Como desenvolver uma cidade inteligente: o caso Santa Rita do Sapucaí

Fórum Brasilianas: associação entre educação, pesquisa, empresas e governo transformam cidade mineira em referência nacional 
 
Foto: Divulgação/Brasilianas
 
Jornal GGN – Associação entre educação e pesquisa, aplicação prática de conhecimentos e projetos, e o empreendedorismo social, essa é a receita que deu certo em Santa Rita do Sapucaí, o  Vale da Eletrônica mineiro destaque na produção de tecnologia no país.
 
“Somos fortes em pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I), com a transferência do conhecimento para o mercado”, explica o professor Marcelo de Oliveira Marques, diretor do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel). Com um PIB per capita de mais de R$ 34 mil por habitantes, ao ano, enquanto a média brasileira gira em torno de R$ 28 mil, o município com apenas 40 mil habitantes abriga hoje três instituições de ensino, incluindo o Inatel, e 153 empresas de setores que vão de informática à telecomunicações.
 
Oliveira Marques participou do fórum Brasilianas “Polos tecnológicos em Minas Gerais”, realizado na última terça-feira (06), em Santa Rita do Sapucaí, realizado em parceria com a Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais S.A.) e o apoio do Inatel. 
 
“Colocamos o conhecimento intramuros, de dentro da Universidade e o disponibilizamos para a sociedade com pesquisas aplicadas, desenvolvimento de novas tecnologias e testes de produtos em laboratórios,  com a criação de todo um ecossistema de inovação dessa  própria sociedade e do mercado, com o que chamamos de alfabetização tecnológica para o desenvolvimento pessoal, profissional e tecnológico”, completou o professor Oliveira Marques durante sua participação no segundo painel do evento, sobre o caso de Santa Rita do Sapucaí na formação de um ecossistema de inovação, ciência e tecnologia.
 
Hélice tríplice
 
A cidade toda respira a proposta de conhecimento aplicado, alguns exemplos são o Programa Casa Viva, reaproveitamento do lixo eletrônico, incubadoras de empresa e crowding de projetos. O Inatel conta com cerca de 2 mil estudantes entre os 40 mil habitantes. No conjunto de estudantes, são 230 técnicos administrativos, 420 alunos dos 1400 da graduação envolvidos em atividades relacionadas a ensino, pesquisa e inovação, cerca de 300 trabalhando em projetos dentro de empresas e incubadoras, 480 em especialização, 93 em mestrado formando uma espécie de tríplice hélice: academia, empresa e governo, apoiador de vários projetos.
 
A cada ano, cerca de 200 empresas se relacionam com o Inatel, seja com pesquisa, testes de produtos e oferta de vagas de trabalho. Sem falsa modéstia, “Somos muito bons naquilo que fazemos”, repete o entusiasmado diretor do Inatel ao impregnar os que têm a oportunidade e o privilégio de ouvi-lo falar daquilo que tanto ama: o importante é formar novas cabeças e novas mentes a partir do clima de inovação nas áreas de pesquisa e desenvolvimento dessa cidade que tão bem o acolheu.
 
A partir de 2019, o Inatel passará a oferecer curso de doutorado em telecomunicações, além dos tradicionais cursos de graduação e pós-graduação (MBA e mestrado). 
 
O Inatel foi criado em 1965, com o primeiro curso de engenharia de telecomunicações, e por alguém que “foi à luta e não deixou que o sonho morresse”: o empreendedor José Nogueira Leite, que tentou outras cidades, mas foi acolhido pela comunidade de Santa Rita do Sapucaí.
 
Desde então, o Instituto cresceu e se consolidou como centro de excelência, baseado em três pilares: empreendedorismo: estimulando a vocação empreendedora; inovação, com o primeiro curso do Brasil de telecomunicações, criando uma nova profissão para atender a uma demanda que começava a surgir na sociedade e no mercado; e, finalmente, o senso comunitário de uma cidade, que contava cinco anos antes do surgimento do Inatel, com uma Escola Técnica de Eletrônica, e a visão de que o empreendedorismo deve buscar o bem social.
 
Abertura do fórum
 
O evento contou com a participação do coordenador do Jornal GGN e do Projeto Brasilianas, Luis Nassif e do superintendente de Comunicação Empresarial da Cemig, Etevaldo Lucas Queiroz, na abertura. 
 
“Ao superar desafios, a Cemig nunca deixou de investir em tecnologia, e orgulha-se de estar junto com o Inatel, instituição de ensino superior precursora no empreendedorismo e na relação educação-mercado, com o Projeto Brasilianas que coincide com as comemorações da Semana do Empreendedor”, disse Etevaldo. 
 
Para Luis Nassif, voltar a Santa Rita do Sapucaí, onde morou durante a adolescência, foi um momento de relembrar o quanto a cidade foi importante na sua trajetória de vida. Bons amigos e saudosos professores, embora tenha trocado o estudo das telecomunicações pelo jornalismo, hoje alinhados no mesmo universo digital, no qual a informação gravita.
 
O fórum Brasilianas “Polos Tecnológicos em Minas Gerais” foi realizado dentro das programações da Semana do Empreendedor, organizado pelo Inatel
 
 
 
 
 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome