As tecnologias do álcool

Do Projeto Brasil

Como alternativa à cana-de-açúcar, novas tecnologias vão surgindo para que todas as fibras vegetais possam ser utilizadas na produção de etanol. Até mesmo o bagaço e as folhas da cana-de-açúcar poderão ser utilizados. Segundo a engenheira agrônoma Catarina Rodrigues Pezzo, do Pólo Nacional de Biocombustíveis da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), da USP, a produtividade e a diversificação das matérias-primas e o impacto do emprego dessas novas tecnologias representarão a segunda geração dos biocombustíveis.

A tecnologia atual já dispõe da hidrólise enzimática como forma eficiente de quebra da longa molécula de celulose em açúcares. O processo, similar ao praticado pela natureza por atacar a celulose com enzimas, é considerado como o de maior potencial de conversão. Porém, especialistas afirmam que faltam enzimas. Pesquisadores também estudam a utilização da hidrólise ácida para produção do álcool celulósico. Estados Unidos e alguns países da Europa integram a quebra da celulose aos processos de fermentação.

Há previsões de que, a partir de 2009, o Brasil domine a obtenção da energia contida no bagaço e na palha da cana-de-açúcar, com significativas chances de inserir a hidrólise ácida no mercado em dois ou cinco anos. Além disso, as condições do País permitirão o desenvolvimento de um modelo próprio de hidrólise da celulose. Cálculos apontam que esse processo ajudará a aumentar a produção de etanol sem interferir na área plantada. A geração de resíduos também pode ser otimizada, e a biomassa celulósica gerada pode chegar a 240 toneladas. O fim das barreiras tecnológicas pode converter esse total para quase 500 mil litros de álcool.

Hoje em dia, os processos do etanol estão ancorados na utilização de açúcares de cadeia curta (sacarose, glicose e frutose, principalmente), que as leveduras convencionais são capazes de consumir. As principais matérias-primas utilizadas atualmente são a cana-de-açúcar (Brasil), a beterraba (França) e o milho (Estados Unidos).

Clique aqui para acessar a matéria.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora