Significado e significância OU É somente má educação? OU Peleumonia?

por Rogério de Moraes

Quando ouvimos “queijo”, virá à nossa mente uma peça cilíndrica romba de cor esbranquiçada, com diâmetro maior que a altura. É a experiência direta com o objeto físico. Poderá chamar-se cheese (para os povos de língua inglesa) ou queso (para os povos de língua espanhola). Não importa: com a apresentação da palavra, todos se remeterão à imagem do objeto descrito.

Mais ainda: a expansão deste conceito, propiciada pela experiência com o mundo, fará com que se reconheça o “queijo” como uma peça que pode ter também o formato de uma cunha, com coloração que poderá variar do branco ao marrom, assumindo ainda cores inusitadas como o verde ou o negro. Ele poderá estar pintado de vermelho, apresentar-se ralado ou aos pedaços e ainda assim será reconhecido como “queijo”.

Quando, no entanto, esta experiência com o mundo se aprofunda e se complexa, ao significado “queijo” se somam conceitos e vivências relacionadas com o sabor, cheiro, processos variados de fabricação e manuseio, variedades, lembranças de infância, piadas, preços, gôndolas de supermercados, carroceiros vendendo-os, a mãe aprontando o café da manhã…

À ideia do objeto físico, portanto, se associam significâncias várias, as quais superam o simples significado da palavra “queijo”.

A capacidade humana de recolher informações da natureza, apreender e definir seus significados e atribuir-lhes significância, organizar mentalmente estes dados de forma adequada e expressar como linguagem a síntese mental desta observação é a culminância da herança humana. A isto se atribui nosso sucesso como espécie.

Você sai para o trabalho, observa o céu e vê as nuvens adensadas e escuras, o modo como a temperatura caiu, o vento balançando as árvores, sente o aumento da umidade do ar e expressa com clareza: – Vai haver uma tempestade!

O linguista Joaquim Matoso Câmara Júnior ensina que

cria-se na linguagem um “mundo” ou “cosmos”, embora não necessariamente coincidente com a intepretação racional ou lógica. Os homens passam a compreender o espaço vital de certa maneira, e, partindo da compreensão comum, concretizada na língua, podem-no fazer assunto de comunicação entre si”.

Segundo este mesmo autor, a exteriorização de estados psíquicos, no entanto, pode ser observada nos animais. O modo como o cão late revela com clareza a alegria, a raiva, a dor física ou o desespero e na língua portuguesa existem verbos específicos que caracterizam estes estados: latir, ladrar, ganir ou uivar.

Isto, por si só, não seria o suficiente para caracterizar a expressão animal como linguagem pois

o grito doloroso do cão, por exemplo, não se equipara a uma nossa frase exclamativa – ai que dor! Nesta, a exteriorização psíquica se processa na base de duas representações mentais, aí articuladas: o conceito da “dor” ou sensação dolorosa, tratado convencionalmente até como um ser, e o conceito da “intensidade” das nossas sensações, formulada no elemento “que”.

É deste modo que, mesmo quando emitimos, semelhante aos sons inarticulados dos animais, gritos como manifestação de raiva, dor ou desespero, estamos utilizando uma forma “superior” de comunicação em relação a eles, pois estes sons

apresentam uma significação mais ou menos permanente e são passiveis de se dividirem em elementos sônicos definidos: são as ONOMATOPEIAS e INTERJEIÇÕES, que assim constituem um setor de transição para a linguagem representativa elaborada.”

OoOoOoOoOoOoOoO

Quando ainda estudava em …………….., lembro-me de ter sido abordado na rua por uma vizinha com seu filho pequeno ao colo, o qual estava resfriado, e apresentava-me a seguinte preocupação:

– Ele está com um caroço no pescoço, em cima da veia artéria! Será que não é perigoso?

Esta foi a primeira, mas não a última vez, que ouvi frase parecida. Minha primeira reação teria sido a de rir, pois imaginei-me falando-a para um de meus professores e a consequente espinafração que receberia. No entanto, educadamente contive-me e entabulei uma conversação que a acalmasse.

De fato, veia e artéria são conceitos estanques entre si. Possuem significação permanente distintas sob o ponto de vista estrutural e funcional.

Porém, este tropeço no modo de codificação de nossa comunicação não foi suficiente para impedir que eu a compreendesse.

Caroço = gânglio linfático infartado

Veia artéria = Veia Jugular

Na verdade a criança apresentava uma inflamação das vias aéreas superiores (IVAS), causada por uma virose, com a consequente inflamação do sistema linfático adjacente. PONTO!

Do mesmo modo que ela disse “caroço” e “veia artéria”, poderia ter dito em grego, inglês ou russo. O significado seria o mesmo pois, assim que ela me indicou, compreendi exatamente o que queria dizer.

A significância envolvendo estas coisas, porém, eram completamente distintas, ainda que pudessem ter alguns pontos de congruência. Os conhecimentos sobre dados de saúde pública, sobre os possíveis agentes causais, a fisiopatogenia, fisiopatologia, sinais e sintomas clínicos, exames subsidiários, evolução, complicações e tratamento foram obtidos e elaborados por processos diferentes.

OoOoOoOoOoOoOoO

Mas, pensando bem, não é assim que se estabelecem TODAS as relações onde um leigo procura a orientação de um profissional, qualquer que seja ele? O primeiro tenta apresentar seu problema utilizando de significados permanentes do modo o mais preciso possível, dentro de seu mundo e realidade, e o segundo reinterpreta estes significados e lhes atribui as significâncias que lhe são afins. Então o profissional dará seu conselho. Se o consulente não entendeu, tenta-se novamente e de novo, até que a comunicação seja eficiente.

Em um caso extremo, mesmo que um paciente grite, vocifere, urre e xingue, não estará ele também exteriorizando seu estado mental com clareza, ainda que de modo pouco elaborado?

Por que então rir ou debochar?

Simples: se um colega utilizar-se de significados não formais na frente de um professor que vai esculachá-lo por conta disto, você, um observador, vai solidarizar-se com quem?

Dependendo da resposta, podemos prever se você é um bom profissional ou não.

Qualquer outra consideração fica ou pra um outro momento ou pra você que teve a paciência de ler até aqui!

Abraços generalizados!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Texto magistral! Li de uma

    Texto magistral! Li de uma assentada, como que fisgado pela argumentação, mas mais ainda pelo humanismo implícito!parabéns ao autor!

  2. A prinicpal postura de um

    A prinicpal postura de um profissional na semiologia médica é primeiramente, #ForaTemer, e a empatia.

  3. Pessoas letradas e supostamente bem formadas


    invariavelmente se atrapalham com as palavras. É típico do ser humano. Bobagem nossa, ser humano, usar contra o semelhante.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome