idiotas ?

        Se o Marcos Villas-Bôas tem provas contundentes , por que nos faz perder tempo com brincadeirinha de levantar mesa ? Por que nos tratam como idiotas ? Por que os espiritos não levantam uma pedra de 1 tonelada em praça pública ?

        • E se levantassem?

          Você acreditaria se visse uma pedra de 1 tonelada erguida em praça pública?

          É o peso da carga que comprova a existência do espírito, ou o local do levantamento?

          Seu problema é que o Espiritismo atacou a sua religião – o ateísmo/ceticisimo…

          • pesos, materiais e campos

            Estou muito curioso para saber de que forma os espiritos manipulam a matéria. Materiais de diferentes pesos , diferentes composições. Os espiritos levantam uma pedra de silicio de 1 tonelada com a mesma facilidade que levantam isopor de polipropileno de 100 gramas  ?  Algum campo elétrico ou magnético é criado durante o fenomeno ?  A temperatura e pressão ambiente se mantém constante ?  Esta é a minha religião. O maitre Villas-Bôas me mata de curiosidade. Mas pelo jeito terei de me contentar com uma mesinha sem vergonha próxima a uma cortina suspeita. rsrs

          • Bom, a obsessão pela mesa é toda sua…

            Espírita nenhum perde seu tempo esperando uma mesa, uma pedra ou um grão de areia ser levantado por espíritos. Quem está obcecadíssimo por isso é você, logo é problema seu…

      • Tecnologia velha

        Essas coisas que se movem “sozinhas” já existem a muito tempo.

        https://blogaquamaris.wordpress.com/2013/02/19/primeiro-portao-automatico-da-historia/

        Heron de Alexandria (10 d.C. – 70 d.C.) foi um matemático e engenheiro grego que é considerado um dos maiores experimentadores/pesquisadores da antiguidade. Ele é conhecido como o inventor do primeiro motor a vapor, documentado, da história, chamado de Eolípila. Mas, também, foi o inventor do primeiro portão automático!

        Na frente das portas do templo, o sacerdote acenderia uma chama num altar. Embaixo desse altar, existia um arranjo de tubos, tanques e pesos. O calor da chama do altar fervia a água de um tanque, que transformada em vapor ocupa um espaço muito maior, pressionando um contra-peso que acionava a porta enquanto a chama estivesse acesa.

        “Mágica”.

         

  7. registro cientifico

    Para questões cientificas . De que material era feita a mesa ? Qual a geometria da mesa ? Qual era a altura inicial e final da mesa após a levitação ? Qual era a distancia das pessoas presentes em relação a mesa ? Temperatura e pressão ambiente ?   

    • O espiritismo é uma ideologia de direita

      Mais do que religião, o kardecismo é uma ideologia de direita que quer aparecer como científica (mas nada entende de ciência como é praticada em centros de pesquisa à volta do mundo). Faz parte do aparato ideológico da burguesia colonizadora francesa de meados do século XIX. Por outro lado, na forma em que se apresenta hoje no Brasil não passa de um dos muitos fundamentalismos religiosos que pululam por aqui.

      São dogmáticos, arrogantemente fechados em suas certezas doutrinárias e este espírito proselitista nada tem de científico, mas de fundamentalismo religioso apenas. Como os demais fundamentalismos, é necessário expor o que pensam e qual a influência que causam no contexto histórico brasileiro atual, no mínimo.

      Eles não sabem conviver com o diálogo respeitoso e construtivo, nem com a divergência necessária em uma democracia e na ciência. Não tem, por outro lado, como os demais fundamentalismos, nenhum espírito ecumênico de tolerância e diálogo inter religioso porque partem do princípio de que são a “verdade final” e “superior” face aos outros.

      Quando se imiscuem em polêmicas declaratórias estão apenas querendo fazer proselitismo religioso (e exercer um domínio ideológico como ideologia de direita autoritária).

    • O espiritismo é uma ideologia de direita

      Mais do que religião, o kardecismo é uma ideologia de direita que quer aparecer como científica (mas nada entende de ciência como é praticada em centros de pesquisa à volta do mundo). Faz parte do aparato ideológico da burguesia colonizadora francesa de meados do século XIX. Por outro lado, na forma em que se apresenta hoje no Brasil não passa de um dos muitos fundamentalismos religiosos que pululam por aqui.

      São dogmáticos, arrogantemente fechados em suas certezas doutrinárias e este espírito proselitista nada tem de científico, mas de fundamentalismo religioso apenas. Como os demais fundamentalismos, é necessário expor o que pensam e qual a influência que causam no contexto histórico brasileiro atual, no mínimo.

      Eles não sabem conviver com o diálogo respeitoso e construtivo, nem com a divergência necessária em uma democracia e na ciência. Não tem, por outro lado, como os demais fundamentalismos, nenhum espírito ecumênico de tolerância e diálogo inter religioso porque partem do princípio de que são a “verdade final” e “superior” face aos outros.

      Quando se imiscuem em polêmicas declaratórias estão apenas querendo fazer proselitismo religioso (e exercer um domínio ideológico como ideologia de direita autoritária).

  8. Fui convencido

    “Em carta datada de 17 de setembro de 1984, Pierre Curie diz o seguinte a sua esposa Marie:

    “Devo confessar que esses fenômenos me intrigam muito. Acredito que haja temas intimamente relacionados com a física. […] Há algum agente desconhecido responsável por estes fenômenos? Seria apenas puro magnetismo?”.”

    —–

    Esta carta, na data indicada, sem dúvida só pode ter sido escrita pelo espírito de Pierre Curie.

  9. Trinta ou quarenta METROS?

    “Mas, desejo de examinar sem pressa como a coisa se operava, uma tarde em que me encontrava quase sozinho com Eusápia (29 de março de 1906, nós éramos, nos total, quatro), pedi que ela pusesse, juntamente comigo, as mãos sobre a mesinha redonda, sendo que as duas outras pessoas mantiveram-se à distância. O móvel foi, bem-depressa, suspenso a trinta ou quarenta metros do assoalho, enquanto nós dois estávamos de pé. No momento da produção do fenômeno, a médium, colocando uma de suas mãos sobre uma das minhas, apertou-a energicamente, e a outra mão de cada um de nós ficou próxima uma da outra.”

    Trinta ou quarenta METROS? Será que estou sendo por demais implicante?

  10. O autor precisa conhecer meu primo

    Tenho um primo que já nem sei de que grau é, apresenta-se como paranormal, projeciólogo, especialista em experimentos extracorpóreos e quetais. Tem uma ruma de livros publicados. Acho que dá jogo. 

  11. Se tem gente que acredita que

    Se tem gente que acredita que a Lava Jato combate a corrupção por que não acreditar em espíritos ? Eu mesmo tenho diversas crenças, uma delas é que daqui a 100 anos, ou muito antes, serei igual a Trump, Papa Francisco, Brad Pitt, Sergio Moro…E nada tenho contra trazer este assunto aqui no GGN, um blog plural que publica até as asnices que escrevo. Só que me parece igual o que faz a “grande” imprensa com certas notícias, requenta, requenta, requenta para servir fria.

  12. Implicância minha?

    Concordo e admito que erros de digitação não provam nada.

    E os erros de lógica?

    “A seriedade com que esses dois e outros estudiosos empreenderam seus estudos afasta a acusação de que a Ciência Espírita seria misticismo, uso de pseudociência para justificar uma religião.”

    Os trabalhos de Jung e de Flammarion, por mais sérios que possam ter sido efetuados, não garantem que eles não pudessem estar equivocados. Portanto, não são suficientes para a conclusão “indiscutível” que deles retira o autor.

  13. Não tenho provas, mas tenho a convicção

    O texto abaixo, de Camille Flammarion (1909), “copiado e pastado” da Wikipedia, também não prova nada.

    https://en.wikipedia.org/wiki/Camille_Flammarion

     This is very far from being demonstrated. The innumerable observations which I have collected during more than forty years all prove to me the contrary. No satisfactory identification has been made. The communications obtained have always seemed to proceed from the mentality of the group, or when they are heterogeneous, from spirits of an incomprehensible nature. The being evoked soon vanishes when one insists on pushing him to the wall and having the heart out of his mystery. That souls survive the destruction of the body I have not the shadow of a doubt. But that they manifest themselves by the processes employed in séances the experimental method has not yet given us absolute proof. I add that this hypothesis is not at all likely. If the souls of the dead are about us, upon our planet, the invisible population would increase at the rate of 100,000 a day, about 36 millions a year, 3 billions 620 millions in a century, 36 billions in ten centuries, etc.—unless we admit re-incarnations upon the earth itself. How many times do apparitions or manifestations occur? When illusions, auto-suggestions, hallucinations are eliminated what remains? Scarcely anything. Such an exceptional rarity as this pleads against the reality of apparitions.[21]

    Mostra apenas que Flammarion tinha muitas dúvidas, nenhuma prova, muito pelo contrário.

    Flammarion vai além, esticando seu raciocínio sobre a hipótese de reincarnação, obtendo a cifra (para a época) de um crescimento da população invisível sobre a Terra, da ordem de 100.000 por dia, 36 bilhões de almas em 10 séculos.

    Mas mesmo assim, com todas as provas contra, tinha a convicção, “sem sombra de dúvidas de que as almas sobrevivem à destruição do corpo”.

  14. Blá blá blá…

    … de pseudociência forçando a barra ao último grau.

    O que me adimira é a capacidade de escrever tanta bobagem e mais ainda, de acreditar nas próprias bobagens que escreve.

    Daqui a pouco vai começar com a ladainha da ‘Física Quântica” que por não ser compreendida pelo cidadão comum, virou “muleta” de toda sorte de charlatães e “crentes” de todas as matizes, desde espíritas até evangélicos.

     

  15. Pela quantidade de antagonistas…

    Verifica-se que o espiritimso incomoda, e muito!

    Queria saber porque deixa alguns sujeitos tão furibundos. Preferem o quê, o Edir Macedo e o Malafaia com suas religiões “reconhecidas”?

    • O espiritismo não incomoda

      Se não se meter a “ciência”.

      Os espíritas estão fazendo como Malafaia e etc, tentando empurrar essa história que religião é ciência.

      Fiquem no seu quadrado com seus fantasmas e tudo fica em paz.

      Como Malafaia, os espíritas tem direito a caçar trouxas.

      Mas não digam que isso é ciência, por favor.

       

      • Ah, entendi…

        Desde que os espíritas façam o que VOCÊ acha razoável e autorizado e não te incomodem abrindo a boca, não tem problema…

        • não

          Desde que não enganem as pessoas dizendo que espiritismo é ciência.

           Se o espiritismo é assim tão bom, por que precisa ser avalisado pela ciência?

          Afinal, vocês dizem que o espiritismo é “superior”…

          • Quem diz isso é você…

            Espírita nenhum que se preze afirma a superioridade do Espiritismo. E faz parte da crença espírita a tríade filosofia-ciência-religião. Segue a doutrina quem quer. E espíritas tem o direito de afirmar suas crenças como qualquer pessoa, incluindo os ateístas e os céticos. Pronto, acabou.

          • pode ter a crença que quiser

            Mas não use de  má-fé e diga que sua fé é ciência.

            até porque o que vejo pelos comentários é que vocês rejeitam a ciência.

            só querem saber do que lhes agrada.

            isso não é ciência.

             

          • “Se o espiritismo é assim tão

            “Se o espiritismo é assim tão bom, por que precisa ser avalisado pela ciência?”:

            Pra espirita nao ser gigolado 120 vezes por minuto 24 horas por dia desde 2009 -sem o saber- por um governo tao bicha que gigola ate limpada de cu na sua casa.

            Vao saber sim.

            EU contei.

      • Penso que são os kardecistas que ficam incomodados

         

        Esta tática de dizer que algo incomoda é bem adequada para quem faz uso dela. Ou seja, revela que o autor que argumenta usando este tipo de argumentação tem medo de que suas certezas não comprovem assim o que acredita comprovar. Ele atribui aos outros reações que lhe são próprias. Um dos princípios científicos básicos (não estou falando de doutrina científica, mas de princípios metodológicos mais do que receituário de técnicas metodológicas) é que a verdade está lá fora, não depende de nossa vontade e de nossas crenças (embora haja muitas realidades mentais que dependem de nossas crenças e nossa vontade, mas só internamente, dentro de nosso cérebro). Portanto, não precisamos defender que o universo nos surpreende e que devemos sim desconfiar de qualquer “doutrina” que tente capturá-lo de forma cristalizada e dogmática.

        Um dos principais problemas das crenças fundamentalistas está exatamente aqui: têm respostas prontas e dedutíveis para tudo, sem nenhuma sombra de dúvida. Nada mais artificial e falso do que isto, porque, na medida em que a história vai avançando, estas crenças vão ficando cada vez mais defasadas (como aquelas baseadas em textos de mais de três mil anos). O kardecismo, na medida em que o contexto histórico vai se distanciando de sua gênese, vai ficando, cada vez mais, uma crença (com parâmetros, vocabulário, teses, modos de ser e de crer) cada vez mais anacrônico e só então, pelo menos para alguns, é possível perceber que, em pleno século XXI (já estamos no final da segunda década deste novo século), não dá mais para manter posturas dogmáticas baseadas em doutrinas literais de meados do século XIX.

        Mas, ao invés destas constatações sociológicas, antropolóticas e historiográficas irem desperantando o senso crítico dentro do próprio espiritismo, pelo menos de modo moderado, num sistema fundamentalista que se torna dogmático e intolerante, qualquer questionamento interno vai ser enfrentando como “heresia” e “anátema” (termo bem ao gosto do kardecismo, quando ele se refere ao catolicismo ultra montano francês de sua época). Mas creio que os kardecistas deveriam ficar menos incomodados em suas crenças religiosas (todas elas meras interpretações humanas válidas, mas não leis eternas inquestionáveis) se tivessem um mínimo de abertura ecumênica (sem o desejo proselitista e sem a postura de superioridade moral e de conhecimentos) para com, por exemplo, a trajetória da própria teologia católica e protestante, que não ficaram paradas no século XIX como o kardecismo fundamentalista. Portanto, não deveriam se sentir ameaçados em serem questionados, mas, ao contrário, estimulados a repensarem sua própria fé em seus dogmas, de modo contrutivo e respeitoso.

        Neste sentido, a atitude dogmática e fundamentalista não acrecenta nada de positivo para a convivência respeitosa e democrática da humanidade neste século XXI. Por isto é que ela deve ser duramente questionada sim, seja lá em que versão apareça.

    • O novo método científico

      É possível verificar a validade de uma tese pela quantidade de antagonistas à mesma.

      Quanto maior o seu número, mais verdadeira ela é.

      A ciência agradece a valiosa e inédita contribuição.

    • Isso é uma confusão da sua

      Isso é uma confusão da sua parte.

      O fato de haver críticas à visão de que o espiritismo é uma ciência não significa que o espiritismo incomoda e nem que o espiritismo é uma religião especial. É uma religião como qualquer outra, nem melhor nem pior.

      Além do mais, o fato do Edir Macedo e o Malafaia serem horríveis não faz do espiritismo uma coisa boa.

  16. O caso do laboratório assombrado

    http://super.abril.com.br/comportamento/duelo-com-o-fantasma/

     

    Duelo com o fantasma

     

    A noite gelada enchia de bruma esbranquiçada as ruas estreitas e medievais da cidade de Warwick, no interior da Inglaterra. Na velha fábrica de equipamentos médicos, só uma janela permanecia iluminada depois do expediente. Era o laboratório do professor Victor Tandy. Concentrado em projetar máquinas de oxigênio para pacientes com problemas respiratórios, o engenheiro trabalhava em silêncio.

    De repente, a tranqüilidade foi sacudida. Tandy sentiu um pavor inexplicável. “Eu suava frio. Parecia que estava sendo observado”, disse à SUPER. Com os cabelos da nuca arrepiados e uma tontura que quase o derrubou, viu, apavorado, com o canto do olho, “a coisa”. “Era uma mancha cinza”, descreve. “Ela se movia como uma pessoa, mas era uma sombra.”

    Presença estranha

    Paralisado de pânico, Tandy resolveu esperar que o espectro fosse embora. Mas ele continuava lá. O jeito era encará-lo. Respirou fundo, criou coragem, virou-se e…. a assombração tinha desaparecido. Afobado, agarrou o paletó e fugiu para casa.

    Sabia que não era a primeira vez que coisas estranhas aconteciam ali. Mas isso não o deixava menos apavorado. De fato, a faxineira e os colegas de laboratório já tinham relatado sustos com a tal “presença estranha” no lugar. Até mesmo ele já havia se sentido mal. Mas nunca daquela forma.

    No dia seguinte, à tarde, haveria uma competição de esgrima, o esporte favorito do professor. Tandy pegou o florete e levou-o para o trabalho. Ao chegar, colocou a arma sobre uma mesa. Ainda era cedo, 8 horas da manhã, quando – uau! – a lâmina começou a tremer, freneticamente. Por 1 segundo, os olhos do professor se encheram de pavor. Mas logo ele abriu um sorriso. Tinha desvendado o mistério.

    A aventura do engenheiro exorcista

    Como não acredita em fantasmas, Victor Tandy logo se deu conta de que apenas uma fonte de energia poderia causar a tremedeira do florete. E, com certeza, era essa mesma fonte que havia provocado os acontecimentos da noite anterior.

    Para descobrir onde ela estava, resolveu assumir o papel do velho Sherlock Holmes. E começou a interrogar funcionários. Percebeu que todas as assombrações apareceram exatamente depois da instalação do enorme e barulhento ventilador de exaustão do laboratório. Mas como um ventilador pode criar fantasmas?

    Elementar. A culpada só podia ser a ressonância.

    Quando se bate num objeto, ele vibra, emitindo ondas sonoras em determinada freqüência (de um tamanho específico). Qualquer corpo tem uma freqüência de ressonância”, explica, no Brasil, o arquiteto Ualfrido del Carlo, ex-diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP). “Se ele recebe ondas sonoras vindas de outro lugar com uma freqüência igualzinha à sua, ele treme.” Assim, se um sino toca perto de outro igual, o segundo também começa a vibrar.

    Movido pela lembrança dessas regras da Física, depois de uma reconfortante xícara de chá, Tandy resolveu medir as ondas emitidas pelo ventilador. Percebeu que, além do ruído audível, havia infra-som – barulhos tão graves que não podem ser captados pelo ouvido humano. Como a sala era estreita e tinha exatamente o mesmo comprimento da onda, o infra-som se multiplicava (veja o infográfico abaixo). O laboratório estava apinhado de energia sonora.

    Touché! Só podia ter sido essa a energia que fez o florete mexer. Desconfiado de que ela agira também no seu organismo, o engenheiro buscou a confirmação do médico Anthony Lawrence, professor, como ele, na Universidade de Coventry, Inglaterra. “Ondas sonoras também fazem vibrar partes do corpo humano, causando efeitos estranhos”, confirmou Lawrence à SUPER.

    O brasileiro Miguel Nassif, especialista em fisiologia cardio-respiratória e professor da USP, especifica: “Se o centro respiratório do bulbo cerebral, que controla a respiração, entrar em ressonância, é possível que provoque uma hiperventilação (veja o infográfico à direita), criando mesmo sensação de pânico”.

    O olho chacoalha

    O médico inglês foi mais longe. De acordo com ele, a freqüência de ressonância do globo ocular é muito parecida com a do ventilador. Ou seja, o olho do engenheiro podia estar chacoalhando e isso convenceu-o de que vira um fantasma. Outro especialista brasileiro, o oftalmologista Newton Kara José, da USP, sustenta: “É possível que uma vibração forte pressione a retina e forme um clarão”.

    Por último, o mesmo fenômeno explica a vertigem. “Ela pode ser conseqüência da ressonância do labirinto, que regula o equilíbrio do corpo”, diz o otorrinolaringologista Mário Munhoz, da Universidade Federal de São Paulo.

    Entre os mistérios sobrenaturais que o “efeito Tandy” – como a tese foi batizada na Inglaterra – explica está a preferência das aparições por corredores compridos, sempre após uma rajada de vento. É que o sopro de ar, entrando enviezado por uma janela lateral, também pode gerar infra-som.

    Cauteloso, Victor Tandy não garante que não existem fantasmas. Mas sobre uma coisa ele não tem mais dúvidas. Com o ventilador substituído, seu laboratório está devidamente exorcizado.

    É tudo coisa da sua cabeça

    As ondas de infra-som atrapalham o funcionamento do cérebro, do labirinto e do globo ocular, criando a ilusão de ver fantasmas.

    Eu juro que vi!

    O globo ocular tampouco fica imune às ondas de som. A chacoalhada do líquido do olho, combinada com a falta de luz, cria visões de manchas acinzentadas e indefinidas que podem ser interpretadas como “fantasmas”.

    Adeus, equilíbrio

    Sob o efeito da freqüência externa, o labirinto, órgão do ouvido responsável pelo equilíbrio, entra em ressonância (começa a tremer) e deixa o corpo desorientado. O resultado é vertigem, tontura e suor frio.

    Pavor repentino

    O bulbo cerebral, que controla a respiração, também vibra sob a influência do infra-som, provocando hiperventilação (como quando se inspira várias vezes, rapidamente). O excesso de oxigênio dá uma sensação de medo e pode até provocar alucinações.

    O laboratório mal-assombrado

    Compreenda porque o formato de uma sala pode tornar ameaçadoras simples ondas de som com baixa freqüência.

    No laboratório estreito e longo, as ondas sonoras emitidas pelo ventilador ficam presas, sem conseguir escapar para lado nenhum.

    Como a sala tem o mesmo tamanho que a onda, o infra-som, inaudível, bate na parede e volta pelo mesmo caminho. Assim, a energia da onda é amplificada. Enquanto o ventilador fica ligado, a energia presa na sala vai crescendo.

     

  17. GGN x Ciência

    Faz tempo observo uma tendência do GGN a postar artigos que colocam em cheque a metodologia científica e seu atual estado de conhecimentos.

    Até mesmo uma envergonhada tentativa de resgatar a tese da “Terra Plana” já foi apresentada aqui como uma reação a uma ciência que procura manipular nossos conhecimentos.

    Menos envergonhada, entretanto, tem sido a repetição (pelo método de Goebels) de que o homem jamais pisou na Lua. Tudo não teria passado de efeitos holywoodianos executados em parceria com o ouro de Moscou.

    Para quando a próxima tese sobre a “teoria” criacionista; uma teoria como “outra qualquer”, injustamente desmerecida pela voz dominante da teoria da evolução?

  18. Religião x Ciência

    A liberdade de culto faz parte de um conjunto de direitos expressamente garantidos em nossa constituição.

    Cada religião possui sua coleção de dogmas e de crenças que nem sempre são compartilhados pelas demais religiões.

    O direito a acreditar no que cada um considera as respostas para as suas questões existenciais é, sem trocadilho, sagrado.

    Entretanto, crença e ciência constituem-se em departamentos estanques. Cada um em seu quadrado.

    Quando se procuram misturá-las ou curtocircuitá-las, os resultados não costumam ser edificantes.

    Que cada um fique na sua.

    • Liberdade de crença na constituição também é para ateus

      É por isto que sempre costumo dizer que conheci inúmeros ateus na vida que são infinitamente superiores, eticamente, à maioria dos religiosos. Generosidade, humildade e caráter são elementos psicológicos que não estão tão intrinsecamente ligados à religião que uma pessoa professa (na prática, a teologia costuma ser outra e é aí mesmo que podemos averiguar a coerência da vida das pessoas face ao sistema de valores que professa). 

      O kardecismo, nesta questão, não é diferene da teocracias fundamentalistas, porque tem uma postura totalitária e não repeita a liberdade de crenças dos outros, em igual medida com a sua própria; inclusive a liberdade de não crer, sem ser agredido e sem ser ameaçado de sanções éticas, morais ou jurídicas. Por isto digo que este tipo de fundamentalismo em nada difere dos demais fundamentalismos anti democráticos.

  19. Uma vez Flamengo, sempre Flamengo

    Eu teria um desgosto profundo
    Se faltasse o Flamengo no mundo
    Ele vibra, ele é fibra
    Muita libra já pesou
    Flamengo até morrer eu sou!

    Assim como eu, toda a torcida do Flamengo também pensa assim.

    Esta é, portanto, a grande prova científica da existência do Flamengo:

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=VodMx10s51k align:center]

  20. Não existe efeito sem causa.

    Não existe efeito sem causa. Efeito inteligente causa inteligente. Existisse apenas o que concebemos quão medíocre seria o universo. Pasteur quando falou que existiam seres microscópicos foi ridiculzarido pelos de sua própria classe.

    O “problema” com pesquisas com espíritos é que estamos tratamos com seres inteligentes e não matéria inerte e o pesquisador e/ou negador não coloca essa variável na aqueção. Assim doutores, não se tem a solução do problema.

  21. É bobagem querer dar ao

    É bobagem querer dar ao Espiritismo status de “ciência”…

    A “ciência” é só o atualmente aceito, pelos critérios atualmente aceitos…

    Como a base da “ciência” atual é o materialismo, querer que qualquer conhecimento não “material” seja aceito pela “ciência” é bobagem.

    Agora, é uma graça ver neste tópico um monte de gente que acha que entende de “ciência” pq lê superinteressante e revistas de divulgação científica 😀

    Quem realmente estudou sobre “ciência” sabe muito bem o grau de ceticismo com que ela deve ser vista… é uma empreitada humana, cheia de falhas, lobbies, distorções.

    O DEUS-CIÊNCIA é um tremendo mala, que promete muito mas só entrega mesmo comodidades modernas 🙂

     

    p.s.: esta luta eterna do espiritismo para ser aceito como “ciência” é “apenas” para que todos reconheçam a sua “verdade”… é proselitismo. Deixem as pessoas acreditarem no que quiserem, como quiserem… para que forçar?

     

  22. De volta ao século 19?

    Lamentável…

    Já passou da hora de desistirmos de religiões, misticismo, superstições e pseudociências.

    O que se aprende nos 8 primeiros anos de escola atualmente é mais do que suficiente para perceber que tudo isso é besteira da grossa.

  23. Peço sinceras desculpas se

    Peço sinceras desculpas se alguém se sentir ofendido, não tenho a menor intenção de levar alguém a reprimir ou censurar sua expressão pessoal – por isso inclusive me dei o direito de escrever isso – mas tenho bastante dificuldade em entender os que protestam contra essa série de divulgações da doutrina espírita. Quando imagino que reação diferente fosse provável caso fosse uma série sobre a assumidamente mítica Umbanda, fico com a impressão de que os que protestam assim o fazem pela tentativa do autor de atribuir à doutrina o caráter de ciência ocidental, cartesiana. Se assim for, penso que talvez estejam, ao protestar, superestimando os poderes dessa ciência, será que não? Lembremo-nos, convido, de que superestimar poderes é atribuição das religiões, atividades que dependem de fé. Dá prá ser religiosamente científico?

    – “Acredito incondicionalmente na ciência.”, como se a ciência não estivesse em constante evolução, como se fosse como a doutrina capitalista, aquela que prega que o capitalismo não está e sim que é.

    Estranho…

    • Renato

      Acho que a questão principal não é se o autor do texto defende o espiritismo ou o umbandismo.

      A questão que provoca a maior celeuma é a tentativa de querer dar ares científicos (inclusive com supostas provas) a algo que não faz parte do domínio da ciência.

      A ciência não é a dona da verdade. Principalmente por que a prática científica consiste em duvidar de tudo, inclusive daquilo já supostamente estabelecido. É pelo repetido êxito em ultrapassar testes sistematicamente elaborados para refutar/contestar as teses admitidas como verdadeiras pela ciência que estas vão adquirindo maior consistência.

      De vez em quando, neste processo de testes contínuos, descobre-se que uma teoria falha ao explicar certos fenômenos em condições anteriormente não previstas. Quando isto acontece, a ciência procura encontrar outras explicações, mais gerais, de modo a nelas incluir as novas condições.

      A teoria da gravitação universal de Newton não deixou de ter a sua validade após Einstein.

      Já as “provas” apresentadas pelo autor, não parecem ter sobrevivido nem mesmo aos próprios cientistas utilizados como referência no texto. Vide referência a texto de Flammarion, devidamente copiado e colado da Wikipedia, em comentário meu abaixo.

       

  24. Apenas uma amostra.

       Em 1952 , Francisco Candido Chavier , como fazia todos os anos ,, ali no Centro Espirita Sagrado Coração de Jesus em Congonhas do Campo , fêz a seguinte profecia , iluminado por André Luis ; previu ali a morte violenta de um líder de massa operária ( Getulio Vargas  1955) . Previu a chegada de JK ao poder ,dizendo que muito iria fazer pelo País , e a construçao de Brasilia. A seguir mostrou o Golpe de 1964 , a morte de Teotonio Vilela e Ulisses Guimarães . E por fim de um homem de origem humilde que colocaria o Brasil como o celeiro do mundo e fazer parte do cenário mundial. Tudo isso apesar de ser combatido violentamente pela elite..Esta profecia está exposta na Camara Municipal de Congonhas do Campo em MG.

  25. Caminhava eu na trilha da

    Caminhava eu na trilha da floresta quando me deparei com o espírito de Santa Terezinha do Menino Jesus ao lado do de Allan Kardec. Louvavam Olorum. Ainda encarnados Edir e Valdemiro trocavam frases “minha igreja é melhor e mais rica que a sua, quer comprar ?”, “sua igreja é mais pobre e pior que a minha, que vender ?”. Papa Francisco, com seus 2000 anos sorria complacente e sussurrava sorrindo, “essas crianças não sabem o que fazem”. Um bando de ateus convictos trocava entre si afirmativas “graças meu bom Deus por não ter me exigido crença alguma”. Santa Catarina de Siena, espiritual, mensagiava seus princípios, “cada um agrada ao Senhor do jeito que é, cada um dá ao Senhor aquilo que tem”. E o Senhor apareceu Luminoso acolhendo a todos, mas não deixou barato, não ia perder a oportunidade de repetir frases que há tempo tinha psicografado a encarnados, “o problema do mundo de hoje é que pessoas inteligentes estão cheia de dúvidas, e as pessoas idiotas estão cheias de certezas”, “ciência é um conjunto de verdades transitórias tido como definitivas para fins didáticos”.  Palavras do Senhor !

  26. Quer prova maior da

    Quer prova maior da existência de espiritos que o fato de que estamos sendo governados por um espirito de porco?

  27. Uma dúvida

    Com todo o respeito às crenças religiosas do autor do post e a de todos os demais comentaristas, há uma coisa que gostaria de ver esclarecida.

    Na maioria dos textos sobre o espiritismo, e este não foge à regra, há sempre referências a sessões de “levantamento de mesas”. Qual ou quais singularidades possuem os espíritos, já que em post anterior o autor os descreve como “gente como a gente”, que os levam a preferir este hábito incomum?

    Nenhum parece gostar de tocar violão, lançar dardos ou jogar futebol.

      • Não conheço o assunto, Ivan

        Só perguntei por que achei que o autor do post é supostamente uma pessoa autorizada para falar em nome do espiritismo.

        E quem citou o “levantamento de mesas” foi ele.

         

  28. Ato falho de Marcos Villas Boas!

    “Para negar a existência de prova científica após tantos experimentos documentados, seria necessário que outros muitíssimos experimentos fossem realizados hoje com médiuns”. 

    Nesta frase, escrita por Marcos Villas Boas logo acima, os espíritas revelaram qual é o sujeito do conhecimento da “ciência espírita” – são os médiuns. Ou seja, é necessária uma qualidade especial de se comunicar com o além. Por isso não é ciência, pois qualquer que estude química, biologia, matemática, ciências humanas, com outra exigência, que não essa, e de pós-gradução em universidades, com coleta de dados, experimentos e observações, pode ser cientista. Não é preciso conversar com mortos, nem ir a centro espírita cemitério.

    •   Ronaldo, todos somos

        Ronaldo, todos somos potencialmente médiuns , pois todos possuimos uma glandula chamada Pineal . Esta glandula dissecada , mostra  a sua formação composta de minerais semelhante a que se encontra em transmissores de rádio. E mais, é sim melhor ,mas não necessário que médiuns tenham mais e mais conhecimentos cientificos,e principalmente linguistico ,pois os espiritos se comunicam por vários idiomas. Veja o caso impar de Francisco Candido Chavier ,que com estudos raquiticos ,psicografou mais de quatrocentos livros , e recebia em vários idiomas.Francisco discorreu , escreveu e ensinou desde filosofia,medicina,biologia de maneira a nos deixar cabisbaixos da profundidade dos seus conhecimentos. Com repórters vindo dos EUA discorreu e deu aula de economia , sempre amparado por seu Mentor Emannuel . Ronaldo ,acompanhe a trajetória do Chico ,seus ensinamentos ,e tente absorver a profundidade dos seus ensinamentos . Não tento aqui te converter ,ou coisa semelhante, mas veja a obra do Chico ,e veja que em todas elas ,não há nenhuma repetição, ou cliches.

  29. Tríade manca – religião, filosofia e ciência.

    Falam de ciência –  mas não sabem o que é! Atacam a ciência ocidental, como se houvesse uma oriental e uma africana, como se igualmente houvesse matemáticas desses lugares.

    Falma de filosofia – mas não sabem o que e? 

    Marcos Villa Boas – o que é filosofia?

  30. Fantasmas existem?

    Publicada originalmente na LiveScience  http://www.livescience.com/26697-are-ghosts-real.html

     

    Fantasmas existem?

    http://hypescience.com/fantasmas-existem/

     

    Se você acredita em fantasmas, certamente não está sozinho. Eles estão entre os fenômenos paranormais mais bem aceitos, e existem em culturas de todo o mundo.

    A ideia de que os mortos permanecem conosco em espírito é antiga, aparecendo em inúmeras histórias, da Bíblia a Shakespeare. Ela faz parte de uma teia maior de crenças paranormais, incluindo a experiência de quase-morte, a vida após a morte e a comunicação espiritual.

    Talvez seja uma ideia tão amplamente difundida porque oferece conforto às pessoas: quem não quer acreditar que nossos amados falecidos estão olhando para nós, ou conosco em nossos momentos de necessidade?

    O início da busca

    A busca por fantasmas é antiga. Clubes dedicados à procura de evidências fantasmagóricas formaram-se em universidades de prestígio, incluindo Cambridge e Oxford, centenas de anos atrás.

    Em 1882, a organização mais proeminente, a Society for Psychical Research, foi criada. Uma mulher chamada Eleanor Sidgwick se tornou uma investigadora (e mais tarde presidente) desse grupo, e pode ser considerada a “ghostbuster” original. Nos Estados Unidos, no final dos anos 1800, muitos médiuns psíquicos alegaram falar com os mortos – mas foram posteriormente expostos como fraudes por céticos como Harry Houdini.

     

    Uma dificuldade em avaliar cientificamente fantasmas é que uma surpreendentemente ampla variedade de fenômenos é atribuída a eles, de uma porta fechando-se por conta própria a chaves perdidas a uma área fria em um corredor a uma visão de um parente morto.

    Quando os sociólogos Dennis e Michele Waskul entrevistaram pessoas que supostamente “viram” fantasmas para seu livro de 2016 “Ghostly Encounters: The Hauntings of Everyday Life” (Temple University Press), eles descobriram que “muitos participantes não tinham certeza de terem encontrado um fantasma e permaneceram inseguros de que tais fenômenos fossem até mesmo possíveis, simplesmente porque não viram algo que se aproximasse da imagem convencional de um ‘fantasma’. Em vez disso, muitos dos nossos entrevistados estavam simplesmente convencidos de que haviam experimentado algo estranho – algo inexplicável, extraordinário, misterioso”.

     

    A falta de definição

     

    Experiência pessoal é uma coisa, evidência científica é outra. Parte da dificuldade em investigar fantasmas é que não há uma definição universalmente estabelecida do que é um fantasma.

    Alguns acreditam que são os espíritos dos mortos que, por qualquer motivo, se “perderam” no caminho para o Outro Lado; outros afirmam que os fantasmas são, em vez disso, entidades telepáticas projetadas para o mundo por nossas mentes. Ainda outros criam suas próprias categorias especiais para diferentes tipos de fantasmas, como poltergeists, assombrações, espíritos inteligentes etc.

    Isso é como especular sobre diferentes raças de fadas ou dragões: há tantos tipos de fantasmas quantos você quer que existam.

    Existem muitas contradições inerentes às ideias sobre fantasmas. Por exemplo, eles são materiais ou não? Eles podem mover-se através de objetos sólidos sem perturbá-los, ou eles podem fechar portas e jogar objetos através da sala? De acordo com a lógica e as leis da física, é uma coisa ou outra.

    Também, se os fantasmas são almas humanas, por que aparecem vestidos e com objetos inanimados (presumivelmente sem alma) como chapéus e bastões – para não mencionar os muitos relatos de trens, carros e carruagens fantasmas?

     

    Não é ciência

     

    Caçadores de fantasmas usam muitos métodos criativos (e duvidosos) para detectar presenças dos espíritos, muitas vezes incluindo psíquicos.

    Praticamente todos os caçadores de fantasmas dizem ser científicos e a maioria dá essa aparência porque usa equipamentos de alta tecnologia como contadores Geiger, detectores de campos eletromagnéticos (EMF), detectores de íons, câmeras infravermelhas e microfones sensíveis.

    No entanto, cientificamente, não está provado que nenhum destes equipamentos pode realmente detectar fantasmas. Durante séculos, as pessoas acreditavam que as chamas se tornavam azuis na presença de fantasmas. Hoje, poucas pessoas aceitam esse “fato”, de forma que é provável que muitos dos sinais tomados como evidência pelos caçadores de fantasmas de hoje sejam vistos como igualmente errados séculos depois.

     

    Outros pesquisadores afirmam que a razão pela qual a existência de fantasmas não foi provada é que simplesmente não temos a tecnologia certa para detectar o mundo espiritual. Isso não parece ser correto: se os fantasmas existem e aparecem em nosso mundo físico, devem poder ser detectados nesse mesmo mundo. Se os fantasmas existem, mas não podem ser cientificamente detectados ou gravados, então todas as fotos, vídeos, áudios e outras gravações alegadas como evidência de fantasmas não podem ser fantasmas.

    Com tantas teorias contraditórias básicas – e tão pouca ciência envolvida -, não é surpreendente que, apesar dos esforços de milhares de caçadores de fantasmas durante décadas, não tenha sido encontrada uma única boa evidência de fantasmas.

     

    Mas também não é sobre ciência

     

    Muitas pessoas acreditam em fantasmas por causa de alguma experiência pessoal, seja porque cresceram em uma casa onde a existência de espíritos (amigáveis) era considerada normal, seja porque tiveram alguma experiência estranha que não puderam explicar.

    No entanto, também existem muitas pessoas que acreditam que a existência de fantasmas pode ser confirmada pela física moderna. É amplamente alegado que Albert Einstein sugeriu uma base científica para a realidade dos fantasmas, ligada à Primeira Lei da Termodinâmica: se a energia não pode ser criada ou destruída, pode apenas mudar de forma, o que acontece com a energia do nosso corpo quando morremos?

    Parece uma suposição razoável, mas a resposta é mais simples que “viramos fantasmas”. Depois que uma pessoa morre, a energia de seu corpo vai para onde a energia de todos os organismos vai após a morte: para o ambiente. Ela é liberada sob a forma de calor, e transferida para os animais que nos comem (animais selvagens se nossos corpos não são sepultados, ou vermes e bactérias se formos enterrados) e as plantas que nos absorvem.

    Enquanto os caçadores de fantasmas amadores gostam de se imaginar na vanguarda da pesquisa sobre fantasmas, eles estão realmente envolvidos no que os folcloristas chamam de ostensão, uma forma de representação em que as pessoas “encarnam” uma lenda.

    Se os fantasmas forem reais, então sua existência será descoberta e verificada pelos cientistas por meio de experimentos controlados. Mas, em última análise, a caça aos fantasmas não é sobre evidências científicas (se fosse, a busca teria sido abandonada há muito tempo). Em vez disso, trata-se de se divertir com os amigos, contar histórias e procurar o desconhecido

     

  31. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome