O acidente do Metrô

Há duas explicações possíveis para o desastre do Metrô São Paulo. A razão principal, ao que tudo indica, foi o fato das construtoras terem trocado o “tatuzão” por um sistema chamado NATM, que abre o túnel com explosivos, o que até se poderia fazer em zonas desertas, nunca em Pinheiros.

A primeira explicação é que fizeram para reduzir custos. A segunda é que fizeram para viabilizar a privatização do Metrô em regime de PPP (Parceria Público Privado), pois um custo alto afastaria os candidatos à privatização da Linha 4.

Enviado por: Marcos Ribeiro

Ora, eu pensava que a PPP só se constituiria para a operação da linha 4, jamais para as obras, que foram licitadas de forma tradicional. Logo, não há relação entre o acidente e a PPP, ilação que certos setores do sindicato dos metroviários está doida por fazer. Abelhas petistas, o Nassif lhes está pregando uma peça… Que tal resgatar as vítimas, pedir a perícia de algum órgão independente, e aí então aferir culpa.

Enviado por: Antônio Almeida
Nassif,

Não vamos cometer o mesmo erro que ocorreu no acidente da Gol. É muito cedo para quaisquer hipóteses. Pior ainda é começar a politizar a questão falando de excesso de lucros, culpando as PPPs, privatarias, etc.

Algumas construturas do consórcio são as mesmas que construiram outras estações do metrô em outros tipos de contrato, portanto, tecnicamente não são aventureiros. Pode sim ter havido irresponsabilidade e é preciso esperar uma investigação mais isenta ANTES de começarem a falar mal da iniciativa privada, o que aliás tem ocorrido com insistência nos comentários deste Blog. Se houve crime de método ou economia de materiais, isso não tem necessariamente a ver com o tipo de contrato “turn key” como tem sido dito com insistência.

Por favor, vamos primeiro olhar todo o problema do ponto de vista técnico.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora