Raio X da Notícia: o caso Varig

A rigor, não há nada que impeça os funcionários de assumir a Varig. Eles são credores preferenciais, podem converter seus créditos em ações.

O que assusta o mercado?

1. O problema da governança. A crise da Varig decorre dos abusos cometidos pela Fundação Rubem Berta, cujos membros teoricamente eram eleitos pelos funcionários.

2. A Varig terá que enxugar consideravelmente seu quadro de funcionários, para adaptar-se ao novo tamanho. Os novos controladores teriam essa força?

3. Não está claro ainda o fôlego para novos aportes de capital na empresa. Também não está claro que seriam outros investidores ou operadores que estariam junto com os funcionários.

A rigor, tudo poderia se resolver se a composição acionária permitisse a diluição do poder, e o exercício pleno da governança corporativa – isto é, de uma gestão transparente, que visasse a busca da rentabilidade.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora