fbpx
segunda-feira, dezembro 16, 2019
  • Carregando...
    Início Saúde Cortes no “Mais Médicos” e PEC do Teto deixarão milhares de mortes...

    Cortes no “Mais Médicos” e PEC do Teto deixarão milhares de mortes inevitáveis

    Esta é a primeira pesquisa a prever o impacto das medidas de austeridade fiscal na cobertura da Atenção Primária à Saúde (APS)

    Cortes no “Mais Médicos” e PEC do Teto resultam em milhares de mortes inevitáveis

    Por  

    Do Edgardigital, Salvador

    Medidas de austeridade fiscal, como a Emenda Constitucional 95/2016, que congelou os gastos públicos com a saúde por 20 anos, e o recuo do Programa Mais Médicos devem impactar diretamente os índices de mortalidade do Brasil pelos próximos anos, conclui um estudo liderado pelo Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Universidade Federal da Bahia (UFBA). O trabalho, publicado nesta sexta-feira, 26, na BMC Medicine, uma das principais revistas médicas do mundo, foi feito em colaboração com pesquisadores da Universidade de Stanford e do Imperial College de Londres.

    Esta é a primeira pesquisa a prever o impacto das medidas de austeridade fiscal na cobertura da Atenção Primária à Saúde (APS) em um país de renda média. Intitulado “Mortality associated with alternative primary healthcare policies: a nationwide microsimulation modelling study in Brazil“, o estudo analisou dados de 5.507 municípios brasileiros em uma projeção de 2017 até 2030, período definido pela Assembleia Geral ONU para o cumprimento dos “Objetivos Globais para o Desenvolvimento Sustentável” em 193 países, incluindo o Brasil.

    De acordo com os dados projetados, a redução da cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF), com a hipotética extinção do Programa Mais Médicos, elevaria as taxas de mortalidade prematura (antes dos 70 anos) por causas sensíveis à atenção primaria no país em 8,6% até 2030. Isso equivale a um aumento de mortes de quase 50.000 pessoas no período em questão.

    Cabe ressaltar que, se adicionada a mortalidade em menores de cinco anos nesse cenário, como mostra outro estudo dos mesmos autores que será publicado em breve, o número de óbitos prematuros evitáveis poderia chegar a um total de quase 100.000 até 2030. “Ainda seria uma subestimação do efeito total, porque o estudo não inclui os óbitos em maiores de 70 anos e para algumas causas classificadas como não sensíveis à atenção primária, mas que a Estratégia Saúde da Família poderia ter efeitos leves”, acrescenta o pesquisador do ISC Davide Rasella, que liderou o estudo.

    Leia também:  Freixo e Paes lideram disputa no Rio, enquanto Crivella amarga alta rejeição

    A pesquisa afirma que as reduções na cobertura de atenção primária serão responsáveis por muitas mortes evitáveis, principalmente aquelas causadas por doenças infecciosas e deficiências nutricionais em pessoas com até 70 anos. “A Estratégia de Saúde da Família é o principal veículo para alcançar a cobertura universal de saúde no SUS e é um dos maiores programas de Atenção Primária à Saúde do mundo, abrangendo 123 milhões de pessoas. Desde 2013, foi fortalecida por meio do Programa Mais Médicos, com a adesão de profissionais em áreas remotas ou com populações mais vulneráveis”, explica o pesquisador.

    O estudo também mostra um impacto maior nos municípios mais pobres, além de um aumento nas desigualdades ao afetar, principalmente, a população negra (pretos e pardos). Para os pesquisadores, apesar de fazer uma projeção para o Brasil, o estudo é um alerta a todos os países que têm grandes parcelas populacionais de baixa e média renda. “A maior importância dessa pesquisa, como de outras que aplicam microssimulações, é, exatamente, subsidiar os gestores e formuladores de políticas com informações rigorosas sobre os prováveis efeitos futuros de suas decisões”, conclui Luis Eugenio de Souza, pesquisador e coautor do estudo.

    Leia também: Austeridade fiscal na saúde deve gerar 50 mil mortes no Brasil até 2030

    Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

    Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

    Assine agora

    3 comentários

    1. Pois é, onde está e quanto é o melhor montante até agora economizado com essa pec assassina?

      Ninguém se interessa em saber?

    2. Até parece que os que irão morrer serão apenas os opositores deste governo de MALUCOS.
      E os bolsominions lunáticos sequer se dão conta da tragédia humanitária que também se abaterá e respingará sobre eles, e sobre os seus entes.
      Em toda a minha existência nunca havia visto tamanha divisão de uma nação, associada a um ódio sem precedentes. Será que estão vivendo uma epidemia de insanidade?… Ou será que que cada um apenas está externando sentimentos primários de seu caráter?… Não sei a resposta. No entanto, tenho a convicção que se não começarem a vislumbrar a união como elemento essencial ao resgate e fortalecimento da democracia igualitária neste país, o que veremos serão dias tenebrosos de muita dor para todos.
      Não caiam nessa de aceitarem que o ódio seja incitado em vossas vidas. É isso que eles querem. Porque, a premissa é a mesma. Ou seja, para eles o que importa é, “Quanto pior, melhor”.

      Lembrem-se!… O povo unido jamais será vencido!… Já um povo desunido é exatamente o que eles querem.

    Deixe uma mensagem

    Por favor digite seu comentário
    Por favor digite seu nome