Presos por execuções, PMs serão expulsos da corporação

Jornal GGN – Alexandre de Moraes, secretário da Segurança Pública de São Paulo, disse que os 11 policiais militares presos por suspeita de participar da execução de dois homens serão expulsos da corporação. “Eles vão ser processados criminalmente e serão expulsos”, afirmou.

O caso ocorreu no dia 7 de setembro, no Butantã, na zona oeste de São Paulo. Após tentar roubar uma moto, Fernando Henrique da Silva e Paulo Henrique de Oliveira foram perseguidos, presos e executados. Os assassinatos foram registrados por celular e câmeras de segurança.

Do Estadão

PMs presos por execuções serão expulsos da tropa

Afirmação é do secretário estadual da Segurança Pública; assassinatos de suspeitos foram gravados por celular e câmeras 

­ O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, afirmou nesta terça-­feira, 15, que os 11 policiais militares presos por suspeita de participar da execução de dois jovens no Butantã, zona oeste da capital paulista, em 7 de setembro, serão expulsos da corporação.

“Onze policiais militares estão presos. Eles vão ser processados criminalmente e serão expulsos”, afirmou Moraes. As investigações da Corregedoria da PM concluíram que Fernando Henrique da Silva e Paulo Henrique de Oliveira foram executados, depois que tentaram roubar uma moto. Eles foram perseguidos e presos. Os assassinatos dos dois foram gravados por celular e câmeras de segurança.

Segundo a Corregedoria da PM, os dois rapazes chegaram a atirar em uma viatura na perseguição. Eles se separaram e fugiram a pé para tentar escapar dos policiais. Oliveira foi dominado na Rua Corinto. Imagens de câmeras de segurança mostraram quando ele se rendeu e foi algemado pelos policiais. Depois, foi levado para a calçada, teve as algemas retiradas e foi baleado com tiros no abdome. Um PM apareceu colocando uma arma nas mãos de Oliveira.

Os soldados Silvano Clayton dos Reis, Silvio André Conceição, Mariane de Morais Silva Figueiredo, Tayson Oliveira Bastiane e Jackson da Silva Lima tiveram a prisão decretada na sexta­feira pela Justiça Militar por suspeita de participarem da execução de Oliveira.

Já Silva foi dominado no telhado de uma casa pelo soldado Samuel Paes, levado até a beira e jogado de uma altura de quase nove metros. Na gravação é possível ouvir dois disparos que teriam sido dados pelos soldados Flavio Lapiana de Lima e Fabio Gambale da Silva.

Por essa morte, os três PMs, o tenente Angelo Felipe Mancini, o cabo João Maria Bento Xavier e o soldado Paulo Eduardo Almeida Hespanhol tiveram a prisão decretada pela Justiça Militar nesta segunda­feira, 14. Todos estão presos no Presídio Militar Romão Gomes, na zona norte.

Justiça comum. A pedido do promotor Rogério Zagallo, a Justiça comum também decretou nesta terça­feira, 15, a prisão temporária dos 11 policiais militares por 30 dias

“A medida foi necessária porque o caso será conduzido no 5.º Tribunal do Júri. Será aqui que eles serão processados.”

Segundo o promotor, os PMs serão denunciados por homicídio duplamente qualificado, fraude processual, entre outros crimes. “Eles (PMs) agiram como criminosos e serão tratados como tais. Obviamente, não agiram de acordo com os padrões da Polícia Militar. Pessoas erraram, não a corporação.”

Inquérito policial. O Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) também está investigando o caso. Os policiais vão usar provas conseguidas pela corregedoria para conduzir o inquérito. Os investigadores querem individualizar a participação de cada policial nas execuções realizadas no dia 7 deste mês.

Nesta quarta-­feira, os soldados Silvano Clayton dos Reis e Tayson Oliveira Bastiane serão ouvidos no departamento a partir das 10 horas. A expectativa é de que eles contem mais detalhes da morte de Oliveira. Os dois têm o direito de permanecer em silêncio. O promotor Zagallo vai acompanhar os depoimentos. As armas dos 11 policiais envolvidos já foram apreendidas para perícia. O resultado deve ser divulgado em até 30 dias.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

10 comentários

  1. Esse discurso da polícia

    Esse discurso da polícia militar de São Paulo que ações da espécie “são casos isolados” é falso. Está aí um histórico imenso de casos da espécie para comprovar.

    Aos mais jovens afirmo: desde que me entendo como gente que a PM paulista já era conhecida por esse viés. Claro que numa centena de milhar de integrantes a maioria não se enquadra nesse perfil criminoso. Não obstante, pode se falar em “institucionalização” da prática a partir da constatação que nunca os sucessivos comandos, e principalmente o governo paulista, tratou com o rigor necessário tais desvios. Daí a recorrência. 

    Quem nunca ouviu falar da famosíssima ROTA? Quem nunca teve conhecimento de como a PM trata os moradores da periferia? Há uma reportagem da ISTO É de uns anos atrás acerca disso. Dá ânsia de vômitos lê-la. 

  2. Serão expulsos da

    Serão expulsos da PM,cumprirão uma pena curtíssima,e logo estarão trabalhando como leões de chacara em casas noturnas por aí,e continuarão barbarizando e matando.

  3. Já se decidiu ou Tico ainda ta brigado com Teco?

    Expulsar sem trânsito em julgado? Que absurdo é este? Uma decisão judicial produzir efeitos enquanto ainda cabem recursos? E se os PMs forem inocentes, como é que fica?

    Lembre-se, para serem inocentados, para o Judiciário, basta não aceitar o vídeo como prova. O vídeo…quem filmou? Vídeo de pessoa não identificada? Pode isso Arnaldo? 

     

    A esquerda tem que se decidir SE defende OU repudia o dispositivo constitucional.

    • Eles não são juízes para

      Eles não são juízes para serem demitidos só com trânsito em julgado de decisão judicial.

      Serão expulsos por processo administrativo.

      Coisa mais normal do mundo.

    • A “via rápida” para expulsão

      A “via rápida” para expulsão de PMs é Lei em São Paulo. O projeto foi proposto e aprovado pelo PSDB, sancionado por Alckmin sem vetos. 

      Não se faça de bobo, meu caro.

      Todos sabem que você já é um. 

  4. Quando a soldadesca sai de

    Quando a soldadesca sai de controle a culpa é do comandante da tropa. Nenhuma dúvida quanto a isto.

    Alckmin, contudo, segue sendo tratado com condescendência pela imprensa paulista.

    A mesma imprensa que ele sustenta com milhões de reais dos contribuintes.

    Inclusive daqueles que estão vendo seus parentes serem assassinados. 

    Tirania sem fim no Tucanistão.

    Sem uma intervenção com tropas federais para meter a ferros o governador, os coronéis da PM e os aduladores pagos na mídia, São Paulo seguirá sendo um Estado assassino e fora da Lei.

    Simples assim.

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome