Sem título

A pedidos, vou repetir um post colocado no Blog da UOL

No jantar aqui em Comandatuba, onde voltei para outra palestra, um companheiro de mesa me conta que conheceu um Nacional Ferres do Futuro Provisório. E também a dona Losângela, que assim se chamou em homenagem a Los Angeles.

Logo que fui para São Paulo, no começo dos anos 70, me divertia lendo a Lista Telefônica e anotando nomes estranhos. Uma vez, nem tinha começado a trabalhar ainda, resolvi escrever para o “Pasquim”. Paulo Francis tinha feito uma das notas dele esculhambando a música popular. Com meu amigo João Cleber, o Cidadão, fomos até a Biblioteca Mário de Andrade e, dois fedelhos, copiamos um monte de nomes de compositores alemães dos anos 20 que foram influenciados pela música popular e mandamos uma carta para o Francis, com o pomposo codinome de João Costa-Curta. O pseudônimo foi tirado de um cliente do Banco Irmãos Guimarães, onde o Cidadão trabalhava. Paulo Francis ficou até um pouco inibido na sua resposta, ante tanta demonstração de erudição. Nem conseguimos a tréplica porque o pessoal do Pasquim foi preso antes.

Agora, enquanto me preparo para dormir, vou fuçando na Lista Eletrônica da Telefônica. Tem muita gente da família Fiasco, de quem me lembrei por conta de um presidente da Associação Comercial de Minas, nos anos 70, que tinha o comprometedor (para o cargo) sobrenome de Fiasco.

Entre os insetos, só consegui descobrir uma grande família Carrapato, com o seu Jonas e a dona Amália. No campo dos animais, não encontrei nenhum Eqüino, mas achei um senhor Ikino.

Procurei Sujeira, e encontrei Sujira. Procurei uma família Ruim, encontrei dona Cleonice. Mas também achei a dona Elica, que é Boa; e a Lívia que é Médio.

Procurei algum representante da família Nádegas, que solicitou mudança no cartório para Bundas (piada infame dos anos 70). Só encontrei uma senhora Nadgas, mas como primeiro nome. Ou seja, por opção mesmo.

Depois me arrependi dos palavrões e localizei a dona Carlas Casta. E, entre os castos, também a dona Antonia. Cócegas, não encontrei, mas achei o Cussiga.

No terreno dos rituais, encontrei membros da família Tridente, a Maria Teresa, o Christian e a Gisele. Aí resolvi procurar a inspiradora família Costa Curta. A lista não é longa. Na verdade, é bem menor que a família Costa Longa.

Tem muito Azar na lista, mas tem a Ovanete, que é Boa Sorte.

E quem quiser colaborar com a lista, que conte outra, clicando aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora