Demissões provocam aumento dos trabalhadores autônomos

Jornal GGN – O aumento das demissões nos últimos 12 meses e a dificuldade de reinserção no mercado de trabalho tem feito com que os brasileiros recorram ao trabalho autônomo. Em agosto, 19,8% da população ocupada se enquadrou nesta modalidade, o que equivale a 4,5 mihões de trabalhadores, o maior índice desde dezembro de 2006.

Segundo os dados do IBGE, a maioria destes trabalhadores tem entre 25 e 49 anos, e como sustentam a família, não podem ficar parados à espera de um emprego com carteira assinada. “Estão acontecendo mudanças expressivas no mercado de trabalho. A forma de inserção está mudando”, diz Cimar Azeredo, coordenador de trabalho e rendimento do IBGE.

Da Folha

Com demissões, classe média recorre mais a trabalho autônomo

Com o aumento das demissões (quase 1 milhão de vagas foram perdidas nos últimos 12 meses) e a dificuldade de conseguir um novo emprego com carteira assinada, o brasileiro está recorrendo cada vez mais ao trabalho por conta própria.

Em agosto, 19,8% da população ocupada se enquadrou nessa modalidade, o maior patamar desde dezembro de 2006, o equivalente a 4,5 milhões de trabalhadores. Um ano antes, essa participação era de 19%, e, em agosto de 2013, de 17,9%, segundo dados do IBGE das seis principais regiões metropolitanas.

Fatia de trabalhadores por conta própria

Nos anos anteriores, o mercado de trabalho vivia um boom da carteira assinada, acompanhada de um avanço do rendimento do trabalhador, o que apoiou o período de crescimento da economia brasileira alavancado pelo consumo das famílias.

Esse cenário, com a recessão, acabou. “Estão acontecendo mudanças expressivas no mercado de trabalho. A forma de inserção está mudando”, afirma Cimar Azeredo, coordenador de trabalho e rendimento do IBGE.

Essas mudanças se traduzem no funcionário da indústria de calçado que foi mandado embora e passou a consertar sapato em casa ou no engenheiro que também perdeu lugar e virou consultor.

Grande parte tem entre 25 e 49 anos, sustenta a família e não pode ficar parada em casa esperando uma nova oportunidade com carteira assinada. Ou seja, neste momento de crise, a renda é mais importante que benefícios como 13º salário e férias.

Muitos partem para atividades ligadas ao comércio, como a revenda de cosméticos ou alimentos, explica Azeredo, do IBGE.

RENDIMENTO

Outra face deste novo modelo de inserção no trabalho aparece na renda.

Na média, o grupo dos que trabalham por conta própria tem sentido uma queda menor no rendimento real que os trabalhadores do setor privado com acesso aos direitos trabalhistas. Em agosto, os primeiros tiveram queda de 1,7%, metade da sentida pelos empregados com carteira assinada.

Renda do trabalho

A explicação, porém, não é necessariamente positiva. Um dos possíveis motivos é a entrada de pessoas com maior qualificação, como advogados e engenheiros, no grupo do conta própria, que levantaram a média dos rendimentos –ainda que esses profissionais possam estar ganhando menos que quando eram empregados.

Naercio Menezes Filho, do Insper, ressalva que “ainda é cedo para verificar uma transformação radical no mercado de trabalho”. Melhores conclusões a respeito dos reflexos da atual desocupação ficarão mais claros a partir do ano que vem, diz. 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. E quem já era autônomo como faz??

    Sou músico. Uma área onde a muito não existe o emprego com carteira assinada. A reportagem tenta afirmar que a renda de quem trabalha por conta própria aumenta em relação a quem está empregado. Sinto muito contradizer com minha própria experiência e de vários colegas na mesma situação que vivo que esta é uma grande mentira. O trabalhador “por conta própria”pode até ter alguns ganhos por não ter descontos (de imposto de renda e INSS) na hora de receber. Mas a inconstância das encomendas de trabalho degradam completamente a renda final do trabalhador. Sim é certo de que eu posso realizar um trabalho somente que vai me render o suficiente para pagar todas as contas de um ou dois meses mas o que acontece num momento como estou passando agora com mais de 4 meses sem nenhuma encomenda e sem nenhuma entrada de dinheiro na conta?? Sem falar que equipamentos de que dependo para trabalhar estão deteriorando e tornando-se obsoletos porque não sobra verba para consertá-los ou substituí-los. E sem falar que a falta de grana ainda me impõe a própria falta de divulgação necessária para captar novos serviços e até a falta de um telefone de contato para ser encontrado e contratado (o que ainda não aconteceu mas é uma possibilidade se eu passar alguns meses sem verba para pagar a conta).

    E pensar que toda essa “crise” foi criada somente por uma disputa de poder entre pessoas e entidades que não se afetaram em nada com a desgraça que criaram para todos os trabalhadores, empregados ou antônomos. A crise tem como único objetivo garantir o lucro dos bancos e grandes corporações que continuam vistosos e faturando alto enquanto o ser humano real, representado pelos trabalhadores está sendo mandado para miséria só para garantir a glória do PIG, o lucro dos bancos, a invasão imperialista da internet e a disputa de ego dos políticos de direita e esquerda. Dá nojo de pensar o quanto a humanidade esta INVOLUINDO caminhando a passos largos para a barbárie enquanto felizes consultores econômicos e juízes irresponsáveis aparecem sorrindo na Globo!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome