Giambiagi e o salário mínimo

Um exemplo de como se usam as estatísticas.

De Fábio Giambiagi: “Faz sentido que os trabalhadores das regiões metropolitanas, que geram novas riquezas para o país, tenham hoje um rendimento, em termos reais, inferior ao de 1994, quando foi lançado o Plano Real, ao mesmo tempo em que o poder aquisitivo de quem ganha o piso previdenciário ou assistencial (muitas vezes sem ter contribuído nunca para o INSS ou tendo realizado contribuições ínfimas por pouco tempo) caminhe com o aumento previsto para 2007 rumo a ser 100 % superior ao de 1994?”

A tabela acima (elaborado por Amir Khair e Nelson Barbosa) mostra o valor real do salário mínimo, deflacionado pelo IPCA. Repare que Giambiagi escolheu, como ano de comparação, 1994, o fundo do poço do valor do mínimo. A partir daí tirou aquele número altissonante sobre o valor atual do mínimo.

Olhando a tabela, outro economista poderia dizer que o mínimo, hoje, tem o mesmo valor que tinha em 1986, vinte anos atrás.

Entenderam como o especialista exerce seu poder? Simplesmente seleciona dados que servem à sua tese. E esses dados são apresentados como técnicos e acima da política.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora