Revista GGN

Assine

fraude

Xadrez do fator urna eletrônica nas próximas eleições, por Luis Nassif

Peça 1 – como fraudar a urna eletrônica

A decisão da Procuradora Geral da República Raquel Dodge de se colocar contra o voto impresso nas próximas eleições merecia ser melhor avaliada por ela.

Segundo Dodge, seria o caminho mais rápido para a volta do voto de cabresto, já que voltaria a identificação do eleitor.

Não é verdade. O voto impresso não é para ser escrutinado, mas para garantir a recontagem nos casos de dúvidas e de indícios de fraude. Bastará o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) garantir o sigilo dos votos e eles permitirem a recontagem apenas em casos de dúvida ou por amostragem.

A versão de que o sistema brasileiro é tão seguro que está sendo adquirido, sem alterações por outros países, não procede. Em vários desses países constatou-se a vulnerabilidade do sistema e adotou-se a dupla checagem com os votos impressos.

Leia mais »

Média: 5 (30 votos)

Eleição sem Lula é fraude?, por Luís Felipe Miguel

Eleição sem Lula é fraude?

por Luís Felipe Miguel

(1) Não há nenhuma prova capaz de incriminar o ex-presidente. Toda a acusação é baseada em ilações e em delações interessadas (envolver o nome de Lula era condição necessária para que o delator obtivesse benefícios). Por outro lado, o julgamento despreza as evidências materiais da defesa, que já foram capazes de provar, por exemplo, que ele nunca foi proprietário do bendito triplex.

(2) Não se trata simplesmente de um erro judicial comum, provocado pela incompetência e obtusidade dos magistrados. A condenação de Lula é a culminância de uma devassa em sua vida, levada a cabo durante anos, em busca de qualquer coisa que pudesse servir para incriminá-lo. O aparato policial-judicial foi mobilizado com esse intuito, antes de que existisse qualquer indício que o justificasse, em gritante desrespeito ao império da lei.

Leia mais »

Média: 3.6 (14 votos)

Fraudes no Bolsa Família favorecem principalmente servidores públicos, diz governo

Foto: Jefferson Rudy/ Agência Senado 
 
Jornal GGN - A Controladoria-Geral da União fez um auditoria em 2,5 milhões de famílias com cadastros suspeitos e identificou que menos de 14% desse total fraudaram o programa Bolsa Família, criado pelo governo Lula, em 2003. Ao todo, foram pagos indevidamente R$ 1,3 bilhão a quem não tinha direito.
 
O jornal O Globo noticiou, nesta quinta (4), que 345,9 mil famílias foram identificadas como não merecedoras do benefício. A maior parte dos recursos desviados foram parar nas contas de servidores públicos e famílias com carro importado e casa própria, algumas com renda per capita superior a 1,9 mil, quando o programa exige o mínimo de R$ 170 por pessoa.
Média: 4 (1 voto)

Marin é condenado por 6 crimes de lavagem, fraude e organização criminosa nos EUA

Foto: Vanessa Carvalho/O Globo
 
 
Jornal GGN - Presidente da CBF entre 2012 e 2015, José Maria Marin foi condenado nos Estados Unidos por seis crimes que envolvem torneios de Copa do Mundo, Libertadores e Copa América, sendo dois de lavagem de dinheiro, um por organização criminosa e três por fraude. Ele foi inocentado apenas da acusação de lavagem de dinheiro na Copa do Brasil.
 
Segundo informações do jornal O Globo desta sexta (22), a penas de Marin ainda será definida pela juíza Pamela Chen, do Tribunal Federal do Brooklyn, em Nova York. Não há prazo para publicação da sentença.
 
Enquanto isso, Marin seguirá em prisão domiciliar em seu apartamento em Manhattan, onde está há dois anos. Ele deve recorrer da decisão de primeira instância.
Média: 5 (2 votos)

"É a prova de vingança sem limites", diz Tacla Duran sobre 2ª denúncia da Lava Jato

 
Jornal GGN - O advogado Rodrigo Tacla Duran afirma que a segunda denúncia contra si feita pela Lava Jato de Curitiba é uma retaliação, uma "prova cabal de vingança sem limites" por parte da força-tarefa, que está sob suspeita desde que ele revelou indícios de fraudes e cobrança de propina em acordos de delação.
 
Duran já era réu por lavagem de dinheiro por determinação de Sergio Moro. Duran denunciou que um amigo pessoa do juiz, Carlos Zucolotto, cobrou propina para "melhorar" uma proposta de delação que vinha sendo negociada com os procuradores de Curitiba. 
 
No último dia 15, Duran revelou que os procuradores deveriam ter ido à Espanha colher seu depoimento, em início de dezembro, mas desistiram. Dias antes, à CPMI da JBS, Duran havia reafirmado que os sistemas controlados pela Odebrecht foram manipulados pela Lava Jato e perícias indicam que os documentos apresentados para corroborar as delações são uma fraude.
 
Para Duran, a Lava Jato usa desvirtua a lei para usá-la como arma política. Ele disse que não vai se posicionar sobre a segunda denúncia porque seria "colaborar com esta manobra patrocinada por quem se considera acima da lei". Ele lembrou que Moro deveria remeter seu processo para a Espanha, onde ele tem direito a ser processado por um "juízo neutro e isento".
Média: 4.5 (15 votos)

Jornal Nacional censurou caso Tacla Duran em reportagem sobre Lula, diz defesa

 
Jornal GGN - A defesa de Lula lançou uma nota pública nas redes sociais, na noite de quinta (7), denunciando que o Jornal Nacional, da Rede Globo, censurou parte de uma resposta enviada à emissora que citava o caso Tacla Duran.
 
O jornal decidiu produzir uma reportagem sobre o juiz Sergio Moro ter liberado uma parte dos bens bloqueados de Lula. O magistrado aceitou devolver cerca de R$ 63 mil vinculados à aposentadoria, mas disse que ainda quer que Lula prove a origem lícita dos R$ 10 milhões relativos à Previdência. 
Média: 4.7 (12 votos)

Delação detona Sistema S, por Esmael Morais

do Blog do Esmael

Delação detona Sistema S

por Esmael Morais

Nas vésperas de entrar em vigor a reforma trabalhista, o Sistema S sofre dois reveses: 1- a queda de Willian Waack, da Globo e 2- a delação de Renato Pereira na lava jato.

De acordo com delação homologada pelo Supremo, Renato Pereira, dono da agência de publicidade Prole, disse que ganhou a conta do Sistema S porque Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias de São Paulo, fraudou a licitação em 2015.

Leia mais »
Média: 4.7 (10 votos)

Operação desarticula uso de atestado falso para obter a aposentadoria militar

Foto: Agência RBS
 
 
Jornal GGN - A Polícia Federal, a Polícia Judiciária Militar, o Ministério Público Militar e a Advocacia-Geral da União deflagraram, nesta segunda (21), uma operação chamada Reformados, com o objetivo de combater um esquema de fraudes de obtenção de atestado médico e licença falsos que beneficiava militares, principalmente temporários, que usavam esses documentos para mover ações em busca de aposentadoria (reforma).
 
"Durante as investigações, diligências flagraram pessoas com diagnósticos incapacitantes para a vida militar, por problemas físicos ou psíquicos, em uma rotina normal de vida, inclusive com ocupações remuneradas, confirmando a fraude na obtenção das decisões judiciais por licença médica ou reforma militar", publicou o Estadão.
 
A PF afirmou em nota que a fraude consistia na apresentação dos atestados falsos, com indicação de doenças e outros artifícios, para enganar a Administração Militar, a Leia mais »
Média: 5 (3 votos)

Gestão Doria tem suspeita de fraude em licitação dos semáforos

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN - A gestão Doria, em São Paulo, pode virar motivo de escândalo de corrupção se as suspeitas levantadas por edição da Folha de S. Paulo desta quarta (16) forem confirmadas. O jornal fala em fraude na licitação para contratar as empresas que fazem manutenção nos semáforos da capital.
 
Segundo a reportagem, a licitação se arrastou desde maio e precisou ser paralisada pelo Tribunal de Contas porque as diretrizes não estavam adequadas. Quando, enfim, foi concluída, já em julho, as empresas vitoriosas foram uma a uma descredenciadas por motivos questionáveis.
 
No final, a CET deu vitória a empresas que lideravam os consórcios que já vinham fazendo a manutenção dos semáforos para Doria e que tiveram o contrato anterior encerrado no final de 2016.
Média: 5 (5 votos)

Mais uma forma de interferir no sorteio de processos, por Leandro Arndt

Foto Faculdade de Segurança

Mais uma forma de interferir no sorteio de processos

por Leandro Arndt

Comentário ao post "Xadrez dos sorteios do Supremo Tribunal, por Luis Nassif"

Existe outra maneira, mais difícil de investigar e mais fácil de programar: se o sistema de processos usar webservices, basta alguém ter uma chave reconhecida pelo sistema de processo eletrônico para simular o sistema oficial e definir o relator que quiser. 

Leia mais »
Média: 5 (6 votos)

O que Palocci tem a dizer sobre a Globo na delação premiada?

Jornal GGN - Há alguns dias, a revista Veja divulgou uma nota informando que a delação premiada de Antonio Palocci tem um "anexo que entra e sai" exclusivamente dedicado à Rede Globo. O que o ex-ministro da Fazenda tem a dizer sobre o império erguido pela família Marinho, que esteve bem perto de quebrar no início dos anos 2000?

Diante de Sergio Moro, em abril passado, Palocci deu uma dica: poderia colaborar com a Lava Jato entregando negociações que ocorreram nos bastidores de Brasília para "salvar" empresas de comunicação que, sem a ajuda do governo, corriam sério risco de quebrar. 

Leia mais »

Média: 4.2 (10 votos)

Justiça aceita denúncia contra cartel dos trens de São Paulo

Jornal GGN -  A Justiça de São Paulo aceitou, na quinta-feira (29), a denúncia do promotor de Justiça Marcelo Mendroni, do Grupo Especial de Delitos Econômicos (Gedec), contra a suspeita de formação de cartel na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). A cúpula da empresa estadual havia sido denunciado no último dia 12.

Leia mais »

Média: 4.6 (10 votos)

Defesa de Temer chama gravação de fraude e pede para não responder sobre ela

Jornal GGN - A defesa de Michel Temer (PMDB), encabeçada pelos advogados Antônio Cláudio Mariz de Oliveira [foto] e Sérgio Eduardo Mendonça de Alvarenga, recorreu ao Supremo Tribunal Federal para que o presidente não seja obrigado a responder perguntas sobre a gravação feita por Joesley Batista, da JBS, na qual o peemedebista aparece discutindo suposto pagamento de propina a Eduardo Cunha e ações de obstrução de Justiça.

Na visão da defesa de Temer, é preciso que a perícia do áudio seja concluída para que o presidente possa se manifestar sobre o material "fraudado".

"É de fácil percepção a absoluta impossibilidade de o Presidente da República fornecer respostas enquanto não finalizada a perícia deferida como prioridade por Vossa Excelência. Especialmente, impossíveis de ser respondidos seriam eventuais quesitos que digam respeito a uma gravação que, de antemão, já se sabe fraudada!", afirmam os advogados Antônio Cláudio Mariz de Oliveira e Sérgio Eduardo Mendonça de Alvarenga.

Leia mais »

Média: 3 (2 votos)

Fraudes em contratos da UFPR geram prisão de 29 investigados

 
Jornal GGN - A Polícia Federal cumpriu, ao todo, 29 mandados de prisões temporárias nesta quarta-feira (15) pela Operação Research, que apura a prática de desvio de recursos públicos destinados à Universidade Federal do Paraná (UFPR), que teria movimentado milhões de reais.
 
De acordo com os investigadores, o esquema de repasses irregulares ocorreu nos programas de Auxílio a Pesquisadores, Bolsas de Estudos no País e Bolsas de Estudos no Exterior. "O objetivo é apurar o repasse irregular de recursos mediante pagamentos sistemáticos, fraudulentos e milionários de bolsas a inúmeras pessoas sem vínculos com a instituição no período entre 2013 e 2016", disse a PF, em nota.
 
O grupo integrado com a Procuradoria da República, o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Controladoria Geral da União (CGU) identificou, por exemplo, uma remessa de R$ 318.550 a um cozinheiro de pizzaria e outra de R$ 515.450 a um motorista de furgão. Ambos não tinham nenhum vínculo com a UFPR.
Média: 4 (4 votos)

Agora, pirâmides financeiras se chamam de “sistema de doação espontânea”

Jornal GGN - Para dar um ar de legalidade ao esquema, as pirâmides financeiras agora usam o nome de “sistema de doação espontânea".

Advogados explicam que as pirâmides são definidas por esquemas onde o retorno para os investidores não vem dos investimentos, e sim da entrada de novos participantes. Para o Ministério Público, há uma dificuldade de identificar os esquemas porque eles usam a aparência de um investimento idôneo.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)