PNBL amplia a conexão à RNP no interior do país

Em janeiro, as primeiras instituições de ensino e pesquisa do país vão usufruir do acordo entre a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e a Telebras. A parceria prevê a conexão à infraestrutura de internet avançada da RNP (rede acadêmica planejada e operada pela RNP) à medida que a rede da empresa se expande pelo país através do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL).

No início de dezembro, a Telebras divulgou que sua rede chegou a mais de 600 municípios do Brasil, o que lhe permitirá oferecer banda larga no atacado a operadoras de telecomunicações locais, que por sua vez oferecerão internet a preços populares aos usuários.

Aproveitando a capilarização da rede da estatal, a RNP – que tem metas audaciosas de conexão de instituições de ensino e pesquisa do interior do país até 2014 – poderá estender sua infraestrutura de serviços avançados para educação e pesquisa às instituições estabelecidas naquelas localidades por onde passará a rede da Telebras.

No momento, a empresa está finalizando a sua infraestrutura em diversas localidades no Estado de Goiás, o que viabilizará a conexão das seguintes instituições à rede Ipê (rede acadêmica operada pela RNP): Instituto Federal Goiano (IFGO) – campi de Morrinhos e Rio Verde; Instituto Federal de Goiás (IFG) – campi de Anápolis, Aparecida de Goiânia e Luziânia; Universidade Federal de Goiás (UFG) – campus Aparecida de Goiânia; além da unidade de Abadia de Goiás da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).

As localidades onde a Telebrás iniciou seu atendimento no Estado foram identificadas pela RNP, envolvendo os gestores de universidades e institutos. Nessas localidades, os campi funcionam como âncoras do PNBL, uma vez que além de permitir à Telebrás antecipar melhores ofertas de serviços aos usuários finais, qualifica a expansão e interiorização do ensino e da pesquisa no país. O mapa de interiorização da RNP que poderá ser alcançado em conjunto com a Telebras contempla mais de 200 municípios brasileiros – todos com campi de universidades, institutos federais e outros centros de pesquisa.

A parceria da RNP com a Telebras estabelece o compartilhamento de infraestrutura para capilarização das duas redes pelo interior do Brasil. As conexões, via radioenlace e cabos de fibra óptica, permitirão às instituições uma troca de tráfego da ordem de 100 Mb/s a 1 Gb/s, capacidade suficiente para o desenvolvimento de pesquisa colaborativa e da educação a distância que envolva interatividade e a transferência de grande volume de dados, como, por exemplo, a Rede Universitária de Telemedicina (www.rute.rnp.br) e a Universidade Aberta do Brasil (www.uab.capes.gov.br).

Além da Telebras, a RNP vem desenvolvendo outras parcerias com empresas e instituições públicas de todas as esferas de governo, para estender a rede acadêmica brasileira em alta capacidade a centros de pesquisa e instituições de ensino superior do país localizados no interior – mais de 300 organizações já foram interligadas a partir de 1 Gb/s nas capitais.

Essa iniciativa da RNP, inserida na Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), foi chamada de Veredas Novas. Sua meta é conectar todas as instituições de ensino e pesquisa do país até 2014 em alta velocidade, sendo as sedes do interior a, no mínimo, 1 Gb/s, e os demais campi a partir de 100 Mb/s.

* Com informações da RNP

Fonte: http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=32698&sid=14

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora