Violência e a expressão de intolerância ao que te é diferente

Por Matê da Luz

Como sagitariana conversadeira metida à psicóloga que sou, acabo exercitando o olhar por diferentes pontos de vista e, mística, considero que pode haver fatores ocultos por trás de alguns enredos. É uma prática que promove, além do treino da empatia, menos desgate tanto pra mim quando pras pessoas com quem me relaciono. É claro que não é algo erradicado da vida, isso de ficar brava/crítica/chateada/briguenta quanto ao posicionamento diferente do meu (ou da minha expectativa). Sou humana, afinal, em fase de ajustes. 

Acontece que a intolerância que vem tomando conta de diferentes tópicos tão primitivos, como questões que envolvem as temáticas mulherXhomem, religiosidades, cor, gênero, política… Bem, esta intolerância sinaliza não somente uma regressão acerca da abordagem destes temas, mas também – e que triste! – a infeliz manifestação da violência física, recurso infantil, arcaico e que pressupõe falta de controle e poder de argumentação. Ou seja, estamos próximos do fim da picada. 

Historicamente, hei de concordar, barbáries como estas – populações em fúria, guerras religiosas, separações de gênero/cor/credo, enfim – fazem parte do contexto do mundo e, sem dúvida, promovem a evolução da espécie. E, na contra-mão a estas bizarrices todas, há uma enorme parcela da população praticando o olhar amoroso, tolerante, de inclusão e batalhando por tudo isso de forma incisiva, eficaz. 

Este é, talvez, o único dado que me acalma. Lembro do meu pai, quando sabia o que se passava comigo de forma estrutural e conjuntural, e dizia que quando a gente enxerga a crise é porque ela está no fim. Tomara, pai, tomara. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Quando a gente enxerga a

    Quando a gente enxerga a crise é pq ela está no fim..,,,muito sábia essa frase do seu pai.,…participo do whatsapp da familia  apenas como inscrito, não comento mas as vezes dou uma olhadinha no que rola por lá e vi o desenho do menino asperger.,,alias nem sei pq descambei pra esse assunto,,,,retomo,,fecha parentesis,,..prova que o que o SPIN vinha notando: que a doença para ser eradicada precisa vir à tona.,…assim como a contradição que se elimina com a contradição ou seja, com a manifestação dela..,,o mesmo fale para a crise, precisamos verbaluza la.,…onde está escrito fale leia-se vale,.,,vale ou fale, tanto faz

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome