Câmbio: para recordar

No dia 23 de dezembro de 1994 escrevi a coluna abaixo, com minha interpretação à época para a apreciação irresponsável do Real: jogadas no mercado futuro de câmbio. Agora que estou terminando o livro sobre a época, a convicção aumenta. O único reparo é na responsabilidade que joguei sobre os ombros do então Ministro da Fazenda Ciro Gomes. De fato, ele transformou a idéia da manutenção do real apreciado em questão nacional. Mas foi envolvido completamente pela equipe econômica da época.

Ciro Jones e a quebra do México
Coluna de 23/12/1994

À luz do caso mexicano, é necessário uma discussão aberta sobre a manipulação política dos temas econômicos. Sabia-se desde início de julho que a valorização do câmbio decorrera de acidente operacional na implantação da nova política cambial. E dos riscos daí decorrentes.

Mesmo assim, nas últimas semanas, políticos, membros em off da tal equipe econômica, do mercado financeiro e parte da imprensa cerraram fileiras em torno dessa maluquice de transformar a política cambial em bezerro de ouro do plano Real.

O México quebrou por ter supervalorizado sua moeda e destruído seu equilíbrio em transações correntes, sem se dar conta que a entrada de dólares via mercado financeiro era finita –os mesmos equívocos da atual política cambial brasileira.

No entanto, se o ombudsman se dispuser a levantar nos diversos órgãos de imprensa quantas vezes os críticos da política cambial brasileira foram taxados de inimigos do Real, ainda assim proporcionaria aos leitores uma pálida idéia do nível de manipulação do tema.

Importa mais entender as razões dessa cegueira ampla.

O primeiro elemento é o jogo de poder. A equipe econômica sabia –e informou a Ciro Gomes– que a valorização do câmbio decorrera de (gravíssimo) acidente operacional.

Bastou o início do jogo de definições do ministério, para jogar-se o interesse nacional na lata do lixo. Dois dias antes da quebra do México, o Ministro da Fazenda Ciro Gomes “exigiu” do futuro Ministro do Planejamento José Serra profissão de fé pública na política cambial, como prova de lealdade ao Real.

Se, com a retaguarda que recebeu de certa parte da imprensa, Ciro tivesse se mantido no cargo, o pastor Jim Jones seria pinto perto do carcará cearense.

Conflito de interesses

O segundo elemento do jogo é a questão do conflito entre interesses públicos e privados. Qualquer relação entre política cambial, abertura indiscriminada da economia e a sociedade do assessor Winston Fristch com um banco estrangeiro não é coincidência.

Há anos, o mercado financeiro transformou-se no objetivo profissional da maior parte desses acadêmicos que saltam para o serviço público. A ansiedade em não descontentar seus futuros empregadores, clientes ou sócios, acaba tornando-os –às vezes inconscientemente– muito permeáveis aos argumentos do setor.

A manutenção da tensão cambial (um câmbio valorizado que mantenha os agentes econômicos em permanente expectativa), por exemplo, é horrível para a atividade produtiva, no longo prazo inibe as exportações e os investimentos externos. Mas é essa tensão que abre espaço para movimentos especulativos, nos quais os mais competentes podem ganhar rios de dinheiro.

Nos últimos anos, os bancos de negócio desempenharam papel relevante na modernização da economia, adquirindo empresas quebradas, capitalizando-as e modernizando sua gestão. E o mercado cambial ajudou a colocar o país na rota dos grandes fluxos internacionais de capitais. Para que isso fosse possível, foi necessário derrubar as barreiras do protecionismo criadas pelo lobby da economia industrial brasileira.

Agora o pêndulo virou perigosamente para o extremo oposto. Pessoas isentas, saberiam avaliar e corrigir os exageros, de parte a parte. Quando a visão está nublada por conflitos de interesses pessoais, acontece o mesmo que no México –quebra-se o país e todos saem perdendo.

Proibições

Por isto, está na hora do Congresso estabelecer limites à utilização do serviço público como trampolim profissional. Não se trata apenas de questão ética. O país já pagou um preço elevadíssimo no governo Sarney, com a política de conversão de dívida externa e de pagamento integral do serviço da dívida, e no governo Collor com a privatização a preço de banana, práticas nefastas e ilógicas, cujas motivações só ficaram claras mais tarde, quando esses interesses tornaram-se públicos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora