o material de defesa russo – 1

   Notei já há algum tempo, nos participes do blog, e em algumas noticias da grande midia, e em até alguns artigos veiculados por pequenos jornais partidários e/ou blogs “engajados” (de ambos os sentidos do chamado “espectro ideológico”), que faz-se necessário algumas considerações relevantes sobre a nova industria de defesa russa, ainda mais agora quando nosso governo propõe a aquisição de equipamentos desta origem, certamente a quitanda de abobrinhas será aberta, e o besteirol tupiniquim tipico “anos 60/70”, se derramará pelas paginas.


    De chofre já informo que não sou um “apaixonado” pelos sistemas russos, ou mesmo pelos americanos ou europeus, particularmente prefiro os de origem israelense, talvez por melhor entende-los e conhece-los, mas não sou idiota em negar a expertise russa na area, e a comprovada eficiência de alguns de seus sistemas, conjunto de sistemas e/ou vetores especificos.


     Tambem primordial que se enterrem de uma vez por todas,uma parte que é “lenda”, advinda ainda da época da finada (há 20 anos) União Soviética, a de que os russos somente fornecem sistemas “degradados” a seus compradores, e que não permitem modificações ou atualizações externas em seus equipamentos. Tal afirmação foi verdade na época soviética, e em alguns casos, até há alguns anos atrás, mas hj. é um tremendo papo-furado, o por que, explico mais tarde – mas a dica é: Mercado + Globalização + Custo = Sobrevivência industrial.


      O caminho da evolução trilhado desde o Complexo Industrial Militar (modelo soviético), finado em 1992, até a consolidação da Mega-Holding Russian Technologies State Corporation (17 holdings conjugadas, com mais de 600 unidades, da pesquisa básica a industrialização e comercialização – Rosoboronexport), uma empresa capitalista, globalizada, demorou quase 18 anos – Alexander Fomim (que está no Brasil) e Sergei Chemezov, realizaram um grande trabalho ( nem coloco o Serdyukov, que caiu em desgraça este ano, Putin o deletou), que apesar de  falhas na comercialização, assistência técnica, logistica, manutenção e treinamento (ranços do sistema soviético), estes problemas estão sendo enfrentados, até que bem, lentos (burocraticos), mas já se assemelham em alguns casos (Rac-Mig, Sukhoy, KBP, Servmash,VSMPO,NIIP Thikomirov etc..) a empresas ocidentais.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome