Brasil terá 700 mil desempregados em 2016, diz OIT

Da Agência Brasil

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) prevê que o número de desempregados crescerá em 2,3 milhões de pessoas em todo o mundo este ano e em 1,1 milhão em 2017. Ou seja, em dois anos, 3,4 milhões de pessoas a mais farão parte do contingente global de desempregados. 
 
Do total de trabalhadores que passarão a integrar as estatísticas do desemprego em 2016, segundo a OIT, 700 mil serão brasileiros. Os dados estão no relatório World Employment and Social Outlook – Trends 2016 (Emprego no Mundo e Perspectiva Social – Tendências 2016), divulgado hoje (19) pelo organismo multilateral.
 
Segundo a OIT, que é vinculada à Organização das Nações Unidas (ONU), as estimativas se baseiam nas projeções mais recentes de crescimento econômico. Na avaliação da entidade, a desaceleração econômica global ocorrida em 2015 tende a causar um impacto atrasado sobre os mercados de trabalho em 2016, resultando em um aumento nos níveis de desemprego, particularmente nas economias emergentes. A entidade destacou principalmente as economias da Ásia e América Latina.

 
Especificamente na América Latina, a OIT informou que o Brasil, “maior economia da região”, está “entrando em uma severa recessão”. Conforme o organismo, o fenômeno de queda na atividade econômica no país e em outras economias emergentes reflete “uma combinação do declínio em preços de commodities (produtos básicos com cotação internacional) e fatores estruturais”. Como principal problema estrutural na América Latina, foram citados os baixos ganhos em produtividade.
 
O organismo acrescentou que a economia asiática foi afetada pelo crescimento mais fraco do que o esperado na China, combinado ao menor preço das commodities. “Em 2015, o crescimento econômico da China caiu para abaixo de 7% (para 6,8%) pela primeira vez em mais de duas décadas”.
 
Segundo previsão da OIT, a China terá um acréscimo de 800 mil no número de pessoas desempregadas, sendo 400 mil em 2016 e 400 mil em 2017.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Desemprego bate recorde e chega a 14,6% no terceiro trimestre

8 comentários

  1. Acho que é otimismo

    Pelo que se está vivenciando aqui embaixo, acho a previsão até otimista para o Brasil.

    Muita indústria voltando de férias coletivas e reduzindo quadros.

    Outro fator não menos importante não citado é a redução de salários, e não só a perda de empregos.

    Numa recessão dessas, a grande maioria, quando consegue se recolocar no mercado de trabalho, o faz com salário inferior ao do antigo emprego e também inferior ao do trabalhador que ocupava a vaga anteriormente, que em muitos casos perdeu o emprego porque “ganhava demais”.

    Ou seja, no perverso quadro pintado pela recessão, há um reajuste de salários à nova realidade, sempre para baixo.

    Aí vem a pergunta, e no setor público, como se ajusta salários à uma nova realidade de arrecadação do(s) governos(s) ???

    Nos últimos dez anos a massa salárial do setor público subiu 5 vezes mais do que a do setor privado, tanto por reajustes quanto por contratações.  

  2. A situação é desesperadora.

    A situação é desesperadora. Não existe mais espaço para otimismo e copos meio cheios. Segundo a OIT (não a Veja) quase 1/3 dos desempregados de 2016 serão brasileiros, certamente o Brasil é mais vulnerável entre os países que contam.

    E ainda tem as alices e santelmos que acreditam neste governo incompetente, desastrado, corrupto, ineficiente e completamente fora de sintonia com a realidade. O estoque de desculpas acabou: culpar FHC, PIG, mídia, Lava Jato, Sérgio Moro e a “crise internacional” pelo desastre não cola mais. Melhor faria Dilma (e leva o PT junto) botar o viola no saco e cantar noutra freguesia….

  3. Sobre desemprego, o alerta de Delfim Netto à Dilma

    Dilma Rousseff deve assumir o protagonismo em defesa do Brasil

    Jornal do Brasil

    http://www.jb.com.br/opiniao/noticias/2016/01/19/dilma-rousseff-deve-assumir-o-protagonismo-em-defesa-do-brasil/

     Publicidade 

    O ex-ministro Delfim Netto destaca, em artigo publicado nesta terça-feira (19), no Valor Econômico, intitulado “Desemprego alarmante”, que o Brasil corre o risco de ter 10 milhões de desempregados em março deste ano. “Não dá para esperar mais! É fundamental que o Executivo e o Legislativo incorporem o senso de urgência e trabalhem para restabelecer a “confiança” entre eles e recuperar o respeito da sociedade brasileira, sem o qual não haverá crescimento e, com ele, a queda do desemprego.”

    No artigo, o ex-ministro ressalta ainda: “A solução, portanto, é a presidente assumir o seu protagonismo e apresentar, na abertura do Congresso, projetos de mudanças constitucionais e medidas infraconstitucionais que devolvam à economia a perspectiva da sustentabilidade de longo prazo. O governo não tem que se inibir. Deve “ir para a rua”, sofrer o “panelaço”, que lhe cabe e “colocar nas cordas” a sua indigente, obesa e medíocre “base” política.”

    Por todas as razões que dão a Dilma a certeza da dignidade e da inocência, está mais do que claro que quem tem que fazer o protagonismo em defesa do país é ela

    Delfim lembra também: “O desemprego é o maior mal que corrói qualquer sociedade. Cada vez que um indivíduo que pode e quer trabalhar não encontra um emprego, sente-se excluído. A situação é ainda mais grave quando o desemprego se prolonga e ele perde o “capital humano” que incorporou no simples ato de trabalhar: vai-se com o tempo a sua expertise, superada pelo avanço tecnológico. No fim do dia, perdeu um pedaço da sua identidade e destruiu a sua família.”

    Neste momento de crise econômica e de confiabilidade em função dos processos da Operação Lava Jato, o alerta do ex-ministro Delfim Netto é certeiro. Em meio às acusações – confirmadas ou não – dirigidas aos mais variados setores, tanto do governo quanto do segmento empresarial, uma certeza se faz líquida e certa: a dignidade da presidente Dilma Rousseff, sobre quem não paira qualquer sombra de suspeição.

    Por todas as razões que dão a Dilma a certeza da dignidade e da inocência, está mais do que claro que quem tem que fazer o protagonismo em defesa do país, neste momento, é a presidente da República. É ela que deve apresentar, na reabertura do Congresso, as propostas que o povo tanto anseia, e que levarão o Brasil de volta aos trilhos. É Dilma Rousseff que deve, no momento em que o FMI divulga números negativos sobre o Brasil, inclusive responsabilizando o país pelo mau desempenho da América do Sul, assumir a direção e apresentar dados que contestem as críticas do fundo. No momento em que a Petrobras, principal empresa do país, responsável por 60% da economia nacional, é destruída por ladrões engravatados e desrespeitada em praça pública – a ponto de estar valendo menos que a empresa colombiana Ecopetrol, que produz cerca de três vezes menos que a brasileira – é a presidente da República que deve defender nosso maior patrimônio, e garantir que ele continue a dar sustentação ao país.

  4. É pouco.Será pior se a auditoria da dívida nao for feita

    Nada novo no Brasil, um pais dominado desde sempre. Acreditem, o país está caminhando para um caos sem precedente. Essa estimativa de 700 mil desempregados ainda é otimista pelo que está sendo preparado e está em plena execuçao, de acordo com o  documento do FMI e Banco Mundial desde junho de 2013. Aliás, apesar de sermos credores do FMI, o Brasil continua seguindo à risca as ordens dadas tanto pelo FMI quanto Banco Mundial. Que beleza, nao é?? Podem esperar por coisa muito pior porque as ordens dadas ao Brasil de implementaçao de política macroeconomica estao em andamento e a pleno vapor e a lava jato é só uma cortina de fumaça para desviar a atençao do que realmente está sendo resolvido no bastidor em relaçao ao futuro do país. Estamos caminhando a passos largos para uma situaçao muito mais crítica do que na época do fhc. Acham que eu estou delirando?? A recomendações do FMI e Banco Mundial para implementaçao de política macroeconomica pelo Brasil refere-se ao desmonte do Estado, privatizaçoes à rodo, terceirizaçao total da atividade fim[clt jogada no lixo], a independencia do Banco Central, acelerar privatizaçoes da CEF, BB para aumentar a participaçao dos bancos privados, empoderamento do Banco Central para fornecer resursos para recaptalizaçao da banca[enquanto os bancos estao tendo lucros o lucro é deles, mas  quando tem prejuízo aí o prejú é “nosso” entao teremos que recaptalizar esses bancos], retirar encargos trabalhistas e legais em caso de fusao ou incorporaçao excluindo tais responsabilidades para o sucessor[ex hsbc que foi embora e vendeu o banco, e aí como fica a situaçao dos empregados?]. estimular a particiaçao privada em investimentos imobiliários[isso quebrou bancos nos eua na crise de 2008, lembram-se?], recomendação para a Bovespa rever mecanismos de compensaçao de investidores contra perdas nos mercados de capital devido a erro operacional[havendo erro opercaional o investidor ficaria desobrigado de compensar perdas] e muito mais[assistam ao vídeo abaixo a partir dos 41:05 min]. Mas isso nao é atoa – tem que bagunçar mesmo..pois assim é que se domina tudo e todos. Faço um apelos aoscomentaristas: se engajem e comprem a luta para que seja feita a auditoria das contas públicas. Na cpi da dívida pública ficou comprovado que metade do nosso orçamento[dinheiro arrecadadao de todos os brasileiros] é confiscado para pagar juros da dívida pública, somente os juros, mas nem 20% dessa dívida foi comprovada existir. Estamos transferindo o dinheiros de todos nós para detentores de uma dívida que nao se comprova no mundo real pois é resultado de fraude. ilicitudes e resultado de mecanismos meramente financeiros como juros sobre juros[anatocismo] que é ilegal pela nossa constituiçao. Vamos acordar do transe e sair da ignornacia!! A falta de dinheiro para tornar o Brasil um país justo é decorrente de uma fraude nas constas do endividamento público. Por favor, apesar do vídeo ser um pouco longo, tenham paciencia e assistam ao vídeo abaixo, se deem uma chance para entender do que eu estou falando aqui. O ideal seria assistir na íntegra[a partir dos 13 min], mas se nao quiserem, assistam entao a partir dos 41 minutos, vale muito a pena, podem acreditar!

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=7I_TZQLgPBo%5D

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome