Aplicativos fazem ligação entre caminhoneiros e empresas

Enviado por Anselmo Massad

No contexto da greve de caminhoneiros (ou tentativa de paralisação), ainda que haja conotações e colorações político-partidárias, há mudanças no mundo dos fretes e carretos. Como em outros segmentos, a disposição de usar o apoio tecnológico para evitar intermediários (ou evitar os velhos intermediários) tem criado espaço para modelos de negócios novos (novos intermediários?). Dá o que pensar:

Do Destino Negócio

6 aplicativos de cargas conectam empresas a caminhoneiros

Logística é um setor que guarda seus desafios. Garantir estoques abastecidos, com perfeita circulação das entregas, carregamentos e descargas, exige planejamento e organização. Mas também demanda contato com transportadoras e caminhoneiros. Se depender de um conjunto de 6 aplicativos de carga, esse relacionamento pode ser facilitado, contemplando de e-commerce a transferência de cargas entre filiais, entre outras necessidades.

O modelo de negócios de intermediador de cargas é antigo no Brasil, mas pelo menos desde de 2013, diferentes soluções no Brasil oferecem meios de contato com caminhoneiros e embarcadores, reduzindo a importância (ou o peso) de negociadores e agenciadores. Para os caminhoneiros, além de reduzir a dependência em relação aos “chapas” de beira de estrada, as ferramentas ainda favorecem o aproveitamento de espaço vazio ou o retorno sem carga após uma viagem.

Aplicativo para caminhoneiro

Com o uso de um ou mais dos aplicativos de carga, um caminhoneiro autônomo pode chegar a ganhar até 50% a mais. Essa é a estimativa de Carlos Mira, criador do TruckPad, em entrevista ao site da Confederação Nacional dos Transportes (CNT). Segundo o empreendedor, os “chapas” de beira de estrava chegam a ficar com 30% do valor do frete do caminhoneiro. É um valor economizado pelo embarcador, o que pode representar renda extra ao profissional ou maior margem de negociação no custo final da carga.

O modelo de negócios da maioria delas é praticamente o mesmo. As empresas se apresentam, em geral como “intermediário”, responsável apenas pela plataforma tecnológica que aproxima empresas — e, por consequência, seus gestores de áreas de logística — e caminhoneiros ou embarcadores. É uma abordagem semelhante à adotada pelo Uber e aplicativos de carona. Assim, a responsabilidade pela entrega, cabe ao profissional, enquanto itens como seguro seguem como responsabilidade dos contratantes.

“Hoje no Brasil mais de 60% do transporte de carga é feito por caminhoneiros autônomos, mas as empresas encontram dificuldades para conseguir caminhoneiros e os profissionais também não acham facilmente um frete no local onde está e que possa levar com seu tipo de caminhão”, disse Tiago Chilanti, diretor de produto e tecnologia da Quero Frete, em entrevista ao site Baguete. A concentração no modal de transporte rodoviário tem impactos na economia do país e na mobilidade urbana.

Na hora de escolher, vale a pena testar diferentes soluções para sua região. Localidades com maior concentração de demandas, como centros urbanos e grandes cidades na região Sudeste tendem a ser mais bem abastecidas do que áreas no Norte e Nordeste. Confira o comparativo dos seguintes 6 apps:

1. TruckPad & TruckBooking
2. Quero Frete
3. Sontra Cargo
4. Mudaqui
5. Fretebras Checkin
6. Busca Cargas
 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora