A realidade numa bolha de sabão, por Fábio de Oliveira Ribeiro

A realidade numa bolha de sabão

por Fábio de Oliveira Ribeiro

Duas imagens chamaram minha atenção hoje.

Pela manhã vi um homem idoso esqualito recolhendo latas de refrigerantes e cervejas nos lixos das “pauperum domunculas” numa favela próxima a minha residência. Ele usava um boné estampado com a bandeira brasileira.

A tarde cruzei com uma menina de 3 ou 4 anos acompanhada da mãe. Tristonha, a menina vinha com a cabeça baixa por um motivo qualquer. Na camiseta branca dela a palavra SMILE estilizada em cores vivas.

Não posso imaginar ocupação mais útil, desvalorizada e mal remunerada do que a realizada por aquele pobre brasileiro que se orgulha de ser brasileiro. A mensagem carregada pela menina não foi capaz de convencer ninguém por causa da expressão triste que ela exibia.

Quando o mundo e a representação que dele foi feita se desencontram podemos finalmente encontrar um caminho para entender a realidade. Nada é o que parece.

O  nacionalismo parece ser brilhante e no entanto ele coloniza e mobiliza os corações e mentes daqueles que foram vitimados pela nação desde que nasceram pobres. A propaganda vende uma felicidade que raramente pode ser vivenciada por quem a consome.

A discrepância entre a realidade e sua aparência salta aos olhos agora que a Rede Globo afundou na corrupção e na infâmia. A empresa sempre se apresentou como um bastião da ética e da correção. Tudo o que  Rede Globo fazia era imbecilizar a população e mobilizar forças políticas contra os partidos e políticos que ousaram defender  investigação dos atos ilegais cometidos pelo clã Marinho.

Os barões da mídia enriquecem alimentando a pobreza dos nacionalistas que catam latas nas favelas. A alegria fácil produzida e distribuída por uma rede de TV não é capaz de alegrar as pessoas o tempo todo. A tristeza nos humaniza inclusive e principalmente quando o mercado nos vende uma camiseta para nos fazer sorrir.

O mundo de simulacros explodiu como se fosse uma bolha de sabão. Alguns vão rir, outros não.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome