O acidente com o Legacy

Do leitor Edvaldo Santos

Acho precipitadas e prematuras algumas acusações que tenho lido, sobre o acidente aéreo em Mato Grosso.

1-Num tipo de acidente com esta complexidade, não se pode tirar nenhuma conclusão, sem que todos os dados estejam disponíveis.

2-Os dados essenciais são:

2.1-A transcrição de todas as comunicações havidas entre o Centro de Controle e os pilotos

2.2-A decifração das caixas pretas dos dois aviões

2.3-O visionamento da gravação vídeo dos radares do Centro (ou Centros) de Controle de Tráfego Aéreo

2.4-O depoimento dos Controladores Aéreos de serviço no CINDACTA.

2.5-O depoimento dos pilotos sobreviventes.

2.6-Eventuais deficiências técnicas de cobertura, quer de comunicações, quer de radar, na área do acidente. e já reportadas por outros pilotos que por ali voam regularmente.

Após a conjugação de “todos” esses elementos, sem exceção, então será possível reconstituir o acidente, contemplando todos os detalhes. E só então, nunca antes, se poderá fazer a atribuição das culpas. Essas culpas poderão não recair só em um dos intervenientes, e sim porcentualmente a vários.

Poderá ser uma precipitação arranjar antecipadamente uma parte culpada, com base em uma mera suposição de que terá desligado o sistema TCAS anti-colisão para efetuar manobras. Isso é ridículo e absurdo. Uma suposição não se pode tornar em certeza, e a caixa preta o confirmará, ou não.

Outro ponto importante; Tem-se escrito muito sobre a falha do TCAS como fator provocador do acidente. Ora, o TCAS é um dispositivo de último recurso. O que é que falhou antes? Se o Centro de Controle tinha contato só com uma das aeronaves, porque perder tempo e insistir em chamar a outra que estava sem comunicações? Simplesmente teria que:

1º dar informação da situação ao piloto do Gol.

2º Dar instruções ao piloto do Gol, que era o único que tinha comunicações com o Centro de Controle, indicando um novo rumo que este deveria seguir, de modo a que os 2 aviões passassem com separação lateral segura.

Este era o único procedimento seguro a seguir, não o de alterar a altitude do Gol, uma vez que se desconhecia a altitude do Legacy. Isto aprendem os Controladores Aéreos no seu curso básico de radar, e fazem inúmeros exercícios antes de serem aprovados para a operação.

Devemos aguardar que sejam divulgados “todos” os elementos necessários, como já referido. As comunicações que foram feitos na última hora entre os Controladores e os pilotos, que seja divulgada a gravação vídeo dos radares,as caixas pretas, e a confirmação da existência de eventuais “zonas cegas” ou “buracos negros” na cobertura de radar e de comunicações.

Porque os pilotos do Legacy foram ouvidos imediatamente após o acidente, e os Controladores Aéreos não foram ouvidos imediatamente após o acidente, no máximo em 72 horas?

Antes disso tudo ser divulgado, não se devem decidir quem são os culpados. Há que ser mais cuidadoso e menos precipitado em assuntos de tal gravidade. O mundo aeronáutico está de olho neste assunto.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora