Castro e a industrialização

O processo de desindustrialização recente da economia, por conta dessa política cambial irresponsável, mudou o pensamento de um dos principais industrialistas brasileiros, o economista Antonio Barros de Castro, vice-presidente do BNDES.

Antes, defensor das políticas horizontais -de criação de ambientes de inovação e de condições de competitividade genéricas para todos os setores— Castro se assustou com a análise dos dados do FIBGE, e com a desindustrialização não planejada. E passou a defender a definição de setores estratégicos, que possam ser preservados dessa razia sobre a indústria brasileira.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora