Militares brasileiros voltam do Haiti infectados com o vírus Chikungunya

Enviado por Paulo F.

Da ANSA

Militares trazem casos de vírus Chikungunya ao Brasil
 
Soldados brasileiros foram infectados pelo vírus no Haiti
 
Seis soldados brasileiros que retornaram ao país após trabalhar na missão de paz no Haiti foram infectados pelo vírus Chikungunya, informou a Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo.
 
De acordo com o Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE), os oficiais retornaram ao país entre os dias 2 e 3 de junho.
 
“As infecções foram confirmadas por análises de diagnóstico molecular da Reação em Cadeia de Polimerase (PCR), realizadas pelo Instituto Adolfo Lutz, laboratório da Secretaria”, apontaram as autoridades sanitárias.

 
As autoridades paulistas de saúde foram avisadas no dia 5 e agentes da Superintendência de Controle de Endemias (Sucen) iniciaram ações de contenção e nebulização no Hospital Militar de Área de São Paulo e no Batalhão de Logística do Exército, em Campinas, por onde os soldados passaram.
 
Ainda de acordo com o comunicado, “os pacientes estão em observação e estado de saúde deles é considerado bom e estável”.
 
No estado de São Paulo, dois casos importados da doença foram confirmados em 2010 em brasileiros que haviam voltado do Sudeste Asiático. A Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo explicou que o vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti e pelo Aedes albopictus, ocasiona os mesmos sintomas da dengue — febre, dores no corpo, manchas vermelhas pelo corpo e dores nas articulações.
 
Ainda como a dengue, não existe um tratamento específico para o vírus, que pode deixar sequelas permanentes.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fred.KG

- 2014-06-12 12:54:42

Acre, pólo de difusão

Neste caso, o controle somente dos militares que estiveram no Haiti é ineficiente, porque há milhares de haitianos que migraram e  migram para o Brasil.

O Acre por seu clima quente e concentração de haitianos, provavelmente se transformará em pólo de difusão do  vírus Chikungunyano dentro do  território nacional.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador