CCR vence leilão das linhas Lilás e Ouro do Metrô de SP

Além da CCR, penas a CR Brasil  entregou documentação na Bovespa para concorrer na operação das Linhas 5-Lilás e 17-Ouro do Metrô de São Paulo (Foto: Agência Brasil)
 
metro_foto_agencia_brasil.jpg
 
Jornal GGN – O consórcio liderado pela brasileira CCR (formado com o Grupo Ruas Invest) venceu a licitação para operar as Linhas 5-Lilás e 17-Ouro do Metrô de São Paulo. Além dela, apenas a CS Brasil, do grupo JSL apresentou documentação, segundo apuração do Valor.
 
O consórcio liderado pela CCR ofereceu ao Metrô de São Paulo R$ 553,9 milhões (ágio de 185% sobre a outorga mínima). Já o consórcio da CS Brasil, apresentou a oferta de R$ 388,5 milhões, ou 99,9% de ágio. No edital o governo garantiria a vitória da empresa ou consórcio que ofercesse o maior ágio em cima do lance mínimo de R$ 189,6 milhões. A concessão das duas linhas tem duração de 20 anos. 
 
A CCR já opera a Linha 4-Amarela em São Paulo, em parceria com o Ruas Invest – de quem detém 83,4% das ações -, e com a japonesa Mitsui. Já a CS Brasil apresentou a proposta junto com a Seoul Metro, que opera o metrô sul-coreano. Entre as exigências do edital está a experiência previa no setor de transporte sobre trilhos. 
 
Até ontem (18) a CCR era apontada como favorita na disputa pela concessão das duas linhas de São Paulo supostamente beneficiada pelo edital montado pelo governo de São Paulo, segundo alegação de metroviários e engenheiros sindicalizados que organizaram protestos nesta manhã em frente a Bovespa.
 
Ontem no final do dia juiz Adriano Marcos Laroca, da 12ª Vara da Fazenda Pública chegou a suspender o leilão acatando ação popular da vereadora Sâmia Bonfim (PSOL) e do vereador Toninho Vespoli (PSOL). “Basicamente, pode-se dizer que se trata de uma privatização custeada com recursos públicos”, afirmou Laroca na liminar concedida. Mas horas depois o presidente do TJ-SP, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças derrubou a liminar alegando que “a paralisação do certame provocará o retardamento do procedimento licitatório e, por conseguinte, da entrega da operação comercial, em detrimento da expectativa de expansão do serviço público de transporte metroviário à população”. 
 
 
Além de protestos, os funcionários do Metrô de São Paulo realizam greve de 24h desde a zero hora desta quinta-feira (18). 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

11 comentários

  1. É um nojo.

    Legal comentarem a respeito do metrô sul-coreano.

    Afinal, é este o modelo para a Linha Amarela.

    E qual o problema?

    O problema é que os modelos de metrô utilizados para a Linha Amarela do metrô paulistano são para LINHAS SECUNDÁRIAS sul-coreanas, não para linhas principais. A cidade é enorme, para onde vc vai, tem gente, não tem jeito. Talvez a região da Chácara Klabin tenha mais “cara” de metrô em linha secundária.

    Quem quiser, que compare o metrô, por exemplo, da Linha Verde, com o da Linha Amarela.

    Na Linha Amarela é comum gente precisar sair do vagão para alguém entrar ou sair, dada a sua largura pequena. Vc deve pensar “mas isso tb acontece nas outras linhas do metrô”. OK, mas tem diferença, não é preciso muito para um vagão (o fato de não haver separação nos vagões da Linha Amarela é menos um detalhe técnico do que estético) da Linha Amarela ficar abarrotado, uma pessoa já é suficiente pra fechar o corredor, em vez de duas, no metrô convencional.  

    Isso sem falar na arquitetura do metrô, as passagens estão sempre abarrotadas, confusas, sempre há “atropelos”. Pelo quesito acessibilidade precária (pessoas idosas e com mobilidade reduzida sofrem, e muito), essa Linha Amarela deveria amargar pesada multa.

    Foi isso que a justiça permitiu que fosse terminado, pois, caso fosse interrompido, o prejuízo seria “incalculável”? Mais ou menos um raciocínio para o Fura-Fila do Maluf? 

    Com uma ajudinha do jornalismo a soldo paulista, a locomotiva do país parece superfaturada. 

    • Por falar em Chacara Klabin

      A estação em que voce não consegue entrar no vagão no horário de pico de manhã em direção à Vila Madalena?

      Ou aquela que vai ser um caos devido a superlotação quando a obra de catedral medieval ( duração de muiiiitos anos) do Santo , a linha 5 , ficar pronta e integrada  às já superlotadas linhas Verde (maior número de usuários por m² no horário de pico) e Azul (deliberadamente sucateada), sem contar com a CPTM!

      Agora se o projeto de gestão possuir a qualidade do mal fadado tunel de interligação entre as Estações Consolação e Paulista (também conhecido por Marcha dos Penguins) o paulistano sera brindado com a “cereja do bolo”!

      Como diria a vovó :Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe… Provérbio portugues !

      • Exato. É justamente este o ponto…

        … o que passa na cabeça dessa gente pra misturar um modelo axial (falido logo de início), ligação com trem e afunilamento de fluxo? 

        Ah, sim, São Paulo não é Nova Iorque.

        Mas engenheiro não é burro, sempre tem pesquisa origem-destino e tucano só consegue piorar o que já era ruim e prejudicar o que funciona. NENHUM túnel para fluxo de passageiros com interligação é seguro. Consolação/Paulista, na Luz…

        Se não for de caso pensado, o que é então? 

         

  2. Num dia os desembargadores

    Num dia os desembargadores paulistas legitimam os assassinatos de pobres cometidos por PMs, no outro o presidente do TJSP legaliza o roubo do patrimônio público de São Paulo por ricos e estrangeiros. Tribunal de merda.

  3. CCR….

    É sério que deu a CCR, dona de São Paulo?! O que estes AntiCapitalistas Progressistas Socializantes prometiam em Palanques por Democracia lá nos anos 80? Ah! Mas a culpa deve ser da Ditadura, do Imperialismo Yankee ou do nesfasto Trump, não é mesmo? Sabemos que a Familia Alckmin, assim como a Familia Serra ou Cardoso, viverão sua vidas modestas, em Pindamonhangaba ou Moóca, depois de terem se doados à causa pública. Quantos sacrifíos por Nós. A CCR, aquela que comprou a modesta CONTROLAR, logo depois de ganhar a concessão do ar de São Paulo. E lunáticos ainda acreditam em bruxas?! É pela qualidade do ar, que inventarão novamente mais taxas, impostos, vistorias e multas. Tudo coincidência. Só que a tal CCR, anteriormente VIAOESTE, comprou a Rod.. Raposo Tavares (que liga São Paulo a Sorocaba) para não fazer concorrência com a jóia da coroa que era a Castelo Branco, também concessão monopolistas da CCR, e que faz o mesmo trecho. 20 anos depois de tragédias, acidentes diários, mortes, atropelamentos, curvas, pedágios extorsivos, lombadas, o inacreditável !!!! Não DUPLICARAM a Rodovia Raposos Tavares SP 270, que foi vendida ou doada ou privatizada ou o escambau, justamente para isto !!!!!!!!  E Picolé de Chuchu finge que não é com ele. E o MP Paulista e o Judiciário Paulista, na figura do glorioso TJ / SP, tão omisso ficam quanto Picolé.  Contrato? Prazos? Leis? Mortes? O que isto importa? E dá-lhe CCR.  (C riadora de C adáveres na R aposo)      

  4. Mais uma privataria onerosa.

    Adivinhe quem vai pagar os R$ 553,9 milhões “investidos” no metrô, com juros e correções? Os patos de sempre, sobretudo os que viajam em titica de tucanos. 

    Operar metrô não rende um mísero centavo de dólar na balança comercial, mas em “compensação”, aparecem sócios para a quem remeter lucros internacionalmente. A Eletrobrás vai para o mesmo ralo. Vamos comprar de volta usinas e linhas amortizadas há décadas, algumas há mais de quarenta anos, e vamos remeter divisas ao exterior por energia que, literalmente, cai do céu para o nosso consumo. E dá-lhe exportação de bens primários, muitos de recursos finitos, para aliviar o prejuízo.

    É certo dizer que não sabemos estatizar, mas também nunca soubemos privatizar, por isso somos o que somos: um país feito de otários.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome