Receita do setor de serviços cresce 1,7% em abril

Jornal GGN – O setor de serviços registrou um crescimento de receita nominal de 1,7% no mês de abril, na comparação com igual mês do ano anterior, inferior à taxa de março (6,1%) e superior a de fevereiro (0,9%), segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O resultado apurado configura-se como a segunda menor taxa da série, iniciada em 2012, sendo a de fevereiro, a menor. A taxa acumulada no ano atingiu 2,6% e em 12 meses, 4,3%.

Ao longo do período, cresceram os Serviços profissionais, administrativos e complementares, com 6,7%; Serviços prestados às famílias, com 1,2% e Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com 1,0%. Apresentaram variações nominais negativas Serviços de informação e comunicação, com -0,1% e Outros serviços, com -2,2%.

Em termos de composição da taxa, as contribuições foram de Serviços profissionais, administrativos e complementares (1,4 ponto percentual – p.p); Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (0,3 p.p.); Serviços prestados às famílias (0,1 p.p.). Os Serviços de informação e comunicação não apresentaram contribuição significativa (0,0 p.p.) e Outros serviços tiveram contribuição negativa de -0,1 ponto percentual.

No que se refere aos resultados regionais, 13 das 27 unidades da federação apresentaram variações nominais positivas, na comparação de abril de 2015 com igual mês do ano anterior, com destaque para Rondônia (7,9%); Ceará (4,5%); e Mato Grosso do Sul (3,9%). As menores variações positivas foram de 0,7% no Rio de Janeiro; 1,6% para Pernambuco; e 2,0% no Pará e Minas Gerais. Os estados com maiores taxas negativas foram Roraima (-9,9%); Amapá (-9,8%); Maranhão (-6,8%); Espírito Santo (-4,8%); e Mato Grosso, (-4,3%).

Leia também:  IBGE: 382,5 mil empresas brasileiras fecharam as portas entre 2014 e 2018

A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), primeiro indicador conjuntural mensal que investiga o setor de serviços no país, abrange as atividades do segmento empresarial não financeiro, exceto os setores da saúde, educação, administração pública e aluguel imputado (valor que os proprietários teriam direito de receber se alugassem os imóveis onde moram). 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome