Não existe “onda conservadora” no Brasil, por Caio Dezorzi

Não existe “onda conservadora” no Brasil, nem em SP

Por Caio Dezorzi

Do Marxismo.org

Guilherme Boulos, do MTST, defende em sua coluna da Folha de SP que há “a ascensão de uma onda conservadora”  em todo o Brasil e que o estado de SP seria a “cereja do bolo” deste processo. No blog da Boitempo, Izaías Almada escreve que as eleições “confirmam que o estado de São Paulo se torna de fato o representante legítimo da vanguarda do atraso brasileiro”. Eles repetem o que outras centenas de “ideólogos de esquerda” têm reproduzido, impressionados com o resultado de 5 de Outubro. Mas estão todos muito enganados, e pretendemos demonstrar isso neste artigo.

Desde Karl Marx, os marxistas travam um educativo debate com o restante da esquerda para que possamos analisar a situação política de maneira concreta, para além das aparências, do impressionismo. De fato, as aparências são de uma vitória perigosa do reacionarismo. Todos repetem que os candidatos a deputado mais reacionários tiveram as maiores votações e que o PSDB ficou milhões de votos à frente do PT em SP, inclusive suprimindo facilmente a reeleição de Suplicy. Mas isso é só a aparência, facilmente dissipada por uma análise com um pouco de rigor científico.

Os marxistas têm claro que o que move a sociedade é a luta de classes, e que esta se expressa apenas de maneira deformada através das eleições burguesas. Não necessariamente quem vence as eleições burguesas é quem tem o apoio da maioria real da sociedade. Isso se dá porque as eleições burguesas não são nada democráticas. Suas regras privilegiam aqueles que têm mais recursos financeiros e boa parte, senão a maioria dos que votam em um determinado candidato, o faz não por concordar com seu programa, mas porque este esteve mais exposto, se tornou mais conhecido, porque tinha mais recursos – e apoio da grande mídia burguesa.

O fato de não haver tempo igual para os partidos e coligações na TV e de os candidatos a presidente e governador de partidos menores como PSTU, PCB, PCO não poderem participar dos debates televisivos, por si só já distorce bastante a expressão das classes em luta no processo eleitoral.

Alckmin, por exemplo, foi reeleito governador em SP sem apresentar seu programa de governo. Claro que apresentou propostas nos programas de TV e rádio, que falou de propostas nos debates, mas o fato de não ter apresentado seu programa e registrado na justiça eleitoral, mostra que para seus eleitores, o programa do candidato não é o mais importante. É como se tivessem dado um cheque em branco a ele.

Os que dizem que há uma “onda conservadora” parecem partir do pressuposto de um mundo ideal onde as pessoas votam nos candidatos por acordo plenamente consciente com suas propostas! Os mais de 1 milhão de eleitores que votaram no Tiririca conhecem suas propostas? Francamente! Nem nos programas de TV ele apresentou as propostas dele! Logo, não podemos afirmar que todos que votaram nos candidatos da direita sejam “de direita”. Mas, mesmo que suponhamos que sejam, vamos aos números!

Aqui há um outro problema: ao analisar os números que a justiça eleitoral burguesa e a mídia burguesa nos fornecem, temos uma visão distorcida do processo que já expressa de maneira deformada a realidade da luta de classes. Isso porque a burguesia distorce o resultado quando desconsidera as abstenções e o que chama de “votos inválidos” (brancos e nulos). Para efeito de porcentagem, usam apenas os chamados “votos válidos”, ou seja, aqueles que foram dados a algum candidato. Mas e na realidade? Os que se abstiveram, anularam seu voto ou votaram “em branco” não fazem parte da vida real? Não estão também na sociedade e participam da luta de classes? Claro que sim! São também trabalhadores e jovens, só que optaram por não participar do teatro das eleições burguesas ou por não votar em nenhuma das alternativas apresentadas.

Para termos uma visão menos distorcida e facilitar a compreensão de tantos números, em nossa análise chamaremos de “candidato NDA” (Nenhuma das Alternativas) o detentor dos chamados “votos inválidos” somados às abstenções. Ou seja, NDA representará em nosso texto todos aqueles que decidiram não votar em nenhum dos candidatos apresentados. Isso muda bastante o que a burguesia nos apresentou como resultado.

De um total de mais de 142 milhões de eleitores no Brasil, Dilma ficou em primeiro lugar, com 43.267.668 votos (30,29%). Em segundo lugar ficou NDA com 38.798.244 votos (27,17%)! Só em terceiro lugar é que aparece o candidato do PSDB, Aécio Neves, com 34.897.211 (24,43%), quase 4 milhões de votos atrás de NDA! E Marina Silva fez 22.176.619 votos (15,53%), terminando em 4º lugar, quase 17 milhões de votos atrás de NDA!

Agora, vamos comparar com o 1º turno das eleições anteriores. Em 2010, havia 7 milhões de eleitores a menos que hoje. De um total de mais de 135 milhões de eleitores no Brasil, Dilma ficou em primeiro lugar, com 47.651.434 votos (35,09%). Em segundo lugar ficou novamente NDA com 34.213.890 votos (25,19%)! Só em terceiro lugar novamente é que aparece o candidato do PSDB, José Serra, com 33.132.283 votos (24,4%), desta vez pouco mais de 1 milhão de votos atrás de NDA! E Marina Silva, então pelo PV, fez 19.636.359 votos (14,46%).

Agora, vamos comparar com o 1º turno das eleições de 2006, quando havia quase 17 milhões de eleitores a menos que hoje. De um total de mais de 125 milhões de eleitores no Brasil, Lula ficou em primeiro lugar, com 46.662.365 votos (37,06%). Em segundo lugar ficou Geraldo Alckmin, do PSDB, com 39.968.369 votos (31,74%)! Há 8 anos, só em terceiro lugar é que aparecia o NDA, com 29.916.401 votos (23,76%), daquela vez pouco mais de 10 milhões de votos atrás do candidato tucano!

Se fôssemos nos deixar levar pelo impressionismo, em 2006 aparentemente havia uma “onda conservadora” muito maior do que agora! Afinal, o candidato tucano, mesmo num universo de quase 17 milhões de eleitores a menos, teve 5 milhões de votos a mais que seu colega Aécio Neves em 2014! Uau! Que “onda conservadora” essa de agora onde o PSDB perdeu 5 milhões de votos nos últimos 8 anos mesmo com 17 milhões de eleitores a mais! Claro que isso se explica em grande parte porque em 2006 a polarização era “PT x PSDB” e desde 2010 Marina Silva entrou em campo, como uma espécie de “3ª via” eleitoral. Mas esta migração de votos do PSDB para Marina representa o crescimento de uma “onda conservadora”? Pelo contrário! Por mais que nós saibamos muito bem que Marina defenda os mesmos interesses que o PSDB e que tenha seu programa completamente submetido aos interesses do capital, a maior parte dos que votam nela não vê desta forma. Votam em Marina por pura ilusão de que ela represente algo novo, uma “nova política”. E não se pode dizer que quem quer “o novo” é conservador. Isso seria um contrassenso em si. Marina pode ser conservadora, já seu eleitorado pode ser confuso, iludido, mas não conservador.

A grande questão aqui é que o PT perdeu muitos votos. E isto não necessariamente quer dizer que seja “uma guinada do eleitorado à direita” – ainda mais com a política que o PT vem aplicando ultimamente, ampliando e aprofundando alianças com partidos burgueses. De 2010 para 2014, o PT perdeu mais de 4 milhões e 300 mil votos, mesmo com um aumento de 7 milhões de eleitores no Brasil! E para onde estes votos foram? Impossível dizer como cada indivíduo mudou seu voto. A análise só pode considerar os resultados mais gerais. Entretanto, o que podemos ver no mapa da apuração é que o PT perde nos grandes centros políticos, onde se concentra a classe trabalhadora mais organizada, e ganha nas regiões menos desenvolvidas economicamente, onde está o proletariado mais atrasado. Outro fator importante é que em 2014 o NDA ganhou mais de 4 milhões e 500 mil votos em relação a 2010. Reparem que é um número muito próximo dos votos perdidos pelo PT no mesmo período. Marina, com seu discurso de “mudança” aumentou sua votação. O PSOL, apesar de ainda pouco expressivo, praticamente dobrou sua votação em relação a 2010.

Não é absolutamente preciso, mas os números mostram centralmente uma migração de votos do PT para o NDA, além de uma pequena distribuição de votos para alternativas à esquerda ou que aparecem como “de mudança” e não para a direita, que proporcionalmente manteve a sua votação (o PSDB obteve 24,4% tanto em 2010 quanto em 2014). Claro que, como o sistema desconsidera os “votos NDA” isso acaba fazendo pesar a balança para a direita no resultado oficial, mas não quer dizer que haja uma “onda conservadora”. Se os que antes votavam no PT mantiverem seu voto no NDA no 2º turno, Aécio deve se favorecer apenas mantendo os votos que historicamente o PSDB obtém no 2º turno.

Isso é matemática. Mas política não é só matemática. O PT não é o mesmo de antes. A relação das massas com o PT não é a mesma de antes. As massas também mudaram. E o voto no PT hoje não significa mais o que significava antes. E isso ressignifica o voto em qualquer partido ou candidato.

As jornadas de junho de 2013 representaram o despertar de uma massa de jovens para a vida política. Uma massa de jovens que não conhece a história do PT, que não conheceu o PT que lutava pelos direitos dos trabalhadores, por mudanças na sociedade. Trata-se de uma juventude que passou toda sua “vida consciente” sob o governo do PT em coalizão com partidos burgueses. Para esta camada de jovens, o PT não é sinônimo de mudança, mas sim de continuidade da ordem vigente. Não é de se estranhar que ao mesmo tempo em que queiram mudanças, estes jovens sejam anti-petistas. E, em meio à despolitização, podem acabar buscando expressar seu anseio por mudanças em qualquer voto contra o PT, inclusive em Aécio do PSDB no 2º turno.

Claro que isso foi influenciado pelo espetáculo midiático e fraudulento que a burguesia promoveu em torno do mal chamado “mensalão” ou “maior caso de corrupção da história do país”. Mas a responsabilidade disso é inteira da direção do PT, que recusou-se a se defender e despolitizou o debate nos últimos anos. Quando a direção do PT passa a defender os interesses do capital e se aliar com os seus inimigos históricos de classe, não há de fato mais nenhuma diferença política substancial entre o programa do PT e do PSDB ou de qualquer outro partido burguês. O debate eleitoral fica reduzido a “quem é mais competente para gerir o Estado” ou “quem é menos corrupto”. Assim, para essa juventude que despertou há pouco, o PT é um partido como todos os outros. E este começa também a ser o entendimento de uma camada da classe trabalhadora, não tão jovem assim.

Trotsky nos explicou que nas eleições se expressa o caráter de massa do proletariado e seu nível de desenvolvimento político. O resultado eleitoral de 5 de outubro é a expressão da despolitização da juventude e da classe trabalhadora, causada pela política dos governos e da direção do PT de conciliação de classes e de submissão aos interesses do capital. É o que a Esquerda Marxista vem alertando e combatendo há anos. E é isso o que leva à derrota petista em todo o Brasil.

Muitos parlamentares petistas não se reelegeram e todos os que conseguiram a reeleição tiveram uma queda acentuada em sua votação. A classe trabalhadora sancionou o PT nas urnas. A declaração da Esquerda Marxista de 7 de outubro faz uma radiografia do desempenho eleitoral do PT:

“A bancada do PT foi reduzida de 88 para 70 deputados federais e de 13 para 12 senadores. Em todo o Brasil, o número de deputados estaduais caiu de 149 para 108. Na disputa presidencial, Dilma atingiu no 1º turno, em 2010, 46,91% dos votos válidos, agora, obteve 41,59%.

Nas disputas para os governos estaduais, o candidato do PT à reeleição no Distrito Federal, Agnelo Queiroz, ficou em terceiro com apenas 20,07% e está fora do 2º turno. Tião Viana e Tarso Genro foram para o 2º turno na tentativa de reeleição no Acre e no Rio Grande do Sul, respectivamente, sendo que Tarso ficou em 2º lugar com 32,57% dos votos no 1º turno. O único estado atualmente governado pelo PT que conseguiu eleger um sucessor no 1º turno foi a Bahia. Mas o que chama a atenção é o resultado pífio de candidatos petistas ao governo no Rio de Janeiro (10%), no Paraná (14,87%), Santa Catarina (15,56%) e São Paulo (18,22%). Nas regiões sul e sudeste o único estado onde o PT levou no 1º turno foi em Minas Gerais, onde o voto foi evidentemente para tirar o PSDB do governo.

O que estamos vendo é que nos principais centros políticos e econômicos do país, onde há maior concentração da classe operária e da juventude, o PT tem perdido força. Na região do ABCD, na Grande São Paulo, Dilma só ganhou em Diadema. Das cidades desse importante polo industrial, Alckmin ganhou de Padilha em todas.”

Os votos perdidos pelo PT não foram para a direita nem em SP

Como já demonstramos matematicamente, a quantidade de votos que o PT perdeu no Brasil não foi ganha para os candidatos da direita, mas aumentaram significativamente o que neste texto chamamos de NDA (Nenhuma das Alternativas). No estado de SP não foi diferente:

Podemos notar que agora em 2014 Dilma perdeu mais de 2 milhões e 800 mil votos em relação à sua própria votação em 2010 no estado de SP. Ao passo em que o candidato tucano aumentou em apenas 0,3% sua votação. Já o NDA passou da 3ª colocação em 2010 para a 2ª colocação em 2014, superando a votação de Dilma em 10%, aumentando em mais de 2 milhões e 150 mil “votos”. Novamente, assim como no quadro nacional, notamos que no estado de SP a quantidade de votos perdida pelo PT é próxima da quantidade de votos que o NDA ganha. Não podemos deixar de notar que também Marina aumenta sua votação. Com quase 1 milhão e 700 mil eleitores a mais em 2014 no estado de SP, Marina obteve um crescimento de quase 900 mil votos em comparação com 2010, por seu discurso de “mudança”. Entretanto, a candidatura com maior crescimento proporcional foi a do PSOL, que mais que dobrou sua votação em relação a 2010. Mesmo ainda longe de alcançar os primeiros colocados, o crescimento da votação do PSOL não apenas no estado de SP, mas em todo o Brasil, representa uma guinada à esquerda de uma parte dos votos que o PT perdeu. Uma camada mais politizada que em vez de anular seu voto preferiu apostar numa alternativa mais à esquerda.

Para quem ainda acha que o voto na direita cresceu em SP, vamos comparar a votação dos tucanos em 2014 e 2006. O então candidato à presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin, obteve no estado de SP em 2006 mais de 1 milhão e 700 mil votos a mais que o seu correligionário Aécio Neves em 2014! Novamente aqui o PSDB perdeu 1,7 milhão de votos enquanto o eleitorado cresceu quase 4 milhões! Isso é “onda conservadora”? Qual foi o partido mais à direita do PSDB que teria ganho esses votos?

Mas alguém pode dizer: “E o Alckmin que agora foi reeleito governador com 57% dos votos?”…novamente vamos desmistificar os números, incluindo os votos que a burguesia retira do resultado final e ver como fica:

Na verdade, o PSDB que vence em SP há mais de 20 anos ficou abaixo da média nestas eleições. Alckmin teve 38,25% dos votos dos eleitores do estado de SP. Apenas 0,2% a mais que sua própria votação em 2010 e 6% a menos que a votação do PSDB em 2006! O fato é que para governador também o PT perdeu muitos votos (mais de 4 milhões em relação a 2010) e o NDA cresceu em mais de 3 milhões, ficando apenas atrás de Alckmin e atingindo 33,27%! Um terço dos eleitores “votou” NDA para governador em SP! Isso é uma “guinada à direita”?! Se somarmos isso com os votos em todos os outros candidatos que se opunham a Alckmin, notamos que 61,75% dos eleitores do estado de SP não querem mais Alckmin do PSDB como governador!

Skaf dobrou a votação dos partidos que lançaram candidatos separadamente em 2010, mas aqui também, por mais que nós saibamos o quão reacionária era a candidatura de Skaf, para a maior parte dos eleitores ele aparecia como uma alternativa para a mudança, uma “3ª via eleitoral” no estado de SP. E não podemos dizer que sua votação representa um eleitorado reacionário. É mais correto dizer que é um eleitorado despolitizado, que quer mudanças, semelhante ao eleitorado de Marina Silva. E, de qualquer forma, representa menos da metade dos votos NDA!

Porém alguns ainda podem argumentar: “Mas a eleição pra senador em SP comprova que há um aumento das forças reacionárias!” …vamos de novo aos números:

Aqui o que dizemos fica ainda mais evidente! O que chamamos de NDA foi o grande vencedor das eleições ao Senado em SP com o apoio de quase 13 milhões de eleitores! Mais de 40% dos eleitores não apoiaram nenhum candidato ao Senado! Serra fica em segundo, com 83 mil votos a menos que o candidato tucano de 2010, mesmo com o eleitorado paulista tendo crescido 1,7 milhão no período! O problema novamente foi que o PT perdeu muitos votos. E mesmo Suplicy, que parecia imune à desmoralização do PT, perdeu mais de 2 milhões e 800 mil votos em relação à sua própria votação em 2006!

Por fim, dizem que os candidatos a deputado mais votados são reacionários. Novamente vamos aos números! O candidato a deputado federal mais votado em SP, foi Celso Russomano, com 1 milhão e meio de votos. Isso é bastante compreensível. O sujeito tem um programa de TV onde banca o “defensor do consumidor” há anos. Foi eleito deputado federal em 2006 com meio milhão de votos. Em 2010 foi candidato a governador e em 2012 disputou a prefeitura de São Paulo, quase tirando Haddad do 2º turno. E continuou até julho, com seu programa de TV no ar! Com tanta exposição na mídia, sua votação até que foi baixa. O segundo mais votado foi Tiririca! O “abestado”, como ele mesmo se chama, teve 300 mil votos a menos que em 2010! E o terceiro mais votado foi o pastor Marco Feliciano, com menos de 400 mil votos! Depois de toda a exposição de mídia que ele ganhou com as polêmicas em torno de sua presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara e suas declarações homofóbicas, com apoio de grande parte dos evangélicos, sua votação também foi baixa. O que importa é que todos eles não chegam aos pés do NDA, que obteve apoio de mais de 11 milhões de eleitores na escolha de Deputado Federal em SP!

No Rio de Janeiro, por exemplo, o reacionaríssimo Bolsonaro foi o candidato mais votado para Deputado Federal com 464 mil votos. Já para deputado estadual, o mais votado foi Marcelo Freixo do PSOL, com 350 mil votos. O que os impressionistas diriam? Que houve uma guinada à direita para deputado federal e uma outra guinada à esquerda para deputado estadual? O impressionismo como método é uma piada! Ao mesmo tempo em que Bolsonaro foi o mais votado, o PSOL teve mais de 530 mil votos para deputado federal e elegeu 3 de seus candidatos no Rio de Janeiro! Onde está a “onda conservadora”?

Com a retirada de uma parte importante do eleitorado petista para o NDA (brancos, nulos e abstenções), que o sistema eleitoral burguês desconsidera, acabam privilegiados os que mantêm suas votações. E foi isso o que ocorreu. Não há um aumento do apoio às ideias de direita. A direita praticamente manteve seu apoio enquanto o PT perdeu. Isso deu mais espaço para a direita no parlamento, mas não significa que há um aumento do apoio popular às ideias de direita. E o PT perder apoio não significa que as ideias de esquerda têm menos apoio. Pelo contrário, isso mostra uma desaprovação popular à direitização do PT.

O que o resultado de 5 de Outubro mostra é que camadas importantes do proletariado brasileiro, principalmente nos grandes centros políticos do país, estão deixando de apoiar a política de conciliação de classes do PT, estão insatisfeitos com todos que se candidatam a seus representantes. O grande vencedor destas eleições não é o PSDB como a mídia burguesa tenta pintar. O grande vencedor é o NDA. Isso quer dizer que é uma guinada à esquerda? Não necessariamente. Mas certamente não é uma guinada à direita. Pelo contrário, Alckmin em SP e o próximo presidente eleito enfrentarão uma forte oposição popular que já os rejeitou nas urnas. Se estes não encontram no PT e em nenhum outro partido o seu representante político, não podemos culpá-los.

Os que responsabilizam o “atraso das massas” pelo resultado eleitoral, os que dizem que “o povo tem o governo que merece” ou que concluem que o resultado de 5 de outubro é reflexo de um aumento do conservadorismo entre a população, consciente ou inconscientemente estão dando cobertura à direção do PT, que é a verdadeira responsável por seu próprio fracasso e com isso prepara o fortalecimento e a volta da direita mais reacionária nos parlamentos e palácios.

Para os revolucionários, o cenário político é bastante animador. Difícil, complexo, mas animador. Já o cenário econômico promete tempos difíceis para todos os trabalhadores, que voltarão a se mobilizar para se defender dos cortes e ataques aos seus direitos conquistados com tanta luta.

Apesar de todas as traições da direção do PT, a classe trabalhadora ainda pode cumprir seu papel e impedir a vitória do PSDB no segundo turno, dando ao PT mais uma chance. E o PT será colocado à prova diante de toda a classe trabalhadora. É necessário que a classe trabalhadora faça a experiência até o fim com estes que reconhece como seus representantes históricos. Estará nas mãos da direção do PT continuar com a política de conciliação com a burguesia e ser definitivamente abandonada por sua classe ou virar à esquerda e reatar com as bandeiras originais do partido, de luta pelo socialismo. Somente passando por essa experiência é que o proletariado brasileiro encontrará uma saída para sua reorganização sobre um novo eixo de independência de classe. Vote Dilma, vote 13!

Leia também a Declaração da Esquerda Marxista sobre a questão: http://www.marxismo.org.br/content/declaracao-da-esquerda-marxista-no-2o-turno-voto-no-pt-voto-dilma-para-derrotar-aecio-e-o

Obs. Todos os quadros contém dados oficiais fornecidos pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). As candidaturas que não foram incluídas nos quadros obtiveram votações tão pequenas que não alteram em nada nossa análise.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

18 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Hokus

- 2014-11-01 17:26:06

Leonidas independentemente

Leonidas

independentemente doq ue você acha do texto, seja respeitoso com o autor. Você se comporta, assim, como  esses  fascistas de gabinete da internet. Vocẽ diria isso cara a cara com o autor?

Eu também  discordo da análise dele, mas não  o considero burro por isso.

Andre Borges Lopes

- 2014-10-25 08:36:27

Abstenções e Recadastramento

Essa análise tem um buraco metodológico escancarado. É fato conhecido, há tempos, que o número de abstenções cresce eleição após eleição nas seções eleitorais onde não se faz recadastramento. O sistema de exclusão automática de eleitores mortos ou daqueles que mudaram de domicílio (e não pediram mudanca do título para o novo endereço) é precário e falho. Nas eleições passadas, o número de abstenções nas seções eleitorais onde houve recadastramento para introdução das urnas com biometria foi significativamente mais baixo que a média do país. Nessa eleição não deve ser diferente.

Qualquer análise estatística que inclua as abstenções e não leve em conta esse fator já é furada de início.

ricardo gonçalves

- 2014-10-24 19:43:49

O erro do seu coment´rio é

O erro do seu coment´rio é que você NÃO LÊ o texto inteiro, antes de comentar. aí solta essa pérola.

altamiro souza

- 2014-10-24 19:22:08

o que é evidente é que há 

o que é evidente é que há  uma nítida hegemonia do aparelho

conservador no brasil, capitaneado pelo

partido da pimprensa golpista consorciado

com os tucanos e os financistas.

acho que o autor deveria dizer a que partido defende,

pois culpabilizar o pt fica fácil.

defende o nda apolitizado?

nesse momento cruial da eleição, o essencial é

comparar esses dois modelos postos no debate:

o do pt e o do psdb.

o resto é teoria.

deixe pra segunda

ainda bem que optou por dilma. 

valeram dois votos.

 

 

 

leonidas

- 2014-10-24 18:53:40

Texto longo, cansativo e

Texto longo, cansativo e burro.

Seu autor parou no tempo...rs

Monier,.,.,.,

- 2014-10-24 18:52:05

Pelos comentários, a eleição

Pelos comentários, a eleição cegou o pessoal. Isso aí deveria ser batizado de Síndrome do Mal da Revista Veja, com CID próprio. Recomendo publicar de novo na segunda-feira, com a Dilma eleita, que tudo pode fazer mais sentido.

Os dados brutos são excelentes. Dá para ver que na maioria dos casos apresentados os votos conservadores e progressistas estão estagnados em um patamar absoluto. Ninguém avança a ponto de convencer parcelas maiores da população.

O que variou foram os votos brancos e nulos, que chegaram a 1/3 do eleitorado. A única queda marcante foi da Dilma em 2014 em São Paulo. Foram 2 milhões de votos a menos diante de um eleitorado com uns 5 milhões de eleitores a mais.

Ou seja, existe uma quantidade gigantesca de gente que está aí sem liderança política, à procura de um rumo, e que desconhece o significado histórico do PT. E estão sendo afastados pela postura partidária.

Nesse ponto tem que ser atacada a campanha do TSE, desde os idos de 2004, contra a opção legítima pelo voto nulo. É um indicador saudável do nível das propostas apresentadas, e do nível de credibilidade do debate eleitoral.

Por alguma razão que só Freud explica, os militantes do partido estão fechando os olhos para o óbvio. A massa que saiu na rua em 2013 era qualquer coisa menos tucana, e está sendo afastada por um discurso que vai taxando todo mundo de fascista, mesmo que seja membro do PSTU. Se alguém se manifestou antipetista é porque os militantes do partido foram reacionários contra o movimento das ruas, e qualquer um sabe que o primeiro alvo é quem está no governo.

O artigo deixa claro que existe uma multidão que não acredita em nenhum dos dois projetos apresentados. O que falta é alguém com as características próximas de um Lula da década de 90, para liderar alguma "utopia". O mais próximo disso parece ser o Haddad, que sabe expôr suas idéias, tem um projeto, e sabe defendê-lo com convicção.

A união da Dilma - que soube passar ilesa de acusações de corrupção em sua vida pública, e que tem como única condenação a sua luta contra um regime autoritário - com o Haddad, que é uma liderança um pouco mais jovem, e que vem dando a cara a tapa com o máximo sucesso possível em projetos progressistas, seria o ideal para dar significado presente ao partido.

A multidão de gente que saiu às ruas no primeiro momento do 06/2013, talvez de um a 2 milhões de pessoas, não representa nem um terço da quantidade de eleitores adicionados desde a última eleição presidencial. E não é 1/15 da quantidade de gente que tem anulado o voto.

Enquanto continuar esse vício de "xingar muito" a todo mundo, o significado histórico do PT vai se PMDBzando lentamente, e a conexão com as novas gerações vai sendo perdida.

A memória mais antiga das pessoas que estiveram nas ruas no ano passado é de, em média, ao redor de 1995. Ou seja, a maioria não sabe da inflação. E não tem a mínima idéia do que foram as greves sindicais do ABC. Nem se fale dos sentimentos das "diretas-já". Para essas pessoas os partidos atuais são um livro de história, distante.

Ou seja, um "governo de todos" vai ter que prestar atenção a essa gente no sudeste: que não é rentista, nem capitalista, nem herdeiro, nem dono de terras, nem militante histórico de partido nenhum, nem maior de 40 anos. Se a luta de classes é importante, e a guerra dos níveis de renda muda muito a sociedade, o fato é que a luta de gerações parece que está definindo algumas coisas também.

Quando falam em eliminar os partidos nanicos, esse tipo de análise bem feita é a única exceção que me põe contra. Isso nunca sairia de um partido majoritário, ou que estivesse instalado no poder.

Wilton Santos

- 2014-10-24 18:38:24

O PT está muito mais próximo da classe trabalhadora do que...

O PT está muito mais próximo da classe trabalhadora e da juventude do que qualquer legenda de esquerda atualmente. É muito claro constatar a quantidade de jovens e trabalhadores que tem se unido às mobilizações pela reeleição de Dilma, por reconhecer avanços do governo em áreas como saúde, educação e emprego.

Se seguirmos a lógica do autor, a “autêntica” esquerda teria atraído a classe trabalhadora e a juventude. O que se vê, no entanto, são legendas como PSTU, PCO e o próprio PSOL com votações irrisórias.

Quanto ao fato do eleitorado não ser conservador. Discordo, pois a ascensão das bancadas ligadas às igrejas da teologia da prosperidade, do agronegócio, da bancada da bala, só comprovam o fato da guinada à direita do eleitorado.

Além disso, o teor dos discursos dos simpatizantes do PSDB é profundamente marcado pelo ódio e ressentimento. Em São Paulo é comum você ser ofendido ou mesmo agredido por assumir que vota no PT.

Pessoalmente sinto na pele, nos ambientes que frequento constato a quantidade de pessoas simpatizantes do PSDB fazendo ofensas gratuitas e ameaças aos petistas. Fico preocupado ao ver tanto ódio. É como se a direita deixasse de se sentir constrangida de assumir suas posições racistas, homofóbicas e preconceituosas.

Não tenho a menor dúvida que o Congresso Nacional está muito mais conservador, e o eleitor, principalmente paulista, também. Nas últimas eleições podemos constatar o nível rasteiro dos discursos da direita. Ver como Serra, Alckmin e Aécio Neves utilizam-se de discursos intolerantes é a prova de como a direita pensa.

Andre B

- 2014-10-24 18:16:38

uma piada

Sem querer ser ofensivo, mas utilizando as palavras do próprio autor, esse texto parece uma piada. Vindo de um autodenominado marxista, falta muita dialética e análise de construção de hegemonia na sociedade civil em lugar de números eleitorais e palavras de ordem.O ponto principal é de que o Nenhuma das Opções não é conservador - com a ressalva do autor de que também não é uma guinada a esquerda. MAs quem vota em NDA e porque? Eu conheçopelo menos quatros grupos: pessoas que não estão 'nem aí' para a politica; pessoas que não votam porque são contra a democracia e querem a ditadura militar; pessoas de esquerda sim, que não se identificam as opções, mas que não são por princípio contra democracia burguesa; grupos stalinistas e maoistas com o pessoal da tal 'nova democracia' que prega abertamente o não voto. Vendo esses grupos, o primeiro não é conservador por princípio, mas pode ser por omissão; o terceiro não é conservador; já os outros dois - inclusive os stalinistas - são sim, conservadores. Então o autor precisaria analisar mais do que números; análise puramente estatística não é uma análise politica marxista, pelo menos não como eu a entendo.

Para finalizar: concordo que a insatisfação com o governo do PT por si só não signfica uma virada conservadora. Mas um pouco de análise de conjuntura politica não faz mal a esquerda nesse momento: a esquerda está fragilizada, desorganizada, com baíxissima penetração nas massas e enfrenta hoje o avanço da direita e da ultradireita nos aparelhos hegemonicos da sociedade civil - Igreja, imprensa, universidades. É no campo da construção de hegemonia na sociedade civil que se pode primeiramente identificar a existencia de uma onda conservadora ou não. Um marxista supostamente deve achar que politica se faz de baixo para cima, na sociedade civil em primeiro lugar. E aí eu acho sim, que há uma onda conservadora, muito maior até do que está expresso eleitoralmente.

 

Flics

- 2014-10-24 18:09:06

A estatística é burguesa?

"... o NDA (brancos, nulos e abstenções), que o sistema eleitoral burguês desconsidera..."

Então o NDA é revolucionário?

Haja paciência!

Bernardo F Costa

- 2014-10-24 17:52:57

O erro desse artigo é que ele

O erro desse artigo é que ele se baseia apenas em votação para presidente. Ignora os resultados para deputado por exemplo.

Anarquista Lúcida

- 2014-10-24 17:47:00

Produto de ultra-esquerda sonhática

Haja paciência para com esses caras. Trotskismo em 2014 só mesmo como resultado de lavagem cerebral. 

Caetano.

- 2014-10-24 17:35:24

Marxismo? Eleições burguesas?

Marxismo? Eleições burguesas? Luta de classes? O autor do texto pode voltar para o século XIX e trocar idéias com seus contemporâneos.

Que disparate, todo o texto montado sobre estatísticas que somam ausentes com votos nulos e brancos!!!

Leo V

- 2014-10-24 17:17:22

Bolsonaros e Felicianos

Bolsonaros e Felicianos tiveram super exposição midiática, inclusive com ajuda da esquerda. É o que explica também a grande votação do Jean Wyllys.

Ora, o autor não diz que não foram eleitos conservadores. A questão á analisar todos os votos e não só os válidos.

O PT perdeu votos, mas esses votos não foram pra direita, foram princippalmente para o NDA.

alfredo machado

- 2014-10-24 16:37:10

Viajante

Caio Dezorzi,

Você não pode estar falando sério.

JBolsonaro e MFeliciano são deputados federais mais votados em SP, Alvaro Dias massacra no Paraná, diversos filhos de políticos, muitos deles inteiramente descohecidos, se elegem para governador e deputado federal, o estad de espírito da política paulista, à direita da direita, realmente, não existe "conservadora" no patropi, mas forças conservadoras pavorosas dominando isto aqui completamente, até balançar cadeira de rodas já passou a existir como fato concreto. 

Donadio

- 2014-10-24 16:31:16

Tudo isso parte do

Tudo isso parte do pressuposto de que o eleitor que anula o voto/vota em branco/não comparece é um eleitor que conscientemente resolve dizer "não" a tudo isso que aí está.

E isso não é verdade. Abstenções, votos brancos e votos nulos não são um fenômeno unificado; há eleitores que se abstêm, ou anulam o voto, ou votam em branco, pelos mais disparatados motivos, podendo ir da raiva à apatia, e daí ao simples erro na hora de apertar as teclas. Não há nada que os unifique. Pode ser que uma pequena minoria deles anule o voto por que tenha decidido, conscientemente, que votar não leva a nada, e que é preciso uma revolução socialista para resolver os problemas. Não é nada impossível que outra pequena minoria tenha decidido não votar por que não há nenhum candidato que se oponha de forma clara à inclusão social, aos direitos dos homossexuais, e à diminuição dos poderes dos maridos sobre as mulheres. Não há como quantificar isso, pelo menos não através dos resultados das eleições.

Não adianta tentar nos consolar com o "grande" crescimento proporcional de Luciana Genro em relação a Plínio Sampaio também. Heloísa Helena, em 2006, obteve mais de 6% dos votos. Os 4 ou 5 % que foram perdidos de 2006 para cá não se materializaram em nenhum partido de esquerda, nem no PT nem muito menos no PSTU, PCB ou PCO. Foram parar, quase com certeza, na candidatura de Marina Silva. Ou seja, moveram-se, de forma mais ou menos clara, para a direita.

Enfim, o que fica claro dos números, é que se o PT perdeu votos para "NDA", a direita não perdeu votos aí. E, se sairmos do escopo limitado das eleições, o que vemos é passeatas contra o aborto, manifestações de rua em que o ódio aos partidos em geral e aos partidos de esquerda em especial é evidente, uma desmobilização acentuada das lutas pela reforma agrária, um esvaziamento - tanto em termos de conteúdo quanto de pessoas - dos movimentos e manifestações populares, etc.

Pode não ser o fim do mundo, e não é. Mas não é nenhum prenúncio de um futuro mais avançado. E ficar tentando contar com os votos de quem negou voto a todo mundo, como se esses tivessem rejeitado apenas o PSDB, e não todos os partidos, do PCO ao PRTB (que aliás ganhou 400.000 votos a mais em 2014, com base em dois ou três minutos de discurso abertamente homofóbico e reacionário num debate), é tomar fantasia por realidade, optar por não enxergar o que está visível e por ver o que não existe. É um atalho para a derrota.

rundfunk hörer

- 2014-10-24 16:29:23

No NDA tem de tudo

Inclusive diretista ultra-super-mega-master-buster que acha o Bolsonaro um bundão. Devagar com o andor.

joao

- 2014-10-24 16:25:08

argumento valido
Preciso ler mais e com calma. . Agora falar dos governadores candidatos do PT e dar como exemplo o RJ, foi bola fora nunca teve concorrente no estado e 10% nesta eleicao foi a primeira e saiu do ZERO. . Tambem penso que os jovens querem mudancas, nao neste sentido que vc colocou e acredito que o PT deixou de ganhar com o junho/13 por medo. A entrada da policia, da midia e da pokitica federal esvaziou o movimento. eh preciso rever o artigo. Preciso tambem referencia sobre o autor.

Oswaldo Paiva

- 2014-10-24 16:03:43

Lembra muito um artigo que

Lembra muito um artigo que tem circulado por aí:

https://vianadiego.wordpress.com/2014/10/16/dialetica-do-triunfo-conservador/

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador