Peruanos são libertos de trabalho escravo em São Paulo

Um peruano foi preso durante operação do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) que flagrou outros 17 peruanos (três menores de idade) em situação análoga à escravidão em Cangaíba, na zona leste da capital paulista. O empresário, preso em flagrante no último dia 7, é dono de uma confecção que abastece a grife Unique Chic, também responsabilizada pelo crime.

A operação foi realizada em conjunto com a Polícia Civil, a Defensoria Pública, o Ministério Público do Trabalho e a Secretaria de Justiça. Segundo o delegado César Camargo, da 1ª Delegacia de Liberdade Pessoal, foi a primeira prisão em flagrante depois de uma operação conjunta para coibir o trabalho escravo em São Paulo.

Quando chegavam ao Brasil, os peruanos tinham os documentos retidos e eram submetidos a jornada extenuante de trabalho – das 5h às 22h. A fiscalização aconteceu depois que um dos trabalhadores conseguiu fugir e denunciou a situação ao Consulado do Peru. “Além dos 17 trabalhadores, mais dois conseguiram fugir do local. Os donos da oficina recrutaram os trabalhadores no Peru e os trouxeram para o Brasil com promessas de emprego e alimentação. Diziam que eles iriam ganhar bem, mas alguns dos trabalhadores ganhavam apenas R$ 25 por semana, sem liberdade de movimento”, explicou Luiz Antônio Medeiros, superintendente do MTE em São Paulo.

Um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) de emergência foi assinado na última segunda-feira, 10,  pela Defensoria Pública e pela grife Unique Chic. Por meio desse TAC, a defensoria tentou assegurar uma garantia financeira para os trabalhadores. “Foi feito o pagamento de um salário mínimo, dois vales-transporte diários pelo menos até segunda-feira (17) e um vale-alimentação de R$ 20 por dia. Isso perfaz um total de R$ 906 para cada trabalhador”, disse Melchior. A grife ficou responsável pelo pagamento emergencial aos trabalhadores. De acordo com a Defensoria Pública, ainda será feito novo TAC com a grife.

Leia também:  Governo usa pandemia para retomar reforma trabalhista

Segundo o cônsul do Peru em São Paulo, Arturo Jarama, já está sendo feita uma campanha de prevenção no Peru para alertar as pessoas sobre o trabalho escravo e evitar que peruanos venham ao país para se submeter a situações como essa.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome