No Rio, carregando flores

Amanhã e depois ficarei no Rio em um trabalho que alguns diriam que é carregar pedras, e garanto que é carregar flores: entrevistar mais alguns personagens daquele período fantástico que foram os anos 50 e 60, fuçar em alguins arquivos históricos e conversar com alguns sábios ancestrais da política brasileira.

Se der tempo, uma rodada no CPDOC, cuja equipe gentilmente me convidou para visitá-los.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

12 comentários

  1. JUSTIÇA SOLTA FAZENDEIRO
    JUSTIÇA SOLTA FAZENDEIRO ACUSADO DE MATAR DOROTHY STANG

    http://ultimainstancia.uol.com.br/noticia/62061.shtml

    A Justiça Federal concedeu nesta segunda-feira (16/2) habeas corpus para o fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão, o Taradão, acusado de mandar matar a missionária americana Dorothy Stang em fevereiro de 2005. Ele estava preso desde dezembro de 2008, acusado de grilagem e estelionato por apropriar-se de terras públicas.

    A 3ª Turma do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), por dois votos a um, concedeu liberdade a Regivaldo, que tentou tomar posse do lote 55, em Anapu, uma área de 3.000 hectares grilada por ele nos anos 90 e cenário de um conflito de terras que teve como ápice a morte de Dorothy Stang.

    Segundo informações da assessoria de imprensa do TRF-1, o que pesou para a decisão dos desembargadores foi o excesso de prazo para a conclusão do inquérito policial —fase que antecede a instauração de um processo criminal.

    Com a decisão, Regivaldo deverá aguardar em liberdade a conclusão do inquérito. A previsão, ainda de acordo com a assessoria do TRF, é de que a Polícia Federal demore mais 60 dias para concluir as investigações.

    De acordo com a Procuradoria Regional da República da 1ª Região, o processo só deve chegar ao órgão nesta terça-feira (17/2), data em que será distribuído a um procurador, que só então analisará se entra com recurso.

    O fazendeiro chegou a ficar preso durante mais de um ano pela morte da missionária e em 2006 conseguiu um habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal).

    Além da acusação pela morte de Dorothy Stang, o fazendeiro já responde a outras ações por trabalho escravo, crimes ambientais e fraudes contra a Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia).

    Pressões
    Segundo informações da Procuradoria da República no Pará, os conflitos no município se agravaram após a absolvição, em maio de 2008, de Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida. Em um segundo julgamento, o sócio de Regivaldo no lote 55 foi absolvido da acusação de co-autoria pelo homicídio qualificado contra a missionária americana.

    As autoridades que acompanham o caso desde então, segundo o MPF, já temiam que recomeçassem as pressões sobre os assentados.

    Em reunião no dia 28 de outubro de 2008, na sede do Incra de Altamira, Regivldo ofereceu benfeitorias para ficar com a posse das terras. Na ocasião, ele mais uma vez afirmou ser o proprietário do lote 55. A Polícia Federal abriu inquérito contra o fazendeiro. Convocado a depor, ele negou o que está registrado na ata da reunião e desmentiu ser dono do lote.

    No pedido de prisão por grilagem, o MPF afirmava que a negativa de Regivaldo era a sétima versão diferente que apresentou sobre a acusação de grilagem do lote 55.

    Segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

  2. Já que não tem o “fora de
    Já que não tem o “fora de pauta”.

    1 – Dei boas risadas ao saber de sua provável ida para a TV Brasil.
    Explico: Você: Serrista, saiu da TV Cultura e agora vai trabalhar na TV Brasil e terá de aguentar o esgoto chama-lo de chapa branca.
    Ninguem merece.
    Fonte: http://www.revistaforum.com.br/sitefinal/blog/

    2 – Tomei conhecimento do blog do Prof. Kanitz ( O Brasil que da certo) http://brasil.melhores.com.br/ com noticias positivas sobre a economia do Brasil.
    Estamos precisando deste tipo de abordagem.
    Fonte: http://www.viomundo.com.br

  3. Nassif

    Estas no RJ ?
    vai na
    Nassif

    Estas no RJ ?
    vai na casa do meu tio amado e leve flores..

    86 anos,
    exercito na época da dita..
    expulso, reintegrado posteriormente
    adv de causas agrárias até 2 anos atrás.. (sim ..com 84).

    Se conseguir tirar tudo que sabe, lhe dará um livro.
    é um contexto este homem.
    Morou e conviveu em Ipanema durante 40 anos e lutou por questões que diretamente não lhe afetavam.

  4. Nassif, no CPDOC uma
    Nassif, no CPDOC uma incumbência muito especial:

    encontrar (pelamordedeus!) a dissertação de mestrado e a tese de doutorado de vocessabequem, que não encontro em lugar nenhum do mundo onde os caracteres latinos são usados.

    Ou será que tais trabalhos foram escritos em cirílico?

    Precisamos ler aquilo.

  5. Nassif, seja bem vindo, agora
    Nassif, seja bem vindo, agora isso não é desculpa para conhecer “de perto”, o “cordão do bola preta”? É sábado.

    Ficio só até amanhã.

  6. FGV?

    arquivos pessoais de
    FGV?

    arquivos pessoais de fotógrafos do Correio da Manhã, já disponibilizados para consulta(?) fotos centro do rj de jovens sendo retirados de dentro do chafariz em frente agência central banerj…gente precisando dessas fotos !!!

  7. Artigo: Vamos Definir Crise
    Artigo: Vamos Definir Crise Corretamente
    Knitz

    O termo “Crise” é definido como um acúmulo de problemas simultâneos que nos impede de raciocinar. Por exemplo, quando passamos por uma crise de nervos e surgem tantos problemas que mal conseguimos parar para pensar: damos voltas como baratas tontas. Normalmente, diante de um quadro desses se pede calma e sangue frio para poder identificar os problemas e estabelecer prioridades.

    Crises globais ocorrem, por sua vez, quando países têm tantos problemas que não conseguem administrá-los. É o que ocorre hoje nos Estados Unidos, onde os dirigentes, economistas e banqueiros estão dando voltas como baratas tontas. Definitivamente, isso não é o que ocorre no Brasil. Muito pelo contrário: identificamos nossos problemas a tempo, implementamos soluções imediatas. Por exemplo, o caso da indústria de automóveis quando identificamos a queda nas vendas, fizemos a isenção do IPI e a produção em janeiro aumentou 92%: fim de crise no setor.

    Muitos criticaram minha declaração na Globo News de que a crise acabou no Brasil. Os dados, no entanto, estão aí: não temos subprime, bancos falindo, cartões de crédito estourando, CDOS e CDS despencando.

    Por isso, eu acredito que usar o termo “crise”, no Brasil, é uma irresponsabilidade social muito séria. Temos sim, alguns problemas localizados em exportação e habitação, em parte causados por nós mesmos. E estes, ainda por cima, estão sob controle, o que não ocorre nos Estados Unidos.

    Daqui para frente, quem usar a expressão “crise global” comete outro erro. Não é global, justamente porque o Brasil não está em crise.

    Lula estava certo quando disse que tudo não passaria de uma marola e que tiraríamos de letra. Tanto é que a Bolsa já subiu 40% depois da chegada da “crise”. Já estamos a caminho de uma rápida recuperação. Pena que você se deixou levar pelo pânico.

    O governo Obama é que já das sinais de andar feito barata tonta, sem saber o que fazer. E Ben Bernanke, mais ainda…

    Nosso governo está fazendo tudo com rapidez, transmitindo confiança, ajudando pontualmente quem precisa. Isso porque não temos uma crise generalizada que nos impeça de raciocinar e priorizar as ações necessárias. Aguardem minha análise de fim de mês, intitulada: Brasil 9 X 0 Estados Unidos e Europa.

  8. Se vc procura informações
    Se vc procura informações sobre o funcionamento do BB nessas décadas, venha a Porto Alegre e converse com Dinar Goyheneix Gigante. Escriturário, saiu 48 anos depois como Vice Presidente de Adminsitração. É um arquivo ainda vivo e lúcido, nos seus 92 anos.

    Poderia passar o telefone dele no meu email? [email protected]

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome