Bolsonaro vai congelar salários de servidores públicos por 1 ano e meio

Equipe econômica de Bolsonaro afirmou que irá vetar o aumento do salário dos servidores públicos durante os próximos 18 meses, para compensar repasses a estados e municípios por crise

Jornal GGN – O presidente Jair Bolsonaro afirmou que irá vetar o aumento do salário dos servidores públicos durante 1 ano e meio. A afirmação do mandatário foi dada nesta quinta-feira (07), durante uma reunião com empresários, no qual esteve o ministro da Economia Paulo Guedes e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

Ao anunciar que irá barrar a possibilidade de reajuste do funcionalismo, Bolsonaro disse que estava atendendo a uma orientação de Guedes. “Nós devemos salvar economia, porque economia é vida”, disse, justificando.

“O parlamento entendeu que certas categorias poderiam ter reajustes. Eu sigo a cartilha de Paulo Guedes na economia, e não é de maneira cega. Se ele acha que deve ser vetado esse dispositivo, assim será feito”, foi a fala do mandatário.

O congelamento das remunerações dos servidores públicos foi uma condição imposta pela equipe econômica do governo de Bolsonaro para oferecer uma ajuda de R$ 60 bilhões aos estados e municípios para enfrentar a crise.

Estavam na reunião junto a Bolsonaro, ministros e o presidente do STF, os presidentes de associações de montadoras, indústria química, farmacêutica, construção, calçados e outras.

SERGIO MORO É A PAUTA DO NOVO PROJETO JORNALÍSTICO DO GGN.
SAIBA MAIS CLICANDO AQUI

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Governo usa pandemia para retomar reforma trabalhista

9 comentários

  1. Ele deveria antes parar de dar dinheiro pras igrejas que não produzem nada. Transformá-las em abrigos de desalojados. Tirar 25% do salário dos filhos que não fazem nada. E vender o armamento estocado com a milícia.

  2. Com certeza o prejuízo do governo será ainda maior devido a enxurrada de processos, greves, desgastes políticos e outros, pra não dizer que não se falou em flores. E o STF terá, finalmente, a sua decisiva chance de mostrar se realmente é um órgão independente, imparcial e apolítico ou se é um infiel e traidor da população trabalhadora e submisso as conveniências do capital e as de outros poderes da república.

  3. Hahaha
    É uma classe q apoiou, e apoia, o “mico” com toda força.
    Que provem do veneno que quiseram dar aos da iniciativa privada.
    Como disse um amigo meu da RF: é funcionário público pedindo a diminuição do Estado… Não faz sentido nenhum! E não adianta explicar tb!

  4. Os servidores públicos, exceto militares, estão sem aumento e não tem pretensões a respeito. A inflação está baixa. Qualquer campanha nesse sentido só revoltaria a população. Dependeria de lei de iniciativa do executivo. Ou seja, nas condições atuais é impossível.
    Então, por que a obsessão do Guedes com isso?
    Meu palpite é que ele sabe que, com o agravamento da crise mundial, haverá um derretimento do Real: maxidesvalorização e hiperinflação. Nesse contexto voltará, legitimamente, a busca por reajustes. Proibido o reajuste dos servidores, haverá “naturalmente” a tão desejada redução da folha.
    O derretimento trará outros “benefícios”: redução da dívida pública e do valor da mão-de-obra em dólar. Este último essencial para a geopolítica dos EUA, que pensa abrigar aqui “maquiladoras” que se encarregarão de produzir parte do que atualmente é produzido na China.
    Sinais: a gigantesca saída de recursos (dólar) para, mais tarde, voltar na xepa; o fornecimento de swaps e dólar à vista, para facilitar essa saída; a redução dos juros para dar margem (numérica e psicológica) para, quando a inflação voltar, permitir um aumento de juros abaixo da inflação, de modo a reduzir a dívida pública que, a essa altura, estará predominantemente na mão dos otários (fundos de pensão, previdência privada e outros trabalhadores).

  5. Imposto de renda sobre recebimento de dividendos nada? Continua a isenção imoral? Assim os amigos de Paulo Guedes, banqueiros, continuarão rindo do povo, montados nos seus lucros inacreditáveis no resto do mundo.

  6. Agora é a hora, direito adquirido é o cara_ _ _.
    Teto do INSS para as aposentadorias e pensões do funcionalismo público das três esferas.
    Economia de bilhões para serem aplicado no Brasil e no seu povo.

    • Aposentadorias e pensões do funcionalismo público para quem trabalha na iniciativa privada.

      O problema é que porcos não olham pro céu, eles só olham pro chão e, por isso, incapazes de valorizar as pérolas, eles nivelam tudo por baixo

  7. Se fosse justo, esse Presidente Gojoba congelaria também os preços dos gêneros da cesta básica. Mas só congela os salários

    Fora, Capiroto!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome