O avesso do mundo

Enviado por: JUAREZ DE JESUS

Surpreso!!! Absolutamente surpreso, ao lê sobre os “filhos da FEBEM”, pois também sou “filho “da FEBEM. Mas a minha história e a dos meus irmãos, não são tão belas como a dos “filhos da FEBEM “de Minas gerais.Falo da FEBEM do Estado do Rio de Janeiro.

Devido às conseqüências do alcoolismo de meu pai, um belo dia, ou fatídico dia, minha mãe fugiu de casa, levando consigo os seus sete (07) filhos. Meu irmão mais velho tinha 12 anos, eu tinha 10, meu outro irmão tinha 09, uma irmã tinha 08, a outra tinha 07, a caçula das meninas tinha mais ou menos 02 anos, e o outro irmão caçula tina 03 anos. Viajamos de Campos a Niterói; não tínhamos para onde irmos, por isso, perambulamos pela cidade, até sermos apanhados pela Fundação Leão XIII, PARA UMA TRIAGEM. A triagem na verdade, nada mais era do que uma “diáspora familiar”, pois nos dispersaram por várias FEBEM localizadas em diversos municípios do estado do Rio de Janeiro.

Primeiramente, fomos encaminhados a FEBEM do Barreto-Niteroi, cujo nome era FEBEM Edson Arantes do Nascimento – Pelé. Daqui, eu e meu irmão mais velho fomos transferidos para a FEBEM de Araruama, na Rua Protógenes Guimarães. Minhas irmãs ficaram na FEBEM do Barreto em um setor só para meninas.

Na FEBEM para onde eu e meu irmão fomos, passamos horrores. E eu tinha apenas 10 anos.Na FEBEM de Araruama existia uma plantação de laranja muito densa, onde à tardinha nos embrenhávamos pelo pomar a chupar laranjas.Mas esse pomar também era lugar de outras práticas horrorosas:pederastias. Estava em nosso meio, jovens de 15/16 anos em fase de serem transferidos para outra FEBEM apropriada para essa idade. Enquanto não eram transferidos, uma vez ou outra cinco ou seis desses marmanjos curravam no pomar garotos de 07, 08,09 anos.

Numa dessas vezes, a curra foi tão violenta que o garoto chegou à sala dos inspetores com sangue escorrendo pelas pernas. Um horror.Quem fizera aquilo? Perguntaram os inspetores depois que colocaram todos em fila. Ninguém abriu a boca. O garoto estava com medo. Como chegar aos culpados!? Um dos inspetores teve uma idéia genial: já que todos estavam em fila, cheiraria a roupa de todos, e os que estivessem cheirando a sumo de laranja seria um dos culpados.

Eu estava com meu irmão no pomar chupando laranja. Todos que cheiravam à laranja eram retirados da fila com violento pescoção e encaminhados para o banheiro. Lembro-me que ao chegar á porta do banheiro encontrou outro inspetor, e o garoto que fora currado com uma tábua de uns 40 cm de comprimento por 10 cm de largura, em suas mãos. Eu pensa que íamos apenas tomar banho.

Quando todos – éramos mais ou menos uns 25 garotos- estávamos comprimidos uns nos outros o inspetor gritou – Tirem a roupa, e venham aqui de um em um. QUANDO O PRIMEIRO SE APROXIMOU DO INSPETOR E DO GAROTO QUE FORA CURRADO, O0 INSPETOR BERROU – vira a bunda!!!! QUANDO VIRÁVAMOS, ELE gritava para o garoto – bate! Bate! Bate! E o garoto batia cinco ou seis vezes em nossas bundas!Virem agora de frente – tornava a gritar. – Bate! Bate! Bate! E o garoto dava uma a duas pancadas em nossas virilhas. Esse processo se repetiu umas sete ou oito vezes, até a nossas bundas ficarem roxissimas, e as nossas virilhas com hematomas; e depois, todos chorando fomos tomar banhos, e depois diretos para a cama, sem jantar.

Fico por aqui. Historias como esta, tenho várias. Diante de comentários futuros, pode ser que eu volte as teclas… São válidas as corrigendas dos erros gramaticais, e datilográficos ao longo do texto…

Pastor Juarez de Jesus

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora