Governo tem pior arrecadação no mês de maio desde 2010

reais_marcos_santos_usp_imagens_2_1.jpg
 
Foto: Marcos Santos/USP Imagens
 
Jornal GGN – Segundo dados divulgados nesta terça-feira (20) pela Receita Federal, a arrecadação do governo em maio foi a pior para o mês desde 2010. 
 
O resultado teve influência da diminuição das receitas pagas pela indústria, chegando a R$ 97,6 bilhões, uma redução real de 0,96% na comparação com o mesmo mês do ano passado, já descontada a inflação no período. 
 
A arrecadação administrada pela Receita Federal teve diminuição de 0,31% em relação a maio de 2016, atingindo R$ 96 bilhões. A não administrada, que estava crescendo até abril, teve queda de 28,7% no mesmo período, totalizando R$ 1,6 bilhões.
 
As receitas federais chegaram a R$ 544,4 bilhões no acumulado do ano, um aumento de 0,35% em relação ao período de janeiro a maio de 2016. 

 
O crescimento ocorreu devido ao aumento das receitas não administradas pela Receita, como os royalties do petróleo, que tiveram elevação de 64,89% no período. Ao mesmo tempo, a receita com tributos caiu 0,82%.
 
A alta na arrecadação com os royalties de petróleo deve-se ao fato de que a commodity teve aumento tanto em seu preço quanto na produção em 2017, na comparação com o ano passado. 
 
Entre os tributos, a maior queda foi no pagamento de IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica) e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), que caiu 13,5%, R$ 1,5 bilhão menos do que o registrado em maio de 2016. 
 
O IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) teve queda de 18,51%, R$ 576 milhões a menos que no ano passado.  O PIS/Cofins teve redução de 1,36%, e o IOF (Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros), de 7,93% no mesmo período. 
 
Assine
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. O Plano Meirelles Goldfajn é

    O Plano Meirelles Goldfajn é TECNICAMENTE INVIAVEL porque a arrecadação tende a cair, não há ajuste possivel no Orçamento Federal para manter a divida publica estavel, a divida vai CRESCER EXPLOSIVAMENTE com os juros

    reais de 7%, quando a taxa media internacional de juros de titulos publicos é de !% ou menos, AS CONTAS DO PLANO MEIRELLES GOLDFAJN NÃO FECHAM A CURTO, MEDIO E LONGO PRAZO.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome