Paulo Amarante: Nova Política Nacional de Saúde mental é ‘retorno à política de mercantilização da vida’

do CEE-FioCruz

Nova Política Nacional de Saúde mental é ‘retorno à política de mercantilização da vida’

O sanitarista Paulo Amarante, pesquisador do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial (Laps) da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz) analisa neste comentário ao blog do CEE-Fiocruz, os prejuízos à democracia com a instalação da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Nova Política Nacional de Saúde Mental. A frente foi criada em novembro de 2018, inicialmente composta por 228 deputados e 4 senadores. 

Paulo Amarante alerta que a ameaça não está apenas no campo da Reforma Psiquiatriaca, nos avanços na atenção psicosocial e no SUS. “É um retrocesso geral na politica brasileira, na democracia, na cidadania, nas práticas sociais mais vançadas e parcipativas”, afirma o pesquisador, observando que  há um retorno da politica privatizante, da mercantilização da vida, tomando-se a saúde e as doenças como mercadorias, alvo de interesses especificos. “Esses interesses não visam à saúde da população, visam à ganância e à obtenção de lucros com as doenças da sociedade”, completa.

 

Assista ao vídeo abaixo.

Leia também:  Com menos de cinco meses de governo, a era Bolsonaro estaria no fim?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome