Músicos são agredidos próximo ao ato pró-impeachment

Jornal GGN – No final de semana passado, músicos do grupo Bixiga 70 se envolveram em uma confusão depois de se manifestarem contra um ato político que acontecia a poucos metros do local onde realizavam um show, em favor de intervenção militar no país. Em outubro, em caso semelhante, a cantora Céu foi vaiada depois de declarar apoio à reeleição de Dilma Rousseff.

Enviado por Assis Ribeiro

Durante shows em SP, músicos do Bixiga 70 e Céu são agredidos por ativistas políticos 

Por Lívia Rangel

Do Eleven Culture

No último final de semana, músicos do grupo paulistano Bixiga 70, um dos expoentes da música instrumental contemporânea brasileira, se envolveram numa briga no final de um show da banda, em São Paulo. O caso aconteceu após o grupo se manifestar contra um ato político que acontecia a poucos metros do local, em prol de uma “intervenção militar” no país. Nesta quarta-feira, a banda soltou uma carta aberta (leia abaixo) para explicar o ocorrido.

Outra situação parecida ocorreu com a cantora Céu. Segundo relato de fãs, postado em uma rede social, a artista paulistana também teria sido vaiada por pessoas que estavam na plateia, na sexta-feira, 24/10, no Grand Metrópole, quando Céu teria exposto seu apoio à reeleição da presidenta Dilma.

Mas a situação se agravou com o Bixiga70, onde músicos, fãs e agressores de plantão chegaram a entrar em confronto físico. Segundo nota publicada na página oficial da banda, ao anunciarem a última música da apresentação, onde fariam uma homenagem ao maior nome da música nordestina, Luiz Gonzaga, as agressões de extremistas presentes no local pioraram. Uma fã que apoiava a banda na frente do palco foi agredida por um homem e, nesse momento, os músicos interviram para defendê-la.

Leia também:  TV GGN 20hs: é hora de se falar a sério do impeachment de Bolsonaro

“O Brasil vive um momento muito delicado. Os ânimos estão à flor da pele e o resultado disso tem sido a polarização, o crescimento do ódio e dos ataques entre as partes. Nós sempre fizemos questão de nos manifestar publicamente, em shows ou nas redes sociais, a respeito de opiniões que discutimos muito entre nós. Foi assim no caso do Pinheirinho, da ocupação do Estelita, nas Manifestações de Junho, contra a xenofobia, a homofobia, o machismo, o preconceito… Os exemplos são inúmeros, qualquer pessoa que já foi a um show nosso sabe disso”, diz trecho do comunicado do Bixiga 70.

No Facebook da banda, o internauta Vinícius Lecci falou sobre o que aconteceu no show de Céu: “Quem é capaz de pedir “intervenção militar” desconhece absolutamente o que é democracia! A Céu fez um show no Grand Metrópole, deu a sua opinião, escolheu o seu representante e tbm foi vaiada! Vaiada pq a direita fascista, retrógrada, não consegue argumentar, debater ideias, discutir opiniões, pontos de vista. A resposta da Céu foi ótima: “Gente, isso é uma democracia. Cada um escolhe o seu representante!”.

Bixiga 70 interpreta a música ‘Grito de Paz’:

http://www.youtube.com/watch?v=puYio0E4jaU width:700 height:394

Leia íntegra da NOTA DE ESCLARECIMENTO do Bixiga 70:

“Recentemente passamos por uma situação lastimável, que colocou em risco nossa integridade física e moral. Situação que simboliza bem o momento que o país vive e achamos importante esclarecer os fatos publicamente para evitar ruídos e reafirmar nosso posicionamento que vai muito além da polarização partidária simplista, da forma como se coloca hoje.

Quem nos conhece, pessoalmente ou através de nossa música, sabe que nós somos da paz. Somos artistas e cidadãos. Prezamos pela liberdade de expressão, pela igualdade entre as pessoas, pelos Direitos Humanos e isso está presente tanto na nossa música como em nossa vida, em nossa atitude, enquanto grupo que funciona horizontalmente, na base da coletividade, da parceria e da liberdade criativa.

Leia também:  A luta histórica de Maria Prestes pelo socialismo

O Brasil vive um momento muito delicado. Os ânimos estão à flor da pele e o resultado disso tem sido a polarização, o crescimento do ódio e dos ataques entre as partes. Nós sempre fizemos questão de nos manifestar publicamente, em shows ou nas redes sociais, a respeito de opiniões que discutimos muito entre nós. Foi assim no caso do Pinheirinho, da ocupação do Estelita, nas Manifestações de Junho, contra a xenofobia, a homofobia, o machismo, o preconceito… Os exemplos são inúmeros, qualquer pessoa que já foi a um show nosso sabe disso.

No dia do ocorrido, não foi diferente. Manifestamos nossa opinião contrária a um ato que defendia a intervenção militar no Brasil que acontecia perto dali, no mesmo instante em que nos apresentávamos.

A reação imediata de parte do público foi “xingar o PT’’, dirigindo-se a nós com dedos em riste. Até aí, sem problemas. Respeitamos opiniões diferentes da nossa e enquanto artistas estamos preparados tanto para os aplausos, quanto para as vaias. Tentamos, em vão, explicar que a banda não tem qualquer ligação com partido, que falávamos como artistas e que iríamos tocar nossa última música – de um nordestino que nos inspira e nos orgulha, chamado Luiz Gonzaga. Entre vaias, xingamentos e alguns aplausos, tocamos nossa última música. Alto.

Logo após o fim do show, vimos um rapaz agredindo uma garota que foi para a frente do palco após nossa fala, nos apoiar com sua dança e sua alegria. O rapaz estava fora de si, inconformado com a situação, com o dedo médio na cara dela, empurrando e a ofendendo, aos berros. Para além de qualquer questão partidária, enquanto homens, parceiros, maridos, pais e filhos, não admitimos qualquer tipo de violência contra as mulheres ou qualquer indivíduo.

Leia também:  A luta histórica de Maria Prestes pelo socialismo

Ao vermos a cena, e na falta de quem a protegesse, descemos do palco para garantir a segurança da garota. Nesse momento, parte do público que nos xingava partiu pra cima. O tumulto estava formado e, diante da agressividade dos muitos que nos rodearam, nos defendemos como qualquer outro o faria em situação semelhante.

Não queremos nos vitimizar, nem nos tornar mártires de uma disputa política vazia e reducionista. Fomos tragados por uma violência que está cada vez mais presente em São Paulo e no Brasil. Nos sentimos na obrigação de alertar sobre os perigos desse movimento pois a desinformação e o discurso de ódio têm sido utilizados como ferramentas para que as pessoas se desentendam e não percebam sua situação real. Esperamos que o ocorrido, por pior que tenha sido, reflita positivamente e que isso ajude, não na polarização de um discurso politico simplista, pautado pelo ódio, mas na evolução do diálogo que é tão importante nesse momento.

Muito obrigado pelo apoio e pelo carinho que temos recebido dos amigos e fãs. Agradecemos aos que puderem compartilhar essa mensagem.

Paz.

Bixiga 70″

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. Quem semeou o ódio?

    Não podemos deixar nos dominar  pelo  ódio.

    Podemos argumentar, sempre expor nossos pensamentos, livres em nossas manifestações democraticas.

    Jamais nossos argumentos podem gerar violência.

    A violência descontroi por onde passa.

    Há centenas de exemplos, atualmente, no mundo.

    Há países sendo destruídos, destroçados, até banidos porque há interesses internacionais de olho aqui ou ali, buscando vantagens econômicas e prosperidade além mar, sem medir consequências, sejam elas perdas de vida humanas em grande quantidade, seja a elevação da miséria e do sofrimento do povo.

    O ódio é o instrumento que mentes poderosas e perversas estão utilizando, com maestria, máxime pelas redes sociais, para buscar a destruição de nossa democracia.

    Temos que combater o ódio, que foi usado e está se tornando a fortaleza de posições extremadas que podem resultar na destruição do próprio País.

    Posso estar exagerando, porém é importante não dar guarida a este sentimento.

    Na democracia, sempre haverá oportunidade para a reversão dos revés. E é assim que temos que a entender. Oposição tem que procurar corrigir o que entende errado em um governo e contribuir mais ainda para que o País cresça e melhore as condições do povo, jamais colocando o futuro de nosso País em risco.

    O ódio é este instrumento de destruição que devemos combater e banir.

  2. Parabéns Céu! Gostaria muito

    Parabéns Céu! Gostaria muito que Chico Buarque lhe convidasse para gravar um disco com ele. Eu e muitos admiradores de Chico, com cereteza, compraríamos com muito prazer. Sua voz é linda e afinada.

  3. Militar,não.Nunca.Jamais e

    Militar,não.Nunca.Jamais e em tempo algum.

       Mas o impedimento da presidente,por que não?

               Não,O pt não concorda?

                    Então vejam:

              

     Vcs reconhecem esse cara da foto do lado direito( ”direito ou direita’,quanta ironia ) ?      Pois é….

     

  4. Estamos rumando para ser como o Egito

    Aos poucos, aquele movimento de junho de 2013 que era para transformar o Brasil numa esculhambação como do egito, segundo os interessados, está indo nessa direção. Eles provocam até que alguém do outro lado terá que se defender e nas mãos da mídia bucaneira, irá transformar a vítima em bandido e logo colocarção a camisa do pt neles. Experiências ela já tem.

  5. Bloquear meu comentário,não

    Bloquear meu comentário,não irá mudar o cenário.

       Se liga,Nassa.

       Eu apenas salientei o que internet INTEIRA comenta.

      • Não foi minha

        Não foi minha intenção,Nassa,

         Sério mesmo.Eu não uso essas essas artimanhas vulgares.Sou mais sofisticado.

                 Mesmo alcoolizado.

                  E quando irá ser o sarau de fim de ano?

                    Até a Master vai. A não ser que aconteça um ”acidente” e eu tenha um álibe inquestionável.

                       ( sabe o que estou fazendo agora? Ouvindo o canal 139 da net(Meu segredo obscuro’)

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

              

  6. Focinheiras para parte da platéia.

    A direita tem dinheiro para pagar ingressos dos shows. Portanto, podemos esperar mais manifestações de intolerância desses descerebrados. Doravante, devido ao nível de agressividade que assumem, a segurança deverá ter focinheiras estocadas para que artistas ou mesmo o público presente não sejam feridos por esses cães hidrófobos.

  7. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome